Sul-Americana

Cruzeiro empata na altitude pela Sul-Americana e destaque vira dúvida para clássico

Universidad Católica (EQU) e Cruzeiro não saíram do 0 a 0, em partida disputada na noite desta quinta-feira (4), em Quito, no Equador

O Cruzeiro volta para Belo Horizonte com um ponto na mala após um empate em 0 a 0 com o Universidad Católica, do Equador, em partida válida pela primeira rodada do grupo B da Copa Sul-Americana. Se tratou de um confronto muito ruim tecnicamente, prejudicado ainda mais pela altitude de 2.850 metros de Quito e pelo fato de o treinador Nicolás Larcamón mandar um time misto a campo.

Se o empate não foi um resultado de todo ruim, o torcedor do Cruzeiro fica com receio de perder Zé Ivaldo, um dos melhores zagueiros do elenco, que saiu de campo sentindo uma lesão. O jogador é uma das grandes esperanças dos cruzeirenses na busca pelo título do Campeonato Mineiro.

Nico Larcamón escalou um Cruzeiro misto

Pensando na grande final do Campeonato Mineiro — o Cruzeiro enfrentará o arquirrival Atlético-MG, no domingo (7), às 15h30, em um Mineirão lotado, precisando do empate para se sagrar campeão —, e na grande sequência de jogos que a Raposa terá pela frente, o treinador argentino Nicolás Larcamón decidiu mandar uma equipe mista a campo.

O Cruzeiro começou a partida com Rafael Cabral; William, Zé Ivaldo, Neris, Lucas Villalba; Ramiro, José Cifuentes e Filipe Machado; Mateus Vital, Álvaro Barreal e Rafael Elias Papagaio.

Já os donos da casa foram escalados pelo treinador Jorge Clico com Rafael Romo; Gregori Anangonó, Exon Gustavo Vallecilla, Fausto Grillo e Layan Loor; Kevin Minda e Facundo Martínez; Kevin Quevedo, Luciano Nieto e Ismael Díaz; Jhon Cifuente.

Primeiro tempo sonolento termina zerado

A questão da altitude pareceu pesar bastante e o primeiro tempo foi fraco e sonolento. As equipes tinham muita dificuldade para construir com qualidade e erravam muitos passes. Tanto Cruzeiro quanto Universidad Católica tentavam apenas chutes de longa distância, ainda assim, timidamente.

Apesar do controle celeste, as melhores chances da primeira etapa foram do Universidad Católica. Primeiro com Ismael Díaz, que finalizou de cabeça com perigo aos 30 minutos, após jogada de escanteio ensaiada. Depois, aos 34, quando após cobrança de falta, Kevin Minda ganhou de Villalba e finalizou na trave, assustando Rafael Cabral. O Cruzeiro assustou somente aos 37, após jogada individual de José Cifuentes, que cruzou para trás, mas não achou ninguém.

Universidad Católica inaugura segundo tempo como nova bola na trave

O Universidad Católica voltou melhor para o segundo tempo e dominou as ações nos primeiros minutos, voltando a assustar logo aos 3 minutos. O centroavante “gordinho” Jhon Cifuente dominou uma bola na entrada da área e girou mandando um chutaço, que Rafael Cabral desviou antes que a bola explodisse no travessão.

O Cruzeiro respondeu aos oito, com finalização de Barreal que Romo defendeu. O passe foi de Rafael Elias, que fez boa jogada de pivô, mas não conseguiu repetir no restante da partida, sendo substituído aos 25 por Rafa Silva, que voltou ao time após um longo período fora.

Mas antes da mudança, Larcamón já havia feito três alterações, aos 15, depois de Mateus Vital desperdiçar um bom contra-ataque. Nico sacou Vital e também a dupla Ramiro e Barreal, colocando os titulares Lucas Romero, Marlon e Matheus Pereira.

Apesar das mudanças, o Cruzeiro produziu muito pouco, assim como o Universidad Católica, sendo possível dizer que o 0 a 0 é o resultado que melhor reflete o péssimo futebol mostrado pelas duas equipes.

Cruzeiro tem má notícia

Eram decorridos 36 minutos quando o torcedor do Cruzeiro teve uma má notícia. O zagueiro Zé Ivaldo, um dos destaques da Raposa na temporada, sentiu uma lesão e pareceu ter saído muito chateado de campo. Jogador torna-se dúvida para a final de domingo.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa é mineiro, formado em Jornalismo na UFOP, em 2019. Passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas, antes de se tornar setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo