Sul-Americana

Guerrero anota dois e a LDU dá um grande passo em busca da decisão da Sul-Americana

A LDU fez um excelente primeiro tempo, com dois gols de Guerrero, e segurou a pressão do Defensa y Justicia na segunda etapa, com direito a um golaço no finalzinho

Paolo Guerrero se aproxima dos 40 anos, mas ainda segue como um nome respeitado na América do Sul. O melhor do centroavante passou, mas isso não impede que ele permaneça como uma entidade na seleção peruana. E a temporada do artilheiro na LDU pode até render uma final continental. Nesta quarta-feira, Guerrero foi o grande nome na vitória da Liga de Quito contra o Defensa y Justicia, no primeiro duelo semifinal da Copa Sul-Americana. O medalhão cravou dois gols no triunfo por 3 a 0 no Estádio Casa Blanca. Os equatorianos deram show no primeiro tempo e seguraram a tentativa de reação dos argentinos na segunda etapa, fechando a conta com um golaço de Ezequiel Piovi no final. É uma belíssima vantagem para buscar a decisão, contra Fortaleza ou Corinthians.

Guerrero vinha em baixa no futebol de clubes. Não teve uma grande sequência nos últimos anos, tanto pelas lesões quanto pelo doping. Sua passagem pelo Avaí não foi boa e ele sequer aproveitou a oportunidade que teve no Racing nesta temporada. Em julho, a LDU surgiu como solução. Mas não que o veterano viesse em grande forma. Seu único gol pintou na estreia, contra o Ñublense, pelas oitavas da Sul-Americana. O peruano ficou dez partidas em jejum, oito pelo clube e duas pela seleção. Até que tirasse a barriga da miséria contra o Defensa y Justicia nesta quarta-feira.

A LDU Quito tinha sua grande força pelos lados do campo. José Quintero e Renato Ibarra se combinavam pela direita, enquanto Leonel Quiñónez e Jhojan Julio faziam a dobradinha pela esquerda. O 4-2-3-1 do técnico Luis Zubeldía ainda tinha como pilares o goleiro Alexander Domínguez, o zagueiro Ricardo Adé, o volante Ezequiel Piovi e o meia Sebastián González. Destaque também a Guerrero no comando de ataque. Já o Defensa y Justicia dirigido por Julio Vaccari tinha entre suas forças a trinca de meias formada por Santiago Solari, David Barbona e Gastón Togni. Na frente, Lucas Pratto era o homem de referência.

Primeiro tempo de luxo da LDU

A Liga de Quito fez um primeiro tempo muito forte. A equipe atacava com velocidade, em especial pela maneira como explorava os lados do campo. As chances surgiram rápido, e aos montes. Aos seis minutos, o goleiro Enrique Bologna precisou fazer duas ótimas defesas na meta do Defensa y Justicia, com batidas em sequência de Leonel Quiñonez e Jhojan Julio. O bombardeio se seguia, com transições muito rápidas da LDU. Renato Ibarra dava enorme trabalho pela direita, com muitas tentativas. E o gol naturalmente saiu aos 17 minutos, a partir de um escanteio. Quiñonez cruzou e Paolo Guerrero mal precisou saltar para desferir a cabeçada fatal.

O gol não mudou a postura da LDU. A equipe continuava bem mais ativa no ataque. O Defensa y Justicia era improdutivo na posse de bola e se mostrava muito exposto às acelerações dos equatorianos. A defesa auriverde precisava se desdobrar. Jhojan Julio quase marcou numa cabeçada por cobertura, mas Bologna se esticou todo para realizar uma defesaça. Mauricio Martínez também testou o goleiro numa batida de longe. Enquanto isso, o DyJ só conseguiu uma finalização em todo o primeiro tempo, e para fora. A presença de Lucas Pratto era nula. Qualquer ameaça era neutralizada pelo haitiano Ricardo Adé, ótimo no miolo da zaga blanca.

A superioridade da Liga de Quito pedia um placar mais confortável. O segundo gol coroou esse domínio da maneira mais brilhante, com uma linda jogada coletiva aos 42. Os dois laterais participaram, com uma inversão de José Quintero para Quiñónez na esquerda. O passe chegou para Guerrero na entrada da área e o veterano acertou uma batida seca no canto, de primeira. Foram 45 minutos de luxo da LDU, entre os melhores dessa temporada nas competições continentais.

Piovi crava a estaca com um golaço

O segundo tempo viu a LDU se acomodar um pouco mais. A equipe ainda teve um lance de perigo com Ibarra, para fora. Porém, a equipe recuou e permitiu que o Defensa y Justicia se arriscasse mais no ataque. Os auriverdes ainda levaram um tempo para ameaçar, mas tinham as batidas de longe de David Barbona. O goleiro Alexander Domínguez era mais exigido e faria uma boa intervenção numa cabeçada de Gabriel Alanis, antes de espalmar uma bomba de Gastón Togni. Enquanto isso, sequer os contra-ataques davam certo para a LDU ganhar um respiro.

Guerrero mal aparecia em campo. Enquanto isso, o Defensa y Justicia tinha mais volume de jogo e pressionava. Faltava um pouco mais de capacidade nas conclusões, sem tantos lances limpos, mas os auriverdes lutavam até o fim. Todavia, os desperdícios eram contínuos e a bola resolveu punir. O capitão Ezequiel Piovi fechou a contagem para a LDU aos 43, com um golaço. O meio-campista aproveitou a liberdade na intermediária para avançar e mandar uma sapatada de longe. Bola no alto da meta, no canto, sem chances ao goleiro Bologna. Nos acréscimos, nos últimos suspiros dos portenhos, Domínguez voltou a aparecer e manteve sua meta zerada. A missão do DyJ se torna bastante difícil para o jogo de volta. Especialmente pela competitividade demonstrada pela LDU nesta campanha, incluindo a classificação contra o São Paulo na fase anterior.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo