Brasileirão Série A

Cruzeiro e RB Bragantino pecam nas finalizações e empatam no Mineirão

O empate acabou não sendo bom nem para Cruzeiro e nem para RB Bragantino e a torcida protestou bastante no Mineirão

Cruzeiro e RB Bragantino empataram em 0 a 0, na noite deste domingo (3), no Mineirão, em partida válida pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. As equipes fizeram um jogo bastante aberto, com muitas chances de gol e falhas defensivas. Apesar disso, falhas constantes na hora da finalização, dos dois lados, impediram um dos times de levar os três pontos para casa.

Cruzeiro mantido e Bragantino desfalcado

O treinador interino do Cruzeiro, Fernando Seabra — que comanda o time sub-20 da Raposa —, manteve a base do time que vinha jogando com Pepa. As únicas mudanças foram o retorno do lateral-direito William, recuperado de lesão, e a entrada de Bruno Rodrigues no ataque, substituindo Wesley, que contraiu uma virose durante a semana e, por ter perdido alguns treinamentos, ficou no banco de reservas.

Criticado pela torcida celeste, o centroavante Gilberto voltou a ser relacionado, ficando como opção. O jogador foi bastante xingado e vaiado quando seu nome apareceu no telão, antes do jogo.

Fernando Seabra escalou o Cruzeiro com: Rafael Cabral; William, Neris, Luciano Castán e Marlon; Matheus Jussa, Lucas Silva e Matheus Vital; Bruno Rodrigues, Arthur Gomes e Rafael Elias.

O português Pedro Caixinha, por sua vez, teve que lidar uma série de desfalques para escalar o Bragantino. Ficaram de fora os zagueiros Eduardo Santos e Lucas Cunha, o volante Raul, os meias Nathan Camargo e Eric Ramires, além dos atacantes Henry Mosquera e Eduardo Sasha. Todos lesionados.

Caixinha mandou o RB Bragantino a campo assim: Cleiton; Aderlan, Léo Realpe, Léo Ortiz e Luan Cândido; Matheus Fernandes, Jadsom e Lucas Evangelista; Helinho, Thiago Borbas e Vitinho.

Cruzeiro domina ações mas sofre nos contra-ataques

Empurrado por sua torcida, que cantava alto no Mineirão, o Cruzeiro começou a partida em cima e quase marcou nos primeiros minutos. Lucas Silva fez grande jogada pelo meio e deu belo passe para William. O lateral-direito cruzou de primeira e Rafael Elias se antecipou aos zagueiros do RB Bragantino e cabeceou muito próximo da trave direita de Cleiton.

Poucos minutos depois, Marlon obrigou o goleiro do clube paulista a trabalhar em cobrança de falta fechada quase da marca do escanteio.

Passada a pressão inicial da Raposa, o clube de Bragança Paulista passou a ter maior posse de bola e agredir o time mineiro com maior frequência. Após alguns ataques perigosos do Bragantino, aos 20 minutos Rafael Cabral finalmente precisou trabalhar. De dentro da área, Luan Cândido chutou à queima roupa, obrigando o goleiro cruzeirense a fazer grande defesa. Poucos minutos depois, Vitinho incomodou em jogada individual, que terminou com um chute para fora.

O time celeste voltou a ter boa chance aos 46, em cobrança de escanteio que, após desvio, sobrou para Luciano Castán, que cabeceou fraco para defesa tranquila de Cleiton.

O primeiro tempo terminou com o Cruzeiro melhor, mas sem grandes defesas de Cleiton. O RB Bragantino ficou menos com a bola, mas quando conseguiu contra-atacar, levou mais perigo, aproveitando seus rápidos pontas. Assim como em outras partidas, o time celeste enfrentou dificuldades para converter a posse de bola e jogadas ofensivas em gols. A bola aérea cruzeirense voltou a deixar a desejar. Foram muitas chances para levantamentos, mas nenhum deles foi concluído com qualidade.

Matheus Vital, meia do Cruzeiro, domina bola contra a marcação do RB Bragantino
A primeira etapa teve domínio cruzeirense, mas quando atacou, RB Bragantino levou perigo – Foto: Staff Images/Cruzeiro

Problema dos gols perdidos volta a assombrar Cruzeiro

Assim como no primeiro tempo, a segunda etapa começou com chance para o Cruzeiro. No primeiro minuto Bruno Rodrigues fez jogada individual, cruzou e a bola sobrou para Arthur Gomes que achou Papagaio sozinho dentro da área, mas o camisa 40 pegou mal na bola, facilitando o corte da defesa. Minutos depois, o camisa 9 fez outra boa jogada e mandou para área. Rafael Elias quase alcançou, mas viu a bola passar em sua frente.

