Brasil

E se vier o caminhão de dinheiro do Qatar, Abel, enfim, deixará o Palmeiras? O que sabemos do assunto

Treinador do Palmeiras, líder do Campeonato Brasileiro, já foi mais refratário do que atualmente à ideia de trabalhar no Oriente Médio

Abel pode até não deixar o Palmeiras no fim desta temporada, mas a porta de saída nunca esteve tão próxima.

Depois de Al Ittihad, que contratou Marcelo Gallardo, e Benfica, que segue com Roger Schmidt, nesta quinta-feira (23), o nome do técnico Abel Ferreira,foi ligado ao Al Sadd, do Qatar.

A Trivela conversou com Hugo Cajuda, empresário do treinador, que se negou a alongar o assunto, mas tampouco negou que exista uma oferta para fazer de Abel “o treinador mais bem pago do planeta”, como afirma o periódico espanhol Sport:

– Abel está e segue focado apenas e só no Palmeiras e no que resta da temporada. Há duas semanas, a especulação foi sobre Benfica e Al Ittihad, agora uma nova… Não podemos ficar a comentar, a cada duas semanas, notícias que saem, quando o foco do treinador é somente os compromissos que tem pela frente e que são importantes – escreveu o empresário, por meio do WhatsApp.

Para fazer de Abel o técnico com o maior ordenado do planeta, o Sadd teria de superar os R$ 187 milhões anuais que o Atlético de Madrid  paga hoje ao argentino Diego Simeone. No Palmeiras, a atual remuneração anual de Abel Ferreira gira em torno de R$ 35 milhões por ano.

O Oriente Médio já foi mais longe…

O ponto é que, hoje, o futebol do Oriente Médio já não é visto como um destino completamente desinteressante para o treinador, como era no passado. Não por conta do fomento esportivo das ligas, mas devido exclusivamente à questão financeira.

Abel e aqueles que o cercam costumavam ser taxativos quanto a uma transferência dele para uma liga árabe e ou adjacente. Hoje, a questão já é vista de modo diferente, diante da injeção massiva de dinheiro que os monarcas locais têm colocado nos campeonatos de seus reinos e pelo mundo

Tal movimento de investimento é chamado pejorativamente de “Sportswashing”. Em linhas gerais, o termo em inglês quer dizer que as monarquias buscam limpar/lavar suas imagens de violação de direitos humanos, de minorias e mulheres por meio de aportes enormes em eventos e equipes esportivas.

O Qatar, organizador da última Copa do Mundo e país mais rico do planeta, é dono do PSG, por exemplo. E não faltam acusações do tipo ao país governado pelo Xeque Tamim bin Hamad bin Khalifa Al-Thani.

Além de nunca ter demonstrado interesse em trabalhar no Oriente Médio, Abel também sempre mostrou firmeza quanto ao seu objetivo de cumprir seu contrato com o Palmeiras na íntegra.

Atualmente, o vínculo do técnico se encerra no fim de 2024, mas Abel já recebeu de Leila Pereira sondagens para estender o contrato até o fim de 2027. Mas o chamado “caminhão de dinheiro” nunca esteve tão perto de estacionar na porta do treinador, conforme relataram à reportagem pessoas próximas ao técnico.

Saco cheio

A flexibilização quanto a uma possível aproximação árabe ganha vulto diante das recentes e reiteradas declarações do técnico quanto a estar cansado do futebol brasileiro.

Após a vitória por 3 a 0 sobre o Internacional, no último sábado (11), que levou o Palmeiras à liderança do Campeonato Brasileiro pela primeira vez em 34 rodadas, Abel disse estar de “saco cheio” e negou-se a afirmar que cumpriria seu contrato com o Palmeiras até o seu fim, em dezembro de 2024.

– Estou (de saco cheio), estou. Depois vamos ver isso – disse o treinador, quando indagado se tamanho descontentamento poderia fazer com que ele não cumprisse seu vínculo com o clube integralmente.

– São muitos jogos seguidos, muita entrevista, muita viagem. Não é isso quero para mim – disse o português.

Em menos de duas semanas, o Campeonato Brasileiro chega ao fim, e será possível entender melhor a questão. Mas a verdade é que o adeus do português já aparece no retrovisor do Palmeiras. Algo com que o Palmeiras não conta no momento. 

Brasileiro Serie A
# Seleção J V E D +/- Pontos
1 Palmeiras

Palmeiras

38 20 10 8 31 70
2 Gremio

Gremio

38 21 5 12 7 68
3 Atletico Mineiro

Atletico Mineiro

38 19 9 10 20 66
4 Flamengo

Flamengo

38 19 9 10 14 66
5 Botafogo

Botafogo

38 18 10 10 21 64
6 Bragantino

Bragantino

38 17 11 10 14 62
7 Fluminense

Fluminense

38 16 8 14 4 56
8 Athletico Paranaense

Athletico Paranaense

38 14 14 10 8 56
9 Internacional

Internacional

38 15 10 13 1 55
10 Fortaleza EC

Fortaleza EC

38 15 9 14 1 54
11 Sao Paulo

Sao Paulo

38 14 11 13 2 53
12 Cuiaba

Cuiaba

38 14 9 15 1 51
13 Corinthians

Corinthians

38 12 14 12 -1 50
14 Cruzeiro

Cruzeiro

38 11 14 13 3 47
15 Vasco da Gama

Vasco da Gama

38 12 9 17 -10 45
16 EC Bahia

EC Bahia

38 12 8 18 -3 44
17 Santos

Santos

38 11 10 17 -25 43
18 Goias

Goias

38 9 11 18 -17 38
19 Coritiba

Coritiba

38 8 6 24 -32 30
20 America MG

America MG

38 5 9 24 -39 24
Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023
Botão Voltar ao topo