Libertadores

‘Competição muito difícil’: Renato sabe o que espera o Grêmio na Libertadores

Após o sorteio dos grupos da Libertadores, Renato Portaluppi, campeão como jogador e treinador, projetou a competição para o Grêmio

Na última segunda-feira (18), os clubes participantes da Libertadores conheceram seus adversários na fase de grupos após sorteio realizado na sede da Conmebol, em Luque, no Paraguai. O Grêmio ficou no traiçoeiro Grupo C, com Estudiantes (ARG), The Strongest (BOL) e Huachipato (CHI). Nesta quarta-feira (20), na reapresentação do elenco gremista depois de três dias de folga, o técnico Renato Portaluppi falou pela primeira vez sobre o tema.

Em material divulgado pela Grêmio TV, Renato ressaltou a dificuldade da competição. E ele tem propriedade para falar, já que é o único brasileiro que faz parte da seleta lista de sete futebolistas que conquistaram a Libertadores tanto como jogador quanto como treinador, e é o comandante com mais vitórias na história da competição, ao lado do colombiano Gabriel Ochoa Uribe, com 49.

— Libertadores é sempre muito difícil. Disputei várias Libertadores como jogador, várias Libertadores como treinador. Não tem jogo fácil, seja na altitude, seja aqui embaixo. Todos os clubes gostam, e querem, e correm atrás da Libertadores. O Grêmio não vai ser diferente — destacou Renato.

Altitude e reencontros com adversários de ‘guerras' estão no caminho do Grêmio, mas Renato enfatiza que a dificuldade é geral

Ao citar a altitude, o treinador gremista já sabe que seu time precisará encará-la logo na estreia, contra o The Strongest, no Estádio Hernando Siles, em La Paz, que fica 3.600m acima do nível do mar. A partida acontecerá no dia 2 de abril, terça-feira, às 21h. Será em meio às duas partidas da final do Campeonato Gaúcho, caso o Grêmio confirme a classificação sobre o Caxias.

Além do campeão boliviano e sua temida altitude, na fase de grupos o Tricolor Gaúcho ainda irá encarar o último campeão chileno, pedra no sapato do Grêmio em 2013, e reencontrar um tetracampeão da Libertadores, com quem travou duelos históricos. Primeiro, em 1983, na ‘Batalha de La Plata'. Depois, em 2018, em emocionante confronto pelas oitavas de final. Em ambos, Renato esteve presente — em um como jogador, em outro como treinador.

Para além desses adversários, e dos diferentes desafios que eles devem impor ao Grêmio, Renato reiterou a dificuldade da Libertadores como um todo. Mesmo que sua equipe tenha caído em dos grupos mais complicados.

— Independente do grupo que o Grêmio caiu, qualquer outro adversário, todos jogos serão difíceis, fora de casa, aqui na Arena. Justamente pelo que eu falei. Todos os clubes buscam essa competição, porque ela é muito importante, em todos os sentidos, e na parte financeira também.

Diante disso, Renato salientou a importância da torcida gremista. Que poderá fazer a diferença a partir do jogo contra o Huachipato, no dia 9 de abril, terça-feira, às 19h, na Arena do Grêmio.

— O que a gente sempre pede é o que torcedor compareça sempre em massa na Arena para nos incentivar. Porque realmente é uma competição muito difícil — concluiu o treinador.

Jogos do Grêmio na fase de grupos da Libertadores

  • The Strongest (BOL) x Grêmio — 2 de abril, terça-feira, às 21 horas, no Hernando Siles, em La Paz, na Bolívia;
  • Grêmio x Huachipato (CHI) — 9 de abril, terça-feira, às 19h, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, no Brasil;
  • Estudiantes (ARG) x Grêmio — 23 de abril, terça-feira, às 19h, no Jorge Luis Hirschi, em La Plata, na Argentina;
  • Huachipato (CHI) x Grêmio — 8 de maio, quarta-feira, às 19h, no CAP, em Talcahuano, no Chile;
  • Grêmio x Estudiantes (ARG) — 15 de maio, quarta-feira, às 19h, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, no Brasil;
  • Grêmio x The Strongest (BOL) — 29 de maio, quarta-feira, às 19h, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, no Brasil.
Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo