Ásia/Oceania

Zico ainda não afastou o rótulo de técnico mediano

Zico estava descansando no Rio de Janeiro desde que anunciou sua saída da seleção do Iraque, em novembro de 2012, até que recebeu proposta do Al Gharafa. Após dois dias de negociações, acertou contrato de dois anos com o clube do Catar e terá pela frente apenas a liga nacional, já que a equipe não alcançou vaga para a Liga dos Campeões da Ásia 2014, por causa da sexta posição em 2012/13. É mais um clube mediano na carreira do maior jogador da história do Flamengo.

Zico tem apenas um grande trabalho com a prancheta – campeão turco pelo Fenerbahçe e quartas de final da Liga dos Campeões entre 2006 e 2008 – e não era a primeira opção do sheik Hamad bin Thamer, que pretendia contar com outro brasileiro, Marcos Paquetá, ex-técnico da seleção da Líbia.

Com um elenco de €12,3 milhões nas mãos, o segundo mais caro do país, atrás do Al Rayyan (€ 16,5 milhões) de Nilmar e Rodrigo Tabata, Zico comandará dois brasileiros: Nenê, cujo último clube foi o Paris Saint Germain, e Afonso Alves, que foi várias vezes convocado para a seleção por Dunga. A estrela é o argentino Lisandro López, grande contratação do Al Gharafa, contratado do Lyon por € 6,3 milhões. Também vale destacar o volante australiano Mark Bresciano, 33, que jogou na goleada do Brasil sobre a Austrália, por 6 a 0.

Neste sábado, na estreia pela Qatar Stars League 2013/14, contra o Al Ahli Doha, na casa do adversário, Zico comemorou o gol do atacante catariano Saoud Al Khallaqi, logo aos 16 minutos da etapa inicial. Assim que começou o segundo tempo, o democrático-congolês Patou Kabangu deixou tudo igual para os donos da casa. Empate de 1 a 1 que pode ser considerado um tropeço, já que o Al Ahli é o atual campeão da segunda divisão e tem elenco avaliado em apenas € 3,6 milhões. O começo de trabalho de Zico não foi nada promissor.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo