Sul-Americana

Palco da semifinal da Copa Sul-Americana, Castelão já recebeu público de 120 mil pessoas para evento sem futebol

Em 1980, o Papa João Paulo II esteve em Fortaleza para um congresso da Igreja Católica

Estádio Governador Plácido Castelo, o Castelão, já foi o cenário de grandes eventos que foram muito além das quatro linhas, e que marcaram a história do Ceará e do Brasil. Nesta terça-feira (03), às 21h30, o tradicional estádio será palco da decisão entre Fortaleza e Corinthians, que buscam a vaga na grande final da Copa Sul-Americana, marcada para o dia 28 de outubro, no Uruguai. 

A partida inaugural em 1973 foi com um dos jogos mais tradicionais e disputados país, o Clássico-Rei entre Ceará e Fortaleza. Mais 44 mil pessoas estiveram presentes nas arquibancadas, e apesar da rivalidade tradicionalíssima em campo, e a empolgação da torcida não ajudou no placar do jogo, que ficou no empate sem gols. Naquela época, as arquibancadas atrás dos gols ainda não existiam. 

Reforma para a Copa do Mundo em 2014

O Castelão foi uma das sedes da Copa do Mundo realizada no Brasil, em 2014, e para isso, passou por uma reforma para atender aos chamados ‘padrões-Fifa', se transformando em uma arena. Durante o mundial, recebeu seis jogos, dois da Seleção Brasileira – nas quartas de final, contra a Colômbia (vitória de 2 a 1 para o Brasil), e na primeira fase, empate de 0 a 0 contra o México. 

Foi no gramado do Castelão que Neymar sofreu a lesão que o tirou do restante da disputa, a fratura da terceira vértebra lombar, depois de uma entrada violenta com o jogador colombiano Zúñiga,  

Apesar das grandes conquistas do Vozão e do Leão do Picí, um evento completamente fora do mundo esportivo marcou para sempre a história da capital do ceará, do país e do estádio.

Visita de Papa João Paulo II parou o país e colocou 120 mil pessoas dentro do Castelão

Em 9 de julho de 1980, há 43 anos, as arquibancadas e o gramado do Castelão receberam seu maior público da história. Cerca de 120 mil pessoas lotaram o estádio para receber o Papa João Paulo II, que desembarcou no Brasil para participar de um congresso organizado pela Igreja Católica. 

A visita foi tratada com tanta pompa pelo governo brasileiro, que criou uma espécie de cartilha chamada ‘10 mandamentos para ver o Papa'. Entre as recomendações, estava a necessidade de não correr e evitar tumultos, mas foi praticamente impossível conter a enorme multidão. Segundo os números da Secretaria de Segurança Pública, época três pessoas morreram e cerca de 100 ficaram feridas. 

Visita do Papa João Paulo II ao Brasil, em 1980 (Foto: Arquidiocese de Fortaleza)

Antes da cerimônia, o Pontífice recebeu uma homenagem de Luiz Gonzaga, que declamou uma música escrita especialmente para a visita João Paulo: “O povo te abraça, em ti, vê Jesus. Feliz te agradece por nos visitares, e a Cristo adorares, na terra da luz“, dizia a letra.

Castelão também foi palco de grandes shows nacionais e internacionais

O castelão também recebeu grandes shows de artistas brasileiros e internacionais, desde Roberto Carlos, Elton John e Ivete Sangalo. Mais de 300 mil pessoas já estiveram dentro do estádio apara acompanhar apresentações musicais. Os maiores públicos são dos shows dos Menudos em 1985 (70 mil pessoas); Xuxa, em 1996 (45 mil pessoas); Paul McCartney, em 2013 (48 mil fãs) e Iron Maiden, em 2016 (33 mil). 

Show do Iron Maiden no Castelão, em 2016 (Foto: Reprodução)

Expectativa de bom público é alta

O jogo da semifinal da Copa Sul-Americana tem tudo para ser mais um marco na história do estádio. A torcida do Fortaleza promete uma grande festa, e toda carga de 60 mil ingressos foi vendida. Os ingressos custaram de R$ 40 a 150 reais. Pelo lado do visitante, foram disponibilizadas 4 mil entradas para a torcida corintiana pelo valor de R$150, também esgotadas.

No jogo de ida, as equipes empataram por 1 a 1 na Neo Química Arena. Um novo empate leva a decisão por pênaltis.

Foto de Jade Gimenez

Jade Gimenez

Jornalista, fascinada por esporte desde a infância, paixão que se tornou profissão. Além do futebol me mantenho por dentro de outras modalidades desde Fórmula 1 até NFL. Trabalhei como repórter em TV e rádio cobrindo partidas de futebol, futsal e basquete.
Botão Voltar ao topo