Brasileirão Série A

Como Alisson encantou Zubeldía a ponto de virar o jogador mais importante do São Paulo

Alisson lidera o São Paulo em cinco estatísticas diferentes e assume papel de referência na equipe de Zubeldía

Luis Zubeldía cobra seus jogadores para ser intensos até mesmo durante os exercícios de aquecimento minutos antes das partidas. A intensidade — um dos termos mais populares e repetidos no futebol atual — é uma marca registrada dos trabalhos do treinador muito antes de ele chegar ao São Paulo. E ninguém no clube traduz tão bem esta característica em campo do que Alisson.

O ex-atacante transformado em volante por Dorival Júnior em 2023 encantou o técnico argentino desde o primeiro contato que ambos tiveram. Prova disso é que Zubeldía já derramou elogios ao jogador, hoje seu titular absoluto e referência para fazer a sua equipe jogar.

— Para mim, Alisson fez uma partida extraordinária. Isso ajuda muito. Esse nível ajuda muito que Bobadilla também jogue mais cômodo. O nível do Alisson é muito alto. E isso é bem-vindo. As grandes equipes têm que ter grandes volantes — disse o treinador, em entrevista coletiva após o empate em 0 a 0 com o Palmeiras, no MorumBIS.

Os números de Alisson desde a chegada de Zubeldía não deixam dúvidas de como ele é essencial para o bom funcionamento da equipe. Se o São Paulo hoje está invicto há seis jogos — cinco, sob o comando do atual treinador — é muito graças ao volante. Nas cinco partidas sob o comando do argentino, ele é “apenas” o líder do Tricolor em cinco quesitos: ações com a bola, passes certos, bolas longas certas, bolas recuperadas e interceptações. De quebra, aparece em segundo lugar no número de ações defensivas, conforme números do Sofascore.

Como Dorival transformou Alisson em volante

Alvo de críticas e desconfiança da torcida praticamente desde chegou ao São Paulo, em 2022, o meio-campista chegou a sofrer com um quadro de depressão no início de 2023. Alisson teve acompanhamento psicológico com profissionais do clube e voltou a atuar ainda sob o comando de Rogério Ceni. Mas ele se reinventou — ou foi reinventado — sob o comando de Dorival Júnior. De extrema pela direita, virou volante com o hoje treinador da Seleção. E ao levar sua combatividade para um setor mais recuado do campo, se tornou peça-chave e homem de confiança do técnico — como é também com Zubeldía.

A reinvenção de Alisson começou com uma conversa reservada e sincera om o auxiliar técnico Lucas Silvestre. No papo, o jogador admitiu que tinha dificuldades de atuar pelo lado direito do campo. É a mesma função em que jogou por anos pelo Grêmio, Mas as sutilezas da equipe o deixavam desconfortável em campo.

— Tive conversa com o Lucas (Silvestre), auxiliar, dizendo que tinha dificuldade de jogar pela direita, onde joguei quatro anos no Grêmio, mas de forma diferente. Deixei bem aberto, falei que tinha jogadores que poderiam fazer melhor a função. Ele me deixou bem à vontade — contou Alisson ainda no ano passado.

Para aperfeiçoar o posicionamento e os movimentos necessários da nova função, Alisson transformou alguns colegas de elenco em professores. Pablo Maia costumava passar orientações ao meio-campista, que virou seu parceiro inseparável de meio-campo. O lateral-direito Rafinha, com anos de Europa, também deu conselhos ao jogador de 30 anos ao longo da última temporada.

Diante da ausência de Pablo maia, lesionado, Alisson virou ainda mais uma referência no meio-campo. Zubeldía confia tanto nele, que entende que o volante faz os demais jogadores crescerem dentro de campo.

Os próximos três jogos do São Paulo

  • São Paulo x Fluminense — Brasileirão — segunda-feira, 13 de maio, às 19h (horário de Brasília) — Transmissão: Premiere (TV por assinatura)
  • São Paulo x Barcelona-EQU — Libertadores — quinta-feira, 16 de maio, às 21h (horário de Brasília) — Transmissão: ESPN (TV fechada) e Star + (streaming)
  • São Paulo x Cruzeiro — Brasileirão — segunda-feira, 20 de maio, às 20h (horário de Brasília) — Transmissão: SporTV (TV fechada) e Premiere (TV por assinatura)
Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo