Ásia/Oceania

O sonho mundial da Nova Zelândia

Depois da ida da Austrália para a Confederação Asiática, o futebol neozelandês quer retornar ao cenário internacional. Aos poucos, os clubes voltam a disputar as competições intercontinentais. E, nas primeiras eliminatórias sem contar com a concorrência da Austrália, a Nova Zelândia volta a ter chances reais de disputar um Mundial, 28 anos depois de sua única participação, na Copa da Espanha.

Na fase de classificação, o time comandado por Rikki Herbert venceu cinco dos seus seis jogos em um quadrangular contra Nova Caledônia, Ilhas Fiji e Vanuatu, no torneio que valeu também o título da Copa das Nações da Oceania, que deu a vaga para a Copa das Confederações, disputada em julho, na África do Sul.

Agora, a seleção treina para os dois jogos contra o Bahrein. O primeiro jogo acontece no dia 10 de outubro, em Manama. O segundo jogo acontece em Wellington, na Nova Zelândia, dia 14 de novembro. Para a primeira partida, Herbert divulgou, esta semana, uma relação com 19 jogadores para o primeiro confronto. A base do time joga no próprio país – a maioria, no Wellington Phoenix, que disputa a A-League, o campeonato australiano – e alguns jogadores jogam na Europa, dentre eles o capitão da equipe, o zagueiro Ryan Nelsen, que joga no Blackburn, da Inglaterra.

Para os neozelandeses, as partidas contra os barenitas são os jogos mais importantes da seleção do país desde as três partidas da Copa de 82. “São as partidas de maior importância, com certeza. Nestes quatro anos que estamos à frente da seleção, tivemos oportunidades de moldar a equipe para estes dois jogos. É uma chance inacreditável de ter essas duas partidas valendo uma vaga para uma Copa do Mundo, e me sinto muito honrado de ser o treinador que escolheu a equipe para estas partidas”, declarou Herbert, que esteve em campo no Mundial de 82, onde a Nova Zelândia perdeu para Escócia, União Soviética e Brasil.

Uma das esperanças de gol dos All Whites – como é conhecida a seleção de futebol do país, em contraponto aos All Blacks, a seleção nacional de rúgbi, uma das mais fortes do mundo – é o atacante Shane Smeltz, que atua no Gold Coast United, da Austrália. De origem alemã, Smeltz tem 17 gols em 29 partidas pela seleção e vive ótimo momento na A-League, onde é o artilheiro do campeonato com 9 gols em seis rodadas. Smeltz deve formar a dupla de ataque do time de Rikki Herbert com Chris Killen, que atua no Celtic, da Escócia.

Wellington Phoenix tenta melhorar campanha na A-League
Representante da Nova Zelândia na A-League, o Wellington Phoenix é também dirigido por Rikki Herbert. Com seis jogadores na seleção nacional – o goleiro Mark Paston; os defensores Tony Lockhead, David Mulligan e Bem Sigmund; e os meias Leo Bertos e Tim Brown – a equipe tenta melhorar sua campanha no campeonato. Depois de oito partidas disputadas, o Phoenix está na oitava posição entre 10 participantes, com 8 pontos ganhos.

O time é o que mais empatou no torneio até o momento – cinco empates, sendo quatro deles nas quatro últimas rodadas – e na próxima sexta-feira, enfrenta o Gold Coast United, fora de casa. O GC United lidera a competição com 13 pontos ganhos e 5 gols de saldo. Com o mesmo número de pontos, e saldo menor, estão Perth Glory (saldo de 3) e Sydney FC (saldo de 2). Central Coast Mariners, Brisbane Roar e Melbourne Victory estão empatados com 12 pontos ganhos.

Na última rodada, além do empate sem gols entre Wellington Phoenix e Central Coast Mariners, os visitantes se deram bem: em três dos quatro confrontos, a vitória ficou com o time que atuou fora. O único mandante a vencer foi o Brisbane Roar, 1 a 0 sobre o Sydney FC. O Perth Glory bateu o Newcastle Jets (1-0); o líder GC United perdeu para o Melbourne Victory (2-3) e o North Queensland Fury perdeu para o Adelaide United (0-2).

Federação neozelandesa prepara campeonato nacional
Outro ponto positivo para os neozelandeses com a saída da Austrália da OFC é o aumento da importância do campeonato nacional, que classifica o campeão para a Liga dos Campeões da Oceania. O Auckland City, campeão neozelandês e continental na temporada passada, vai disputar o Mundial de Clubes nos Emirados Árabes, em dezembro.

O Auckland é o principal favorito para a Liga da Nova Zelândia, que começa em 25 de outubro. A competição reúne outras sete equipes: YoungHeart Manawatu, Otago United, Waitakere United, Canterbury United, Waikato FC, Hawke's Bay e Team Wellington.

Cinco dos convocados para a seleção da Nova Zelândia disputam o campeonato local: o goleiro James Bannatyne e o meio-campista Andy Barron jogam pelo Team Wellington; o goleiro Jacob Spoonley e o zagueiro Ivan Vicelich jogam pelo Auckland City. Aaron Scott atua pelo Waitakere United.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo