Brasileirão Série A

Expulsão precoce, 4 pênaltis e 7 gols: a receita maluca da derrota do Internacional para o Coritiba

om um a menos desde os seis minutos de jogo, Internacional é surpreendido pelo vice-lanterna Coritiba e perde por 4 a 3 em jogo maluco no Beira-Rio

Um resultado inesperado em mais um jogo maluco no Campeonato Brasileiro. Vindo de duas vitórias consecutivas, o Internacional se complicou com expulsão precoce de Vitão, logo aos seis minutos de jogo, e perdeu para o vice-lanterna Coritiba, por 4 a 3, em pleno Beira-Rio, na noite deste domingo (29). Robson (2), Garcez e Matheus Bianqui marcaram os gols do Coxa, enquanto Alan Patrick, Bruno Henrique e Enner Valencia fizeram para o Colorado.

Com o resultado, o Inter cai para a 13ª colocação, com 38 pontos. Já o Coritiba segue em 19º, agora com 23. O Colorado volta a jogar no Beira-Rio na próxima quarta-feira (1º), às 19h, contra outro time da zona de rebaixamento: o lanterna América-MG. No mesmo dia, mas às 20h, o Coxa recebe o Grêmio no Couto Pereira.

Expulsão cedo dificulta vida do Internacional

Quem esperava vida fácil para o Inter, como aconteceu há uma semana, contra o Santos, se enganou. Talvez pensando que ganhariam o jogo de qualquer maneira, os donos da casa começaram lentos. E o drama se estabeleceu logo aos seis minutos. Após o Coritiba ganhar a primeira bola, Garcez avançaria livre em direção ao gol, mas foi derrubado por Vitão, o último homem colorado. Inicialmente, o árbitro André Policarpo Bento deu cartão amarelo para o zagueiro, mas foi chamado pelo VAR e mudou a cor para vermelho.

Ao invés de remontar a zaga com a entrada de Igor Gomes, Coudet optou por recuar Johnny para a linha de defesa. Não deu certo. O Coritiba chegava com facilidade. Aos 11, Rochet saiu errado com os pés. Após a bola rodar e chegar no lado direito, Robson cruzou na segunda trave para Garcez, que cabeceou para as redes. Porém, o gol foi anulado por impedimento. Aos 19, o cruzamento veio da esquerda, e Matheus Bianchi, livre próximo à marca do pênalti, mandou por cima.  A primeira chegada do Inter aconteceu aos 22 minutos. Alan Patrick cruzou na segunda trave, e Enner Valencia, sozinho, cabeceou perto da trave esquerda de Gabriel. A oportunidade perdida custou caro. Aos 27, em nova investida do Coritiba pela direita, Natanael cruzou rasteiro e Johnny mandou contra o próprio patrimônio. A bola caprichosamente acertou a trave, mas, na sobra, Garcez chutou para abrir o placar e marcar seu primeiro gol pelo Coxa.

Só depois do gol é que Coudet reorganizou sua equipe com a entrada de Igor Gomes no lugar de De Pena. Johnny voltou para o meio-campo, e Alan Patrick se posicionou pelo lado esquerdo. Com a vantagem, o Coritiba se fechou e o Inter, mesmo com um a menos, foi para cima em busca do empate. Aos 31, Alan Patrick cobrou falta, a bola desviou na barreira e Gabriel fez boa defesa. Aos 39, em lance infantil, Bruno Gomes pisou no pé de Maurício dentro da área após cobrança de lateral. Alan Patrick bateu o pênalti no canto direito de Gabriel, que até acertou o lado, mas não conseguiu fazer a defesa.

Os oito minutos de acréscimos foram de mais incidentes em um primeiro tempo bastante movimentado. Aproveitando-se da avenida pelo lado esquerdo de defesa do Inter, que tinha Dalbert no lugar do suspenso Renê, o Coritiba voltou a ficar à frente aos 48. Robson recebeu de Natanael e cruzou na segunda trave, onde Matheus Bianchi cabeceou nas costas do baixinho Bustos para marcar o segundo do Coxa. O Inter quase empatou dois minutos depois. Em cobrança de escanteio de Alan Patrick, Johnny desviou de cabeça na primeira trave e acerto o travessão. Na sobra, Maurício mandou para fora de perna direita.

Segundo tempo com mais três pênaltis, e cinco gols

A tônica do início do segundo tempo foi de um Inter que partiu para cima diante de um Coritiba fechado, que explorava os erros colorados. Foi o que Dalbert, de atuação desastrosa, ofereceu aos 17 minutos. O lateral tabelou perigosamente com Rochet, e derrubou Robson dentro da área. No campo, o impedimento do atacante foi assinalado. Mas as linhas ajustadas do VAR apontaram condição legal, e o pênalti foi marcado. Depos de muita demora, próprio Robson bateu no meio do gol para ampliar.

O Inter voltou para o jogo aos 37. Bruno Henrique, que havia entrado no segundo tempo, acertou belo chute de fora da área para empatar. Mas a reação foi esfriada aos 42. O estreante zagueiro João Dalla Corte, que entrou improvisado na lateral-esquerda, se precipitou e chegou atrasado em Bruno Gomes no lado esquerdo da grande área. Desta vez, Robson cobrou o pênalti no canto direito de Rochet, que até acertou o lado, mas não conseguiu fazer a defesa. Bruno Gomes teve oportunidade de fazer o quinto aos 45. Rochet estava fora do gol mas o volante chutou em cima de Igor Gomes.

O Inter ainda encontrou mais um pênalti, o quarto do jogo, aos 52. Reynaldo atingiu o rosto de Nico Hernández, e o VAR auxiliou o árbitro na decisão. Gabriel defendeu o pênalti fraco e à meia altura de Enner Valencia, mas a bola sobrou para o próprio centroavante equatoriano, que mandou para o gol vazio. O Beira-Rio ainda tentou empurrar os jogadores colorados para um empate épico, mas não foi possível.

Estatísticas de Internacional x Coritiba – Brasileirão 2023

Posse de bola: 62% x 38%

Chutes: 18 x 12

Chutes a gol: 10 x 7

Gols: Alan Patrick, aos 42′ do 1T; Bruno Henrique, aos 38′ do 2T; Enner Valencia, aos 56′ do 2T (I) Garcez, aos 27′ do 1T; Matheus Bianqui, aos 48′ do 1T; Robson, aos 24’do 2T; Robson, aos 44′ do 2T (C)

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho, formado em jornalismo pela PUC-RS e especializado em análise de desempenho e mercado pelo Futebol Interativo. Antes da Trivela, passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo