Ásia/Oceania

Entre as estrelas do Guangzhou, quem decidiu (de novo) foi Elkeson com uma pintura

Elkeson recebeu várias companhias ilustres este ano. Chegaram ao Guangzhou Evergrande Paulinho, Robinho, Ricardo Goulart e Luiz Felipe Scolari, em um alto investimento do clube para continuar dominando a China e voltar a conquistar a Champions League da Ásia. Deu certo. Neste sábado, o Al Ahli, dos Emirados Árabes, foi derrotado por 1 a 0, e quem decidiu foi o ex-jogador do Botafogo, que já estava por lá há três anos.

LEIA MAIS: Elkeson sobre Felipão: “Ele tem uma família Scolari aqui na China”

O gostinho foi especial para Elkeson, que estava frustrado com as lesões que seu corpo sofreu no meio da temporada. Foram três musculares na perna direita, todas no mesmo lugar, o que aumenta a angústia de não conseguir se recuperar. Depois da fase de grupos, acabou voltando nas quartas de final da Champions League asiática e disputou 16 partidas do Campeonato Chinês (são 30 rodadas no total), apenas três como titular depois que os problemas físicos começaram.

Ele fez nove gols na temporada, o que é pouco para o padrão do atacante na China. Foi, afinal, o artilheiro da Superliga Chinesa nos últimos dois anos, com 24 gols na sua primeira participação e 28 na seguinte. Eleito o melhor jogador do país, em 2014, ele também fez o gol do primeiro título continental do Guangzhou, em 2013, no empate por 1 a 1 contra o Seoul, no jogo de volta da decisão.

Desta vez, porém, foi uma pintura. Recebeu um passe dentro da área de Zheng Long e dominou com o pé esquerdo já driblando o seu marcador. Saiu pelo outro lado da jogada, que lembrou aquele golaço de Dennis Bergkamp contra o Newcastle, e completou o lance com um preciso chute usando o lado de fora do pé direito. Comemorou efusivamente e ouviu mais uma vez o grito do torcedor chinês. Ficou visível no seu rosto a emoção e o alívio de ter conseguido decidir o título mais importante da temporada, mesmo após as lesões.

O gol de Elkeson saiu aos nove minutos do segundo tempo e foi o único marcado durante as duas partidas da decisão da Champions League asiática. O Guangzhou Evergrande juntou-se a outros oito times no hall de bicampeões asiáticos. É o único chinês desse grupo e o objetivo, agora, é igualar as três conquistas do recordista Pohang Steelers.

E Felipão levou o seu terceiro continental, depois de duas Libertadores, uma com o Grêmio e outra com o Palmeiras. Ele, Murtosa, Paulinho, Goulart, Robinho e, claro, Elkeson, estarão no Mundial de Clubes no final do ano.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo