Brasileirão Série A

Coudet justifica Internacional defensivo contra o RB Bragantino: “O resultado estava acima da ideia”

Eduardo Coudet valorizou vitória sobre o RB Bragantino principalmente pela necessidade do Internacional, que estava a apenas dois pontos da zona de rebaixamento

Para vencer o RB Bragantino e se afastar de vez da zona de rebaixamento, o Internacional de Eduardo Coudet foi diferente do habitual. Com as linhas baixas, principalmente no segundo tempo, o Colorado se defendeu muito para sustentar a vitória por 1 a 0 no Beira-Rio, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

— Hoje falamos da importância de ganhar, acima de todas as coisas. Enfrentamos um time que joga muito bem, que não tem pressão, também ajuda, e nós sabíamos que teríamos toda pressão, pela necessidade de subir na tabela. Hoje tivemos a linha mais baixa, cedemos a bola, e depois no intervalo falei que era mais importante defender o zero na nossa goleira. Já tinhamos feito o gol, e necessitávamos esses três pontos. Estamos acostumados a jogar de um jeito. Mas hoje o resultado estava acima da ideia. Às vezes isso acontece no futebol — destacou Coudet na entrevista coletiva que iniciou mais cedo do que o comum, pouco mais de 20 minutos depois da bola deixar de rolar no Beira-Rio.

Coudet concorda que ausências de Aránguiz e Alan Patrick influenciaram na mudança de estratégia

Essa postura mais reativa do Inter também esteve atrelada aos desfalques de Aránguiz e Alan Patrick, que estavam suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Sem os meio-campistas, o Inter não teve tanta retenção de bola. Coudet reconheceu que ambos são fundamentais nesse sentido, e até brincou com a situação.

— A verdade é que são praticamente os dois jogadores que mais nos dão jogo. Você [repórter] sempre reclama quando os troco. Hoje não tinha como porque eles não estavam [risos]. Hoje faltavam os dois jogadores que geram mais jogo no time. Tínhamos a necessidade também. Tentamos em alguns jogos com muitas trocas, ganhamos, perdemos. Mas hoje era ganhar ou ganhar. Era ser inteligente e tratar de fechar o jogo — frisou Coudet, que no segundo tempo reforçou a marcação com as entradas de jogadores como Rômulo e Nico Hernández.

Coudet valoriza vitória também pelas virtudes do RB Bragantino

O treinador do Inter valorizou a vitória não só pela necessidade, mas também pelo adversário que estava do outro lado. Coudet citou características do Bragantino que já havia detectado no primeiro turno, no jogo que marcou sua estreia nesta segunda passagem no Colorado.

— Falei com a diretoria, quando foi o primeiro jogo com o Bragantino, e sigo achando o mesmo: é um time muito novo, que corre muito, e que joga bem. Quando tem um momento de muita pressão, como acontecia hoje para nós, é um time mais que incômodo. Normalmente é, mas com a pressão que tínhamos, enfrentando o Bragantino, é difícil. Conquistamos os três pontos, por sorte. Agora é se preparar para quarta — comentou o treinador, se referindo à partida contra o Cuiabá.

Coudet reclama do calendário e dos gramados brasileiros

O pouco tempo de descanso entre as partidas foi lamentado por Coudet. Além disso, depois de jogar no Mato Grosso, o Inter já volta a atuar no sábado (2), contra o Corinthians, em São Paulo.

— Para todos, não só pela idade, é um problema o calendário brasileiro. Eu escuto, quando olho a televisão, todos treinadores falarem o mesmo. Vamos jogar quarta e sábado, nem 72 horas [de intervalo]. Não tem como recuperar. Contra o Palmeiras [dia 11], foi o oitavo jogo que jogamos em 20 dias. Tivemos que escolher que jogar por eliminação, pela parte física. Não é um time que prejudica, prejudica o produto que é o futebol brasileiro — lamuriou Coudet, que também criticou os gramados do Brasil. Excepcionalmente, o do Beira-Rio apresentou algumas falhas devido à sequência de eventos dos últimos dias.

Vitão e Valencia não aparentam terem lesão, mas podem ser desfalques contra o Cuiabá

O treinador colorado ainda falou sobre algumas individualidades. Primeiramente, Vitão e Enner Valencia, que foram substituídos no decorrer da partida por acusarem desconforto — o zagueiro aos 30 minutos do primeiro tempo, e o centroavante no intervalo.

— Vitão ainda não falei, mas acho que não rompeu. Não quero dizer nada a nível médico, mas não se machucaram. Pode ser fadiga. Quando o jogador pede a troca, e ainda tem possibilidade correr, não rompeu. Mas não sei se vão estar na quarta — revelou Coudet.

Coudet afirma que será difícil para o Internacional suprir a iminente saída de Johnny

O treinador do Inter também foi questionado sobre o desempenho de Johnny. Além de elogiar o jovem volante e detalhar o trabalho diário para fazê-lo evoluir, Coudet não escondeu que o Colorado deve perdê-lo em breve — embora o clube ainda não confirme oficialmente, o norte-americano está negociado com o Real Bétis, da Espanha.

— Fez um grande jogo. Acho que nos dá um equilíbrio muito importante. E vai crescendo. Vamos tentando demarcar para eles pequenos detalhes, quanto ao posicionamento está bem, quanto ao perfilamento, há um monte de coisas finas. Estou muito contente por ele, porque vai melhorando essas coisas, vai incorporando mais coisas. Seguramente vai ser um jogador difícil de repor para o clube — comentou Coudet.

Mais uma vez, o treinador argentino evitou falar sobre seu futuro, que envolve indefinição quanto à permanência para 2024. Reiterou que o assunto só será abordado por ele após a eleição para a presidência do Inter, que acontecerá no dia 9 de dezembro.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho. Formado em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Antes de escrever pela Trivela, esteve na Rádio Grenal e na RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo