Brasileirão Série A

Alta carga de jogos no país faz gringos sentirem culpa e chorarem em premiação do Campeonato Brasileiro

Bola de Prata, que premia anualmente os melhores do Campeonato Brasileiro, foi entregue em São Paulo nesta quinta-feira (07)

O português Abel Ferreira e o uruguaio Luis Suárez, melhor técnico e Bola de Ouro do Campeonato Brasileiro, segundo o juri do Bola de Prata da ESPN, tiveram falas parecidas nesta quinta-feira (7). Tanto o palmeirense como o gremista acabaram chorando ao falar de suas famílias.

Nos dois discursos de aceitação dos prêmios, a menção ao tempo de afastamento dos familiares foi o que determinou o começo das lágrimas. Afastamento que é causado pelo enorme número de jogos que o calendário brasileiro demanda.

Indagado se continuaria no Palmeiras em 2024, o bicampeão brasileiro Abel fez até uma pequena análise da psiquê do jogador de futebol.

– A única coisa que lhes posso dizer é que vou decidir com o coração e a cabeça. O futebol tem um impacto negativo na nossa formação, como homens e mulheres. Somos educados para ser egoístas e egocentristas – disse o português, que foi sondado pelo Al Sadd, do Catar.

– No sub 12, 13, 14, lutamos com um colega de dentro para jogar, é sempre individual. No profissional, somos educados paro o ego, para o eu.

– Nos ultimos anos as minhas escolhas foram feitas para o eu, para o que era melhor para a minha carreira. Não foi o que foi melhor pra minha família. Chegou a hora de pensar neles – finalizou, após ter parado para engolir o choro.

Nessa fala, está uma dica para o palmeirense temeroso de que Abel vá para o Oriente Médio. Tanto a esposa quanto as filhas do treinador se adaptaram muito bem a São Paulo, para onde se mudaram no ano passado, e não desejam se mudar novamente.

Como Abel já declarou que não vai mais morar longe da família, o “Fico” do treinador parece cada vez mais desenhado.

Uma família no Grêmio

– O prêmio é do time, do pessoal que trabalha no CT. É difícil para um jogador de quase 37 anos, no ano que mais joguei na minha carreira, foi o ano que mais fiquei longe da minha mulher e dos meus filhos. Esse trabalho e sacrifício foi para eles e teve sua recompensa. Obrigado a todos – disse Luis Suárez, que está de saída do Grêmio, antes de também chorar.

Apesar da idade de veterano para o mundo do futebol, Suárez fez pelo Grêmio seu maior número de jogos numa mesma temporada.

A fala de Suárez mostra também um traço interessante do mundo do futebol, que é o fato de os jogadores enxergarem seus colegas de elenco e de clube como um todo como familiares, em um movimento de substituição e preenchimento de espaço.

No Palmeiras, Abel desde que chegou, fez questão de reunir todos os funcionários da Academia de Futebol para dar a eles um senso de pertencimento – para ele próprio, também.

A seleção da Bola de Prata

Goleiro: Weverton (Palmeiras)
Zagueiros: Adryelson (Botafogo) e Murilo (Palmeiras)
Laterais: Mayke (Palmeiras) e Piquerez (Palmeiras)
Volantes: Villasanti (Grêmio) e Erick Pulgar) (Flamengo)
Meias: Arrascaeta (Flamengo) e Raphael Veiga (Palmeiras)
Atacantes: Luis Suárez (Grêmio) e Hulk (Atlético Mineiro)
Treinador: Abel Ferreira (Palmeiras)

Bola de Ouro: Luis Suárez (Grêmio)
Artilheiro: Paulinho (Atlético Mineiro)
Gol mais bonito: Endrick (Palmeiras) contra o Botafogo, no Estádio Nilton Santos
Revelação: Endrick (Palmeiras)

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo