Sul-Americana

Apagão faz Internacional levar virada do Belgrano e se complicar na Sul-Americana

Derrota por 2 a 1 no jogo que marcou retomada após enchentes no Rio Grande do Sul inviabiliza que o Colorado se classifique diretamente para as oitavas

Em sua retomada após exatamente um mês sem atuar por conta das enchentes no Rio Grande do Sul, o Internacional até saiu na frente, mas teve um apagão na reta final do primeiro tempo e perdeu de virada para o Belgrano, por 2 a 1. O jogo aconteceu na noite desta terça-feira (28), na Arena Barueri. Borré abriu o placar para o Colorado, enquanto Chavarría marcou os dois gols do Pirata.

Com a vitória, o Belgrano chegou aos 13 pontos e garantiu a classificação para as oitavas de final da Copa Sul-Americana na primeira colocação do Grupo C.

Para seguir na competição, o Inter, que estaciona nos cinco pontos, na terceira colocação, precisa buscar o segundo lugar e passar por play-off contra um terceiro colocado da fase de grupos da Libertadores.

Internacional utiliza uniforme ’embarrado’ em referência à tragédia climática no Rio Grande do Sul

Em referência à tragédia climática que assolou o Rio Grande do Sul, o Internacional utilizou uniforme ’embarrado’. De acordo com o clube, “este uniforme representa a luta de um povo incansável, aguerrido e esperançoso. E, também, o esforço de voluntários de todo o país, que entraram nas águas, na lama e na vida de muitas cidades com amor e solidariedade jamais vistas. Hoje jogamos com uma camiseta diferente, não apenas como manifesto de uma causa, mas como um pedido de ajuda. Chamamos a atenção dentro do campo para tudo o que está acontecendo fora dele, porque a tragédia ainda não acabou”.

Uma das camisas ’embarradas’ foi assinada por todos os atletas do elenco colorado e estará disponível em leilão virtual, com todo lucro revertido para ajudar na reconstrução do Rio Grande do Sul. Os jogadores também entraram em campo com uma faixa que pede doações via Central Única das Favelas (CUFA), pelo PIX:  doaçõ[email protected].

Coudet manda a campo time extremamente ofensivo

Com praticamente todo elenco à disposição, o técnico Eduardo Coudet escalou o Internacional de forma bastante ofensiva. No 4-1-3-2, o Colorado iniciou com Rochet; Bustos, Vitão, Robert Renan e Renê; Fernando; Maurício, Alan Patrick e Wesley; Borré e Enner Valencia.

Com a bola o Inter se posicionou no 3-1-4-2. Vitão, Robert Renan e Renê realizavam a saída de três; Fernando era o primeiro volante; Bustos e Wesley davam amplitude pelos lados; Maurício e Alan Patrick circulavam por dentro; e Borré e Enner Valencia formavam a dupla de ataque.

Com muito mais posse de bola, Internacional abre o placar, mas leva virada em apagão

Grande parte do jogo foi de ataque contra defesa. Com muito mais posse de bola, o Inter tentava furar a retranca do Belgrano, que ficou longos períodos da partida sem conseguir sair do próprio campo. Entretanto, o Colorado teve dificuldade para ingressar na área dos argentinos. Tanto é que as primeiras finalizações com perigo foram de fora. Aos nove, Wesley arriscou chute colocado e a bola passou com perigo, sobre o gol. Aos 27, Maurício limpou o marcador e obrigou Losada a fazer boa defesa.

Depois de muito circular a bola na intermediária, o Inter finalmente conseguiu ser agudo aos 38. Renê lançou Wesley em profundidade pela esquerda. O atacante colorado passou com facilidade pela marcação e cruzou de três dedos para Borré, que conferiu para o gol vazio e abriu o placar.

Porém, quando parecia que o Inter tinha conseguido o mais difícil, um apagão na reta final do primeiro tempo permitiu a reação imediata do Belgrano. Aos 44, Renê recuou a bola errado. Chavarría avançou e rolou a bola para Reyna, que chutou. Robert Renan tirou em cima da linha, mas no rebote, o centroavante concluiu para as redes. Três minutos depois, em rápida escapada pela esquerda, Reyna cruzou na segunda trave e Chavarría, sozinho, cabeceou por baixo de Rochet para virar e fazer a festa da torcida pirata, presente em bom número em Barueri.

Mesmo com trocas, Internacional é pouco criativo e não consegue reagir

A tônica do segundo tempo foi a mesma de grande parte do primeiro. Com amplo domínio da posse de bola, o Inter tinha dificuldade para infiltrar. A primeira oportunidade da etapa final surgiu apenas aos 24 minutos, em cobrança de falta. Alan Patrick cobrou colocado, com perigo, à direita do gol.

Aos 27, o árbitro Alex Herrera foi salvo pelo VAR em erro grave. O venezuelano assinalou pênalti em Lencioni após o camisa 26 do Belgrano chutar o chão e cair na entrada da grande área pelo lado esquerdo. Depois de consultar o vídeo, Herrera, corretamente, voltou atrás em sua decisão.

Coudet tentou reverter o placar com algumas mudanças. Colocou Gustavo Prado, improvisado, na lateral direita, Aránguiz e Bruno Henrique no meio de campo e terminou o jogo com três centroavantes a partir da entrada de Lucas Alario. Após cruzamentos, o Inter tentou com Alario, duas vezes, e BH, mas não foi efetivo. Nos acréscimos, o Belgrano teve oportunidade de fazer o terceiro, mas Rochet defendeu chute cruzado de Reyna.

Estatísticas de Internacional 1 x 2 Belgrano – Copa Sul-Americana

  • Posse de bola: 76% x 24%
  • Finalizações: 14 x 5
  • Finalizações a gol: 3 x 5
  • Escanteios: 7 x 0
Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho, formado em jornalismo pela PUC-RS e especializado em análise de desempenho e mercado pelo Futebol Interativo. Antes da Trivela, passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo