Ásia/Oceania

A proeza de Jeddah na Arábia

Motivados pelo fiasco da última temporada quando deixaram escapar o titulo para o rival Al Ittihad como areia entre os dedos, o Al Hilal se vingou do algoz ao impor uma surpreendente vitória por 1 a 0 na última rodada, em Jeddah, casa dos ‘tigres’ e levantar seu 11º troféu de campeão saudita. O gol foi do ótimo atacante Yasser Al-Qahtani, bola de ouro na Ásia, em 2007. 

O ‘líder’, como é conhecido no imenso território árabe, mudou sua postura dentro de campo desde a chegada do técnico romeno Cosmin Olaroiu (queridinho do polêmico Gigi Becali, Presidente do Steaua, da Romênia).

Em contraste direto com os treinadores brasileiros que passaram pelo clube anteriormente, configurou um estilo menos encantador e mais pragmático mesmo contando com uma gama de tecnicistas como Al Shlhoub, Al Temyat, e principalmente o meia líbio Tarik El-Taib.

Os rígidos blocos do feiticeiro dos Cárpatos

Carregando consigo seus conceitos para a capital saudita, o treinador Cosmin Olaroiu iniciou seu trabalho no gigante de Riad sem mudar as peças, mas alterando o desenho tático e a postura exibicional.

Aprisionou um pouco os laterais Mohammad Nami e Al Khathran, desfez o losango no meio-campo e amarrou a dupla de volantes – Omar Al-Ghamdi e Khaled Aziz – de perfil um para o outro. Tudo isso para permitir aos meias Tarik El-Taib e Mohammad Al-Shlhoub soltarem-se com maior liberdade, partindo em diagonal, dos flancos até a área adversária, e construírem linhas de passe em zonas de perigo.

A ordem, em dinâmica, segue até o ataque, onde o congolês Lelo Mbele, que chegou em dezembro, rasga constantemente (com e sem a bola) em movimentos, causando rupturas na defesa rival. Isso permite o astro Al-Qahtani, seu parceiro ofensivo, receber passes e lançamentos com mais liberdade para executar suas finalizações precisas e belos lampejos. 

Sem alterar as peças, o técnico romeno reformulou apenas a postura dentro do desenho que julgava ideal para vencer uma das Ligas mais atraentes do Oriente Médio.

Retaguarda imperial

Pelo terceiro ano consecutivo o Al Hilal teve a melhor defesa da Liga Saudita. A muralha dos ‘azuis’, liderada pelo mítico goleiro Al-Deayea – recordista de jogos por uma seleção com 181 presenças – tem como protagonista o brasileiro Marcelo Tavares, ex-Palmeiras e Avaí.

Imperial no jogo aéreo, exprime classe e liderança na retaguarda, mesmo com algumas trapalhadas do excêntrico lateral-esquerdo Al-Khathran e sua barba espalhafatosa. No decorrer da campanha, a equipe de Riad só tomou mais de dois gols em um jogo, na derrota por 3 a 1 para o Al Ahli.

 Al Deayea e Al Temyat: Luzes e sombras

Dois ídolos e uma diferença: Um jogou com regularidade e colecionou recordes em âmbito nacional e internacional. O outro explodiu, ganhou prêmios, mas na seqüência, com apenas 24 anos, viu seu sucesso ser corroído por seguidas e nefastas lesões que o deixaram fora de combate por grande fatia desta década.

Respectivamente, o goleiro Al-Deayea e o meia Al-Temyat, reserva de luxo. Ambos campeões, adorados pela massa, mas com sortes e destinos incontornavelmente opostos. O mundo do futebol, para muitos, não é um grande arco-íris.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo