Libertadores

Inter começa a Libertadores com um jogo horroroso e uma derrota merecida para o Always Ready

Diante de um time brasileiro que não soube se impor, Always Ready consegue a primeira vitória da sua história na Libertadores diante do Colorado

Estrear na Libertadores em La Paz nunca é um bom negócio, ainda mais em um ano cheio de problemas como este que vivemos, ainda em meio à pandemia, com uma preparação comprometida. Mesmo levando isso em consideração, o Internacional estreou com uma partida muito ruim e perdeu do Always Ready em La Paz por 2 a 0, pelo Grupo B da competição. O time do técnico Miguel Ángel Ramírez, ainda novo no cargo, pouco conseguiu fazer do seu jogo. Em campo, o que se viu foi um Inter que não conseguiu superar os desafios colocados diante de si.

O primeiro tempo teve o Always Ready chutando mais para o gol, embora o Inter seja quem tenha ficado mais com a bola. O time colorado não pareceu conseguiu encaixar o seu jogo e via os bolivianos terem mais sucesso, criando chances e chegando mais perto de marcar.

O empate permanecia, mas embora o zero a zero tenha ido até o intervalo, o time da casa era quem jogava melhor. No final do primeiro tempo, o Inter até melhorou e jogou colocando mais a bola no chão e tentando trabalhar as jogadas, mas criou pouco.

O Inter trocou dois jogadores já no intervalo. Yuri Alberto e Lucas Ribeiro entraram nos lugares de Carlos Palacios, apagadíssimo na partida, e Caio Vidal, outro que pouco conseguiu fazer em campo no primeiro tempo. Assim, o time brasileiro ficou com três zagueiros e tentou soltar as laterais. O impacto, porém, não apareceu de imediato.

O time boliviano conseguiu o gol de uma maneira típica da altitude. Fernando Saucedo recebeu a bola pelo meio e, com uma liberdade imensa, ajeitou e chutou alto, forte e acertou o ângulo, vencendo o goleiro Marcelo Lomba. Eram oito minutos do segundo tempo. Havia tempo para tentar reverter o resultado. Só que faltava futebol.

O gol fez o Always Ready recuar, o Inter ficou mais com a bola e com muito menos espaço. Virou um jogo de ataque contra defesa. O time boliviano fez alterações e o Inter também. Aos 21, Bruno Praxedes substituiu Edenílson, que não fazia uma partida ruim, embora estivesse longe dos seus melhores dias. Pouco depois, Lucas Ribeiro foi substituído para a entrada de Nonato, tentando povoar o meio-campo.

Com 30 minutos do segundo tempo, Yuri Alberto recebeu pela esquerda, no bico da área, puxou para o meio e chutou forte. A bola bateu no travessão e saiu. A melhor chance da Inter até ali. E assim seria até o fim da partida. A última mudança foi a entrada de Rodney no lugar de Moisés, que vinha aparecendo muito no ataque, mas sem conseguir acertar no último passe ou cruzamento.

No final, um erro de passe no meio-campo gerou um contra-ataque que acabou sendo mortal. Saucedo desta vez foi quem conduziu a bola e fez o passe para Carmelo Algarañaz. Ele chutou forte, cruzado, no ângulo, e marcou um belo gol: 2 a 0 no placar a vitória garantida, aos 49 minutos.

O árbitro Nicolas Gallo Barragán, da Colômia, nem deu mais acréscimos e apitou o fim do jogo no Estádio Hernando Siles. O Inter começa a caminhada na Libertadores com uma derrota bastante dolorida fora de casa e que não é muito animador. Precisará melhorar em desempenho e já começa com preocupação em termos de resultados. A altitude é um problema sério e isso precisa ser levado em conta.

No outro jogo do grupo, o Deportivo Táchira conseguiu uma vitória emocionante por 3 a 2 sobre o Olimpia, o outro clube campeão neste grupo, em jogo na Venezuela. Os dois times mandantes do grupo saíram de campo com vitórias importantes e que devem movimentar o grupo. O Inter volta a campo na próxima terça-feira, 27, desta vez em Porto Alegre, para enfrentar o Deportivo Táchira. O Always Ready vai visitar o Olimpia no Paraguai na próxima quarta, 28. 

Ficha técnica:

Standings provided by SofaScore LiveScore

VEJA TAMBÉM:

 

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo