Brasileirão Série A

Botafogo vai lutar contra estatística para ser campeão do Brasileirão

Com Tiago Nunes, Botafogo chegou a três técnicos diferentes durante o Campeonato Brasileiro - até hoje, só um clube foi campeão com tantas trocas

Apesar de ainda depender só de si para ser campeão do Campeonato Brasileiro, o Botafogo tem contra si uma importante tabu para superar. Com a contratação de Tiago Nunes, o Glorioso chegou ao seu terceiro técnicos durante a competição. E, se for considerado ainda Lúcio Flávio, que não foi efetivado “oficialmente”, o clube teve quatro treinadores. No atual formato do Brasileirão, apenas o Corinthians, em 2005, foi campeão com tantas trocas de técnicos.

O Botafogo começou o Campeonato Brasileiro com Luís Castro, que ajudou o clube a fazer um primeiro turno histórico. Mas, ainda antes da virada para o returno, depois de uma longa novela, o português decidiu se transferir para o Al Nassr, da Arábia Saudita, clube de Cristiano Ronaldo e companhia. Castro foi convencido a deixar o Botafogo, que liderava o Brasileirão, no fim de junho, por uma proposta milionária e, segundo o próprio, “irrecusável”.

Na época, o Botafogo vivia um dos seus melhores momentos na temporada. Poucos dias antes, o time de Luís Castro havia vencido o hoje líder Palmeiras por 1 a 0, em pleno Allianz Parque, com gol de Tiquinho Soares. Mas, no fim daquela semana, depois de uma longa e chata novela, o Botafogo confirmou que Castro estava deixando o clube.

Luís Castro deixou o Botafogo por opção antes do fim do primeiro turno (Foto: Vitor Silva/Botafogo)

Enquanto negociava com Bruno Lage, o Botafogo foi comandado por Cláudio Caçapa por quatro jogos. Na época auxiliar do Lyon, clube francês que pertence a John Textor, o brasileiro teve 100% de aproveitamento, incluindo três vitórias no Campeonato Brasileiro. Mas, ainda no meio de julho, o novo português chegou ao Botafogo.

Bruno Lage teve um bom começo no clube, mantendo a invencibilidade que o time tinha e que chegou a durar 19 jogos – dez dessas partidas sob o comando de Lage. Mas, mesmo com os resultados, o desempenho da equipe já vinha alvo de críticas antes da crise que levou a demissão do treinador.

Depois da eliminação precoce nas quartas de final da Copa Sul-Americana, com derrota para o Defensa y Justicia na Argentina, o Botafogo teve outros três resultados negativos, incluindo uma derrota para o Flamengo em pleno Nilton Santos. Bruno Lage, então, passou a ser questionado pela torcida e, após o empate com o Goiás, pela 25ª rodada do Brasileirão, quando deixou Tiquinho Sores no banco de reservas e causou uma crise interna com os jogadores, o português acabou demitido.

Bruno Lage foi demitido depois de sequência ruim e crise com jogadores do Botafogo (Foto: Vitor Silva/Botafogo)

Lúcio Flávio no Botafogo: interino ou efetivado?

Na ocasião, mesmo com os resultados ruins, o botafogo ainda sustentava uma vantagem de sete pontos sobre o então vice-líder Red Bull Bragantino. Com 13 jogos para o fim da temporada e com o apoio dos jogadores, o Botafogo optou por ficar com auxiliar técnico Lúcio Flávio no comando do time.

As duas primeiras vitórias, sobre o Fluminense e o América-MG, deram um gás para o Botafogo, que optou por manter Lúcio Flávio como técnico. O clube, no entanto, nunca oficializou publicamente a efetivação do treinador. Naquela ocasião, o Botafogo chegou a ter 11 pontos de vantagem sobre o Red Bull Bragantino e 14 sobre o Palmeiras, atual líder.

Lúcio Flávio ficou oito jogos no comando do Botafogo (Foto: Vitor silva/Botafogo)

Depois, no entanto, o Botafogo emendou uma sequência de seis jogos sem vencer, incluindo quatro derrotas – e duas por 4 a 3, de virada, em confrontos diretos contra Palmeiras e Grêmio. Após o empate com o Red Bull, Lúcio Flávio deixou o comando do time e disse que não chegou a ser efetivado no cargo. Agora, com Tiago Nunes, o terceiro – ou o quarto – técnico do Botafogo neste Brasileirão, o Botafogo tem cinco jogos para tentar retomar a liderança e ficar com a tão sonhada taça.

Corinthians foi o único com tantas trocas de técnicos

Em 2005, o Corinthians iniciou o Campeonato Brasileiro com o técnico Daniel Passarella. Mas o argentino ficou apenas três rodadas no comando do time. Márcio Bittencout, que era auxiliar do clube, assumiu primeiro como interino, mas ficou no cargo por quatro meses. Bittencourt levou o Timão até a vice-liderança do Brasileiro, mas, apesar da boa campanha, a diretoria do clube optou pela troca pelo experiente Antônio Lopes, que acabou levando o clube até título do Brasileirão – na polêmica disputa com o Inter.

Desde 2003, quando o Campeonato Brasileiro passou a ser disputado por pontos corridos, apenas em seis oportunidades o clube campeão passou por trocas de técnicos durante a competição.

Clubes que trocaram treinadores e foram campeões do Brasileiro

  • 2004 – Santos: Emerson Leão e Vanderlei Luxemburgo;
  • 2005 – Corinthians: Daniel Passarella, Márcio Bittencourt e Antônio Lopes;
  • 2009 – Flamengo: Cuca e Andrade;
  • 2018 – Palmeiras: Roger Machado e Felipão;
  • 2019 – Flamengo: Abel Braga e Jorge Jesus;
  • 2020 – Flamengo: Domènec Torrent e Rogério Ceni;
Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor do Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo