Ásia/Oceania

Clássico na semifinal da A-League

Já abordei, há alguns meses, a rivalidade existente entre as torcidas de Sydney FC e Melbourne Victory, que fazem o principal clássico do futebol da Austrália já há algumas temporadas. Este ano, a rivalidade se intensificou e tem mais um capítulo na madrugada de sábado para domingo (às 3h, pelo horário de Brasília), quando, pela quinta vez na atual temporada, as duas equipes se enfrentam.

O momento agora é especial: o jogo vale uma vaga na decisão da A-League. Detentoras das duas melhores campanhas da fase regular, as duas equipes fazem um confronto que dá lugar direto na grande decisão do campeonato, dia 20 de março. Curiosamente, depois de não ter vencido nenhuma das três partidas na temporada regular (duas derrotas e um empate), o Melbourne Victory venceu o jogo de ida do mata-mata por 2 a 1, e joga por um empate para chegar à final.

O Sydney FC vai jogar em casa e precisa de uma vitória por pelo menos dois gols de diferença para chegar à final de maneira direta. O time também se classifica se vencer por 1 a 0. Com 2 a 1, a decisão vai para os pênaltis; e com vitória simples a partir de 3 a 2, a vaga fica com o Melbourne.

Para o confronto entre Sydney FC e Melbourne Victory, as duas equipes têm problemas com alguns de seus principais jogadores. Pelo Sydney, o zagueiro Rhyan Grant teve confirmada a lesão nos ligamentos do tornozelo esquerdo e ficará entre oito a dez semanas sem jogar. O Victory não terá Nik Mrdja, expulso no primeiro jogo; e tenta recuperar os atacantes Archie Thompson e Robbie Kruse para a partida.

Quem chegar à decisão neste confronto garante também o direito de disputar a finalíssima em seu estádio. Porém, o perdedor terá ainda uma oportunidade de brigar pelo título: joga na próxima semana contra o vencedor de Wellington Phoenix x Newcastle Jets, que se enfrentam em Wellington, também na madrugada de sábado para domingo (início previsto à meia-noite).

A equipe neozelandesa está empolgada. Depois de superar, nos pênaltis, o Perth Glory – diante de um público de mais de 24 mil torcedores no Westpac Stadium, o quarto maior da A-League na temporada – o Phoenix quer garantir a chance de disputar também a vaga na decisão.

K-League começa querendo mais bola rolando

Começou, no último final de semana, a temporada 2010 da K-League, a liga sul-coreana. A competição não tem mudanças nem na fórmula de disputa pouco convencional. Porém, a entidade está determinada a fazer com que as partidas tenham um tempo maior de jogo efetivo.

Na temporada passada, a média de tempo de bola em jogo foi de 57 minutos. Este ano, a K-League lançou a campanha “Five More Minutes” (Mais cinco minutos – 5MM) e pretende fazer com que a média chegue a 62 minutos por partida. Para isso, a liga fez uma campanha com os treinadores e os jogadores para que eles tentem não reclamar com freqüência das marcações dos árbitros.

Aparentemente, a medida deu resultado já na primeira rodada, com uma média de tempo de bola rolando de 58 minutos e 17 segundos, o que agradou aos dirigentes. “Os resultados da campanha 5MM na primeira rodada foram muito positivos. Os jogos foram mais velozes e agradáveis para a torcida. Queremos manter esse ritmo até o fim da temporada”, analisou o secretário-geral da K-League, Lee Joon-Ha.

O jogo que teve o melhor índice da rodada foi a vitória do Seongnam Ilhwa Chunma sobre o Gangwon FC por 2 a 0: 66 minutos e 25 segundos.

Campeão na temporada passada, o Jeonbuk Hyundai Motors venceu o Suwon Samsung Bluewings por 3 a 1 com dois gols do brasileiro Eninho. Outros três jogadores marcaram dois gols: o colombiano Maurício Molina, ex-Santos, que fez os gols da vitória do Seongnam; o sul-coreano Choi Sung-Kuk, do Gwangju Sangmu; e o português Ricardo Esteves, do Seoul FC, time que fez o placar mais expressivo da rodada inaugural: 5 a 2 sobre o Daejon Citizen.

Resultados da 1ª rodada: Jeonbuk Hyundai Motors 3 x 1 Suwon Samsung Bluewings; Incheon United 1 x 0 Chunnam Dragons; Ulsan Horang-I 1 x 0 Gyeongnam; Busan I’Park 0 x 1 Jeju United; Daegu 1 x 2 Gwangju Sangmu; Daejon Citizen 2 x 5 Seoul FC; Seongnam Ilhwa Chunma 3 x 0 Gangwon

Atual campeão asiático, o Pohang Steelers folgou na rodada e estreia no sábado, contra o Daegu.

Nakamura retorna ao Yokohama Marinos

Na última sexta-feira, o meia Shunshuke Nakamura anunciou seu retorno ao Yokohama Marinos, depois de oito temporadas fora do país – e longe do clube. Aos 31 anos, Nakamura teve a chance de voltar ao clube que o revelou em 2009, quando saiu do Celtic, mas preferiu se transferir para o Espanyol, onde não se firmou.

Como não vinha tendo chances de atuar, Nakamura chegou a um acordo com o clube catalão e retornou ao clube onde começou a carreira, em 97, e onde ficou até 2002. Do Yokohama, o meia foi para o Reggina, onde ficou até 2005, quando foi para o Celtic.

No clube escocês, Shunshuke Nakamura viveu seus melhores momentos no futebol europeu. Com o talento e ótimo nas bolas paradas, o jogador conquistou três títulos escoceses, mais dois títulos da Copa da Liga da Escócia e um da Copa da Escócia.

Com o retorno ao país, Nakamura ganha boas chances de disputar a Copa do Mundo, já que Takeshi Okada, técnico da seleção, é declaradamente fã do futebol do jogador.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo