Ásia/Oceania

Demitido com direito a poema, Eriksson completa quatro anos de China sem nenhum título

“Onze anos atrás, você liderou o futebol do Shenzen e nunca nos decepcionou / Nove anos atrás, você assumiu as responsabilidades e salvou o Shenzhen / Memórias de lutas que travamos juntos nunca desapareceram e, agora, convocamos a lenda mais uma vez / Pelo Shenzen, estamos reunidos, começando uma voa viagem juntos / Técnico Wang, seja bem-vindo”. Assim mesmo, com um poema – será que em mandarim isso aí rima? -, o Shenzen anunciou a contratação do seu novo técnico, o ex-jogador Wang Baoshan, e se despediu de Sven-Goran Eriksson, que mais uma vez não conseguiu concluir um trabalho bem sucedido na China.

LEIA MAIS: Antes da próxima janela chinesa, Federação aperta ainda mais as restrições a estrangeiros

O sueco, com seus 69 anos, assumiu o comando do Shenzen, no final do ano passado, no lugar de Clarence Seedorf, que não havia conseguido o acesso à primeira divisão. Com o holandês segurando a prancheta, o clube foi nono lugar, a 19 pontos do segundo colocado, um dos dois times que subiram à elite. Eriksson foi demitido com resultados melhores: com cinco vitórias, cinco empates e três derrotas, ocupa o quarto lugar da Segundona, a três pontos do trampolim para Superliga Chinesa. O que derrubou o veterano ex-Lazio e seleção inglesa foi a sequência recentes de resultados, com nove jogos sem vitória, sendo quatro derrotas e cinco empates.

Eriksson está há quatro anos na China e coleciona resultados medianos. Assumiu o Guangzhou R&F, na metade de 2013, rivalizando com Marcelo Lippi, que treinava o Guangzhou Evergrande. Terminou a Superliga em sexto lugar. Melhorou para terceiro na temporada seguinte e garantiu classificação à Champions League asiática, mas não renovou o seu contrato. Assumiu o Shanghai SIPG e foi segundo lugar, a dois pontos do campeão, mais uma vez garantindo vaga na competição continental.

Foi bem na Champions League asiática, levando o Shanghai SIPG às quartas de final, quando foi derrotado pelo Jeonbuk Hyundai Motors, por 5 a 0, no jogo de volta. Foi terceiro lugar na Superliga Chinesa, resultado insuficiente para continuar no cargo. Acabou substituído por André Villas-Boas, no fim do ano passado, e assumiu o Shenzen, no qual durou apenas seis meses.

Quatro anos de China para Eriksson, que conseguiu alguns bons resultados, brigando sempre na parte de cima da tabela quando esteve na primeira divisão, e teve uma boa campanha continental, mas nunca conseguiu conquistar um título. Será que tentará de novo?

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo