Ásia/Oceania

O mantra é passar de fase

Durante boa parte de 2009, a novela “Caminho das Índias” foi assistida por milhões de brasileiros, encantados com a ficção que aproximava (por vezes, até demais) Brasil e Índia, com uma passagem por Dubai, nos Emirados Árabes. Para lá, Raul Cadore (personagem interpretado por Alexandre Borges) fugiu depois de similar a própria morte, a pedido da amante Yvone (Letícia Sabatella).

Em Dubai, Raul conheceu Gopal (André Gonçalves), um simpático indiano que trabalhava em múltiplas funções para juntar dinheiro e conseguir retornar ao seu país de origem. Aliás, boa parte da mão-de-obra que ajudou a levantar os suntuosos prédios de Dubai é indiana, e, com dificuldades, tenta, assim como Gopal, amealhar alguns dólares para voltar para a Índia.

É com essa torcida que o Churchill Brothers chega aos Emirados Árabes para, neste sábado, enfrentar o Al-Wahda. O jogo é em Abu Dhabi e vale uma vaga na fase de grupos da Liga dos Campeões da Ásia. Apesar de não serem considerados favoritos, os campeões indianos acreditam que podem contar com uma pequena, mas ruidosa torcida na partida que começa às 13h, no horário de Brasília.

Além de 50 torcedores que vão diretamente de Goa para Abu Dhabi, o presidente do Churchill Brothers, Joaquim Alemão, acredita que pelo menos 3 mil indianos radicados na cidade compareçam ao jogo. Como se não bastasse, a seleção da Índia está também em Abu Dhabi, onde fica até o dia 16, se preparando para a AFC Challenge Cup, que será disputada no fim do mês. “Para nós, é como jogar em casa, mesmo longe de casa”, declarou Alemão, que também é ministro do Desenvolvimento Urbano de Goa, antiga possessão portuguesa na Índia, e sede do Churchill Brothers.

O destaque da equipe é o nigeriano Odafe Onyeka Okolie, que está no clube há quatro temporadas. Okolie é o capitão e camisa 10 da equipe e é o jogador mais bem pago da Índia, com um salário anual estimado em US$ 200 mil. No início do ano, o jogador esteve envolvido em uma acusação de assédio sexual contra uma aeromoça, em um vôo na Índia. No entanto, Okolie nega participação no incidente.

Na ficção, o núcleo indiano de “Caminho das Índias” teve um final feliz. Em campo, porém, três brasileiros podem estragar a festa do Churchill Brothers: o volante Magrão, que esteve até o ano passado no Inter de Porto Alegre; e os atacantes Pinga e Fernando Baiano, que vem sendo o principal jogador do Al-Wahda na temporada, já tendo marcado 11 gols na liga dos Emirados Árabes. Baiano é o artilheiro da liga local e a esperança de gols da equipe neste confronto, que aponta o vencedor para o grupo B da Liga dos Campeões, um dos mais fortes do torneio, com Zob Ahan, do Irã; Bunyodkor, do Uzbequistão; e Al-Ittihad, da Arábia Saudita.

Caso aconteça, a classificação do Churchill Brothers será um feito inédito para o futebol indiano, que figura em um segundo escalão no continente: desde que o atual formato da Liga dos Campeões foi criado, na temporada 2002/03, nunca um time da Índia chegou à fase de grupos. Por isso, o mantra entoado em Goa – e para a comunidade indiana nos Emirados Árabes, por que não? – é um só: passem de fase, Churchill Bros.

Copa do Extremo Oriente serve de observação para o Mundial

Começa no sábado a fase final da Copa do Extremo Oriente, competição organizada pela Federação de Futebol da Ásia Oriental, uma das entidades regionais que são afiliadas da Confederação Asiática.

O quadrangular final será disputado em Tóquio, reunindo as seleções do Japão, da Coreia do Sul, da China e de Hong Kong. Os treinadores Takeshi Okada, do Japão; e Huh Jung-moo, da Coreia do Sul, aproveitam o torneio para observar jogadores mais jovens e escalar atletas que não atuam regularmente pela seleção principal, de olho nas convocações para a Copa do Mundo.

No sábado, dia 6, o Japão enfrenta a China. No domingo, 7, a Coreia do Sul pega Hong Kong, que eliminou, na fase preliminar, a Coreia do Norte, adversária do Brasil na Copa do Mundo. A segunda rodada acontece nos dias 10 e 11, com China x Coreia do Sul e Japão x Hong Kong; e a rodada final no dia 14, com Hong Kong x China e Japão e Coreia do Sul.

A seleção que somar mais pontos no quadrangular é a campeã. Esta é a oitava edição da competição, disputada desde 1990. Japão e Coreia do Sul têm três títulos cada. A China venceu uma vez, em 2005.

Ahn Jung-hwan quer disputar mais uma Copa do Mundo

Um dos heróis da campanha da Coreia do Sul em 2002, quando marcou o gol que eliminou a Itália, nas oitavas-de-final, o atacante Ahn Jung-hwan está na relação de jogadores que serão observados nas próximas semanas pelo técnico Huh Jung-moo.

Ahn está atuando no Dalian Shide, da China, onde fez seis gols na última temporada. Aos 34 anos, o jogador não esconde o desejo de disputar mais uma Copa do Mundo. “Estou pronto para dar 100% de mim em campo, mesmo que seja para atuar apenas 15 ou 20 minutos”, afirmou o atacante, que disputou também o Mundial de 2006.

A Coreia do Sul faz seu próximo amistoso no dia 3 de março, contra a Costa do Marfim. Ahn, que não é convocado desde junho de 2008, pode ser chamado. Com três gols em duas edições do Mundial, o atacante é o maior artilheiro sul-coreano da história das Copas do Mundo.

Mais brasileiros nos clubes asiáticos

O Al-Ahli dos Emirados Árabes anunciou, esta semana, a contratação do meia-atacante Souza, que estava no Hertha Berlin, da Alemanha. Souza retorna ao Al-Ahli, onde atuou entre 2007 e 2009, marcando 26 gols em 41 jogos.

Aos 30 anos, Souza – lá conhecido pelo primeiro nome, Clederson – atuou apenas em três partidas na atual temporada no time alemão, e preferiu retornar para os Emirados. No Al-Ahli, ele fará companhia a outro brasileiro, o atacante Baré.

Na Coreia do Sul, o Pohang Steelers, atual campeão asiático, anunciou esta semana foi o atacante Alexandro, que estava no Resende. Aos 23 anos, o jogador, que teve uma passagem pelas divisões de base da Roma, foi o artilheiro da série B do Estadual do Rio pelo América no ano passado, com 24 gols.

Alexandro foi indicado pelo novo técnico do Pohang, Waldemar Lemos, que já dirigiu o jogador na Cabofriense e no próprio Resende. Alexandro teve também passagens pelo Botafogo e pelo Joinville.

Emoção na reta final da A-League

Neste fim de semana, acontece a 26ª rodada da A-League, a penúltima da fase de classificação. Sete das dez equipes ainda sonham com a passagem para os playoffs, sendo que Melbourne Victory, Gold Coast United e Sydney FC brigam pelas duas primeiras posições, que valem um atalho para a decisão do campeonato.

A rodada foi aberta nesta sexta-feira, com a vitória do Melbourne sobre o North Queensland Fury por 2 a 0. O Victory tem 47 pontos e lidera a competição. Com a derrota, o NQ Fury deu adeus às chances de ir aos playoffs.

O Gold Coast United, vice-líder, com 44 pontos, joga no domingo contra o Wellington Phoenix, quinto colocado (34). Também no domingo, o Sydney (3º lugar, 42 pontos) recebe o Perth Glory (4º, 36 pontos).

No sábado, o Newcastle Jets (6º colocado, com 34 pontos) vai ao Bluetongue Stadium enfrentar o já eliminado Central Coast Mariners. Também no sábado, jogam Adelaide United e Brisbane Roar.

A última rodada da fase de classificação acontece no próximo final de semana. Depois disso, a A-League vai para os playoffs. Os dois primeiros colocados se enfrentam: o vencedor vai direto para a decisão do campeonato. O perdedor fica nas semifinais, esperando a definição do seu adversário, que sai de um mata-mata entre os outros quatro classificados.

Al-Sadd e Al-Gharrafa continuam iguais no Catar

Al-Sadd e Al-Gharrafa continuam brigando ponto a ponto pela liderança da Qatari Stars League (QSL). Faltando apenas seis rodadas para o término da competição, os dois times seguem empatados em pontos ganhos: 37 em 16 jogos, com 11 vitórias, quatro empates e apenas uma derrota para cada equipe. No saldo de gols, primeiro critério de desempate, o Al-Sadd leva vantagem: tem 30 gols contra 25 do Al-Gharrafa.

Na rodada de meio de semana, tanto Al-Sadd quanto Al-Gharrafa empataram sem gols, contra Al-Wakrah e Qatar SC, respectivamente. O Al-Arabi, terceiro colocado, venceu o Umm-Salal por 3 a 1, e foi para 30 pontos ganhos. Neste jogo, os brasileiros Caboré e Daniel Carvalho fizeram um gol cada para o Al-Arabi. Magno Alves fez o gol do Umm-Salal.

Caboré, aliás, é um dos principais goleadores da QSL, com 14 gols, ao lado do iraquiano Younis Khalaf, do Al-Gharrafa. Leandro, do Al-Sadd é o artilheiro, com 15 gols.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo