Brasil

Botafogo tem solução para o meio-campo e para falta de ‘casca’ do time dentro do clube

Patrick de Paula está voltando aos gramados depois de grave lesão no joelho e pode ajudar nas carências do Botafogo

Mesmo que busque a contratação de um volante para a próxima temporada, a solução para o problema pode estar dentro do próprio Botafogo. Patrick de Paula, que sofreu a lesão mais grave da carreira no início de 2023, está em fase final de recuperação e reforçará o elenco do Glorioso. Ele, inclusive, pode ser um fator que fará bem ao Alvinegro não apenas dentro das quatro linhas.

— Quero fazer acontecer, ajudar meus companheiros. Voltar bem, na forma física, ter confiança de novo, que vai demorar um pouco. Espero que seja um ano muito produtivo — disse, em entrevista ao ge.

Jogador realiza trabalho intenso para voltar mais forte

O início de Patrick de Paula no Botafogo foi de poucas glórias para muitos acidentes. A adaptação em 2022 durou um pouco mais do que o esperado, e o atleta ainda precisou lidar com uma paralisia facil em setembro. Quando se recuperou, veio a lesão no joelho que o afastou dos gramados e, também, minou totalmente as chances de titularidade.

Ainda assim, o jogador trabalhou muito para voltar a ter condições de jogo. Pela gravidade da lesão multiligamentar no joelho, Patrick teve que ficar dois meses sem colocar os pés no chão. Enquanto os companheiros entraram de férias, ele permaneceu em General Severiano para se cuidar. A longa estrada está chegando ao fim.

Solução para o meio-campo?

Patrick quer que o ano no Botafogo seja muito mais produtivo dos que os dois primeiros. Claro que existe uma cautela pela gravidade da lesão, mas o natural é que ele volte a ser titular. Com Tchê Tchê cada vez mais adaptado à lateral direita, setor carente no elenco do Glorioso, o ex-Palmeiras pode formar a dupla de volantes ao lado de Marlon Freitas.

Patrick de Paula em ação pelo Botafogo, pouco antes de sofrer a grave lesão (Foto: Jorge Rodrigues/AGIF/Sipa USA)

As características do atleta, inclusive, fizeram falta ao Botafogo na reta final. A falta de confiança do elenco praticamente aboliu os chutes de fora da área, algo que Patrick de Paula faz muito bem, mesmo que esteja em dia ruim.

PK é sinônimo de casca em Libertadores

Depois de um ano difícil, marcado pelo naufrágio no Campeonato Brasileiro, o Botafogo terá pela frente a fase prévia da Libertadores, algo que não vinha desde 2017. Mesmo que tenha apenas 24 anos, Patrick de Paula é um dos jogadores que possuem mais experiência na competição, tendo sido campeão em 2020 e 2021 pelo Palmeiras.

— Primeiramente tem que vir de você. Têm jogadores como o Danilo, que também já ganhou, o Tchê Tchê já jogou. Eu até brinco que agora que a gente vai jogar a Libertadores a gente tem que estar mais preparado. É difícil, é viagem, volta, preparação. Se Deus quiser vai dar tudo certo, para a gente poder chegar em uma final de Libertadores, ou ganhar, o que não é fácil — finalizou.

O Botafogo entrará em campo pela Libertadores em fevereiro, para enfrentar o vencedor do confronto entre Aurora, da Bolívia, e Melgar, do Peru. Ambos adversários tem a altitude como aliada e, se conseguir passar por esse teste, o Glorioso pode encarar o Red Bull Bragantino, mais uma pedreira, por uma vaga na fase de grupos da competição.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Jornalista formado pela UFF e com passagens, como repórter e editor, pelo LANCE!, Esporte News Mundo e Jogada10. Já trabalhou na cobertura de duas finais de Libertadores in loco. Na Trivela, é setorista do Vasco e do Botafogo.
Botão Voltar ao topo