Aos 14 minutos, foi a vez do torcedor do Cruzeiro prender a respiração. Arthur Gomes e Lucas Silva se complicaram no meio de campo e armaram contra-ataque, que terminou com boa saída de Rafael Cabral. Dois minutos depois, lançamento nas costas da defesa celeste e Rafael mais uma vez interviu bem. No rebote, com o goleiro celeste fora do gol, Alerrandro, que entrou na segunda etapa, pegou mal e devolveu a bola para a defesa.

Estes foram minutos de loucura. Os times se abriram e oportunidades começaram a surgir para os dois lados, mas a concretização de ambas as esquipes não estava em dia.

Machado acerta a trave

Com as mudanças de Pedro Caixinha — entraram Juninho Capixaba, Alerrandro, Sorriso e Matheus Gonçalves —, o RB Bragantino se abriu em campo e os rápidos pontas do Cruzeiro passaram a ter espaço para atacar. Aos 21 minutos, em jogada de velocidade, o time celeste teve sua melhor oportunidade no jogo. O volante Filipe Machado, que entrou em campo na vaga de Mateus Vital, recebeu lindo passe de Bruno Rodrigues e cara a cara com Cleiton carimbou a trave, levando os torcedores à loucura.

Depois do erro do camisa 23, o Bragantino cresceu na partida e passou a agredir mais o Cruzeiro, que contou com um Rafael Cabral inspirado para salvar a equipe de um desfecho ainda pior.

Torcida na bronca

A partir dos 35 minutos, com a dificuldade do Cruzeiro em concluir em gol e o crescimento do RB Bragantino, que passou a obrigar Rafael Cabral a trabalhar, a torcida celeste passou a hostilizar o time. Gritos de “Se o Cruzeiro não ganhar, o pau vai quebrar” e “Time pipoqueiro, tem que ter raça pra jogar no meu Cruzeiro” passaram a ser ouvidos da arquibancada.

Tabela

Cruzeiro e RB Bragantino entraram em campo em situações distintas na tabela do Brasileirão. Enquanto o clube celeste, que vive momento ruim, começou o jogo na 13ª colocação, com 25 pontos em 21 jogos, os paulistas chegaram em Belo Horizonte na sexta colocação, com 36 pontos.

Cruzeiro estreia uniforme 3

Matheus Jussa entrando em campo vestido com o novo uniforme 3 do Cruzeiro
Matheus Jussa entrando em campo vestido com o novo uniforme 3 do Cruzeiro – Foto: Staff Images/Cruzeiro

A partida entre Cruzeiro e RB Bragantino foi marcada pela estreia do novo uniforme 3 do clube celeste, lançado no último dia 24 de agosto.

O modelo, da fornecedora de material esportivo alemã Adidas, tem, predominantemente, tons de azul mais claros que o do uniforme principal e desenhos que lembram o formato de redemoinhos. Além disso, a camisa possui detalhes azul marinho — nas golas, manga e símbolo da fabricante —, e amarelos — nas golas, manga e nas tradicionais três listras —, localizada nos ombros.

Além do design arrojado, a principal novidade na camisa é o retorno do escudo e da Tríplice Coroa, adição implementada após as conquistas do Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro no ano de 2003. O kit também homenageia o Raposão, mascote do Cruzeiro, que completou 20 anos em 2023.

Ronaldo marca presença

Ronaldo Nazário, dono da SAF do Cruzeiro, marcou presença no Mineirão para a partida deste domingo. O mandatário está em Belo Horizonte, trabalhando junto com a diretoria celeste na busca de um novo treinador para a Raposa. O “Fenômeno” tirou foto com torcedores mas evitou falar da procura pelo substituto de Pepa.

Ronaldo Fenômeno, Gabriel Lima e Pedro Martins, diretores do Cruzeiro, no Mineirão
Ronaldo assistiu o jogo ao lado do CEO do Cruzeiro, Gabriel Lima, e do diretor de futebol, Pedro Martins – Foto: Staff Images/Cruzeiro

Os próximos jogos de Cruzeiro e RB Bragantino

O Cruzeiro volta a jogar somente na quinta-feira, dia 14 de setembro, diante do Santos, às 19h, na Vila Belmiro, em Santos, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Já o RB Bragantino recebe o Grêmio, também no dia 14 de setembro, às 21h30, no Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista. A partida valerá pela 23ª rodada do Brasileirão.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo