Brasileirão Série A

Botafogo: aproveitamento com Bruno Lage caiu, mas (ainda) não é motivo para crise

Apesar da situação gerada pelo treinador, Botafogo ainda tem boas chances de título se seguir com o aproveitamento de Bruno Lage no Brasileiro

Líder disparado do Campeonato Brasileiro, o Botafogo se viu envolto e em uma pequena turbulência no último fim de semana. Depois da derrota por 2 a 1 para o Flamengo, na noite de sábado, o técnico Bruno Lage reclamou da pressão sofrida e afirmou que estava colocando o cargo à disposição da diretoria. Em seguida, o clube conseguiu contornar a situação e o português segue no comando do time. Mas essa situação levantou duas questões. Existem motivos para pressão? E essa pressão, de fato, existe?

Bruno Lage está no comando do Botafogo desde o meio de julho, após Luís Castro deixar o clube para se transferir para a Arábia Saudita e depois de um curto período com o interino Cláudio Caçapa. O novo comandante assumiu o time com incríveis 86,6% de aproveitamento no Campeonato Brasileiro e 12 pontos de vantagem sobre o vice-líder, além de classificado para os play-offs da Copa Sul-Americana.

Desde o primeiro treino de Bruno Lage com o elenco do Botafogo, se passaram 52 dias. No período, foram 12 jogos, com quatro vitórias, seis empates e duas derrotas. Um aproveitamento de 50%. Longe dos números apresentados no Campeonato Brasileiro, que estavam muito acima da média. Não à toa, o Botafogo fez o melhor primeiro turno da história do Brasileirão de pontos corridos com 20 clubes.

No entanto, quando analisado apenas o Campeonato Brasileiro, Bruno Lage comandou o time em sete partidas. Foram três vitórias, três empates e uma derrota, o que representa um aproveitamento de 57,1%. A vantagem para o vice-líder caiu de 12 para 10, o que ainda seria relativamente confortável.

Os 57,1% de aproveitamento que Bruno Lage tem no Brasileiro seria mais do que suficientes para o Botafogo garantir o título no final da temporada. Se continuar com essa campanha, o Glorioso terminar o Campeonato Brasileiro com 78 pontos. De acordo com o grupo do Departamento de Matemática da UFMG que estuda estatísticas no futebol, o clube que atingiu esta pontuação tem 99,5% de chances de ser campeão.

No fim do primeiro turno, quando o Botafogo finalizou a histórica campanha com 47 pontos, a Trivela mostrou que o time de Bruno Lage poderia ficar com a taça do Brasileiro até se conseguisse “apenas” 54,3% de aproveitamento no returno. Nas 20 edições do Brasileiro de pontos corridos, a pontuação média dos times campeões foi de 77,8 pontos.

Bruno Lage causou uma pequena turbulência ao deixar o cargo à disposição após derrota para o Flamengo (Foto: Vitor Silva/Botafogo)

Desempenho, eliminação e derrota em clássico pesam contra Bruno Lage

Apesar de ainda ter um aproveitamento razoável, o que poderia evitar uma certa pressão, alguns pontos pesam contra o técnico Bruno Lage. Mesmo não sento tratado como prioridade pelo clube, a eliminação na Copa Sul-Americana, com o Botafogo poupando o time titular no jogo de ida contra o Defensa y Justicia, não pegou bem com parte da torcida. E a derrota para o Flamengo, em pleno Nilton Santos, apenas três dias depois da queda na Sul-Americana, aumentaram as criticas sobre o trabalho de Bruno Lage.

As atuações do time também tiveram uma queda de qualidade. Não significa, é claro, que antes de Bruno Lage o Botafogo tinha um futebol plástico e encantador. Mas a equipe passou a apresentar uma maior fragilidade defensiva e perdeu poder de decisão na frente – que pese, é claro, o período em que ficou sem Tiquinho Soares, por lesão.

Algumas escolhas de Bruno Lage também receberam criticas. Ter começado o clássico contra o Flamengo com JP e Segovinha pelo lado direito fez o treinador ser muito questionado. Além disso, ter poupado o time contra o Defensa y Justicia, no Nilton Santos, também gerou polêmica com parte da torcida.

É evidente, agora, que Bruno Lage sente a pressão de ter que tentar manter o nível (ao menos, nos números) que o Botafogo vinha apresentando antes de sua chegada. Mas é uma situação inerente ao cargo de treinador. E uma pressão que não se vê vindo da maior parte da torcida do Botafogo, que segue apoiando o time e até mesmo recepcionando o elenco no aeroporto mesmo depois da eliminação na Copa Sul-Americana.

As quedas do aproveitamento e, principalmente, do desempenho do time chamam a atenção. Mas é exagero considerar que Bruno Lage sofra uma grande pressão neste momento no comando do Botafogo. No máximo, ligariam um alerta. Mas nada que justificasse a entrega do cargo, como o português fez no último sábado.

Botafogo considera assunto encerrado

Apesar de toda polêmica gerada pela declaração de Bruno Lage depois da derrota para o Flamengo, o Botafogo já considera que o assunto sobre a possível saída do treinado foi encerrado. Logo depois da coletiva, ainda na madrugada de domingo, a diretoria e o técnico conversaram e se entenderam, confirmando a permanência do português. O clube tem encarado e tanta manter a narrativa de que foi um apenas um “desabafo” de Bruno Lage na coletiva.

Agora, diretoria de futebol e Bruno Lage seguem focados na busca pelo título do Campeonato Brasileiro. Com 51 pontos, dez a mais que o vice-líder Palmeiras, o Glorioso volta a campo no dia 16 de setembro, contra o Atlético-MG, na Arena MRV.

Números de Bruno Lage no Botafogo

  • 12 jogos
  • 4 vitórias
  • 6 empates
  • 2 derrotas
  • Gols marcados: 18 (1,5 por jogo)
  • Gols sofridos: 11 (0,9 por jogo)
  • Aproveitamento: 50%
Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor do Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo