Libertadores

Conmebol diz que pena de Marcelo na Libertadores poderia ser mais grave

Entidade afirma que "intenção" de Marcelo, que está fora das quartas de final da Libertadores, não foi levada em questão

O Fluminense tenta anular o julgamento que puniu Marcelo com três jogos de suspensão, mas a Conmebol se mostra irredutível. A Comissão Disciplinar da entidade emitiu um documento em que afirma que a sanção poderia ter sido até maior.

“Estaríamos em outro cenário mais grave se pelas imagens fosse possível observar que o jogador agiu de forma deliberadamente bruta, o que neste caso, as consequências disciplinares poderiam ser ainda mais severas”, diz a nota, em tradução livre do espanhol.

Com a punição pelo cartão vermelho contra o Argentinos Juniors, Marcelo está fora das quartas de final da Libertadores, confronto onde o Fluminense enfrenta o Olímpia.


Assinada pela juíza Amarilis Belisario, vice-presidente da Comissão Disciplinar, a declaração oficial diz que “a “intenção” não está contemplada, por isso não é objeto de estudo”.

O documento ainda afirma que valoriza as atitudes de Marcelo após o ocorrido e a reação da imprensa, mas que isso não pode ser levado em conta para o julgamento.

No lance, o zagueiro Luciano Sánchez sofreu uma luxação e uma ruptura multilgamentar no joelho.

Fluminense tenta anular julgamento

Não cabe recurso à pena de três jogos. Por isso, o Tricolor tenta anular o julgamento, única saída restante para ter Marcelo na Libertadores.

O clube havia solicitado uma audiência para que o lateral-esquerdo fosse ouvido pessoalmente. A Conmebol, entretanto, não viu necessidade. A entidade afirma que considerou as provas de defesa suficientes, mas de acordo com apuração da Trivela, o clube alega que não houve tempo para análise devida.

Marcelo foi suspenso por três jogos pela Conmebol e está fora das quartas de final da Libertadores - Foto: Reprodução
Marcelo foi suspenso por três jogos pela Conmebol e está fora das quartas de final da Libertadores – Foto: Reprodução

O departamento jurídico do Fluminense, que recebeu “reforço” do presidente Mario Bittencourt, tentou convencer a Comissão Disciplinar de que a jogada não foi intencional, e por isso, sem força excessiva, o que tiraria a “brutalidade” do lance, que era um drible.

Ainda no documento enviado à entidade máxima do futebol sul-americano, o Tricolor afirmou ver “erro flagrante” do árbitro.

O clube também anexou vídeos de Marcelo explicando a jogada, outros movimentos semelhantes de atletas de outros clubes em partidas diferentes, e imagens de Luciano Sánchez, lesionado no lance, agradecendo Marcelo pelas desculpas e afirmando “que o lance não foi intencional”, além de mensagens de jogadores de todo o mundo e notícias de repercussão internacional sobre o lance.

Confira a íntegra da nota oficial da Conmebol:

“Uma vez analisada a jogada em questão, a defesa e o relatório do árbitro principal da partida, encontramo-nos perante uma expulsão por vermelho direto por jogo brusco grave, que de acordo com as regras do jogo publicadas pelo IFAB, resulta: “Jogo brusco e grave (falta de extrema dureza) as entradas ou disputas de bola que ponham em perigo a integridade física de um adversário ou em que o jogador use força ou brutalidade excessivas devem ser penalizadas como “jogo brusco e grave” (faltas de extrema dureza). Qualquer jogador que atinge um adversário na disputa pela bola de frente, pelo lado ou por trás, usando uma ou ambas as pernas com força excessiva ou pondo em risco a integridade física do adversário, está jogando com força excessiva. Com efeito, esta juíza única deve analisar este caso relativamente a uma ação cometida por um jogador e, como se pode verificar no regulamento, a “intenção” não está contemplada, por isso não é objeto de estudo.

No presente caso, temos uma ação em que o jogador Marcelo Vieira Da Silva, diante da marcação do jogador Luciano Sanchez, pisa sobre ele na altura da tíbia e fíbula da perna esquerda com uso de força excessiva, causando extrema dor na seu adversário e, como pode ser visto na jogada – produto da força excessiva -, resultou na lesão no joelho do jogador Sanchez que imediatamente teve que deixar o campo de jogo e ser removido do estádio pela equipe médica. Diante da cena chocante, o mesmo jogador do Fluminense FC percebeu a gravidade da lesão do jogador rival.

Neste sentido, esta Comissão entende que o árbitro (que esteve próximo da jogada) acertou ao expulsar o Sr. Vieira da Silva com cartão vermelho direto. Com efeito, não há dúvida de que houve excesso de força e como consequência a integridade física do adversário foi colocada em risco, o que ocasionou o extremo sofrimento e lesão do jogador Sanchez.

Embora entendamos que o futebol é um esporte de contato, a juíza única é de opinião que os jogadores devem medir o uso de força excessiva nas ações do jogo, a fim de não colocar em risco a integridade física de um adversário conforme expresso na Regra IFAB 12. Nesta ação em particular, fica claro que o jogador Marcelo Vieira Da Silva não mediu o uso de sua força ou o perigo que isso poderia acarretar e, como consequência, provocou uma luxação completa do joelho do jogador adversário.

Com respeito às desculpas e à posterior aceitação por parte dos envolvidos na jogada, esta juíza única destaca e valoriza o espírito esportivo de ambos os jogadores numa situação que originou uma lesão grave por parte de um atleta que representava a sua equipa em um torneio de grande prestígio como a CONMEBOL Libertadores. No entanto, esta situação não isenta o jogador Marcelo Vieira Da Silva da responsabilidade pela infração cometida nem das consequências disciplinares.

Da mesma forma, as publicações da imprensa e as reações dos diferentes jogadores têm sido valorizadas por esta juíza única de forma positiva, considerando que um dos valores mais importantes do esporte e, em particular do futebol, é a solidariedade e o jogo limpo entre os competidores. Não obstante, para o presente caso, não têm força probatória suficiente para isentar o jogador de uma sanção.

Em decorrência do exposto e em virtude das declarações e publicações apresentadas pela defesa, é importante ressaltar mais uma vez que no presente caso não está sendo julgada a intenção do jogador, mas sim a própria ação (falta). Estaríamos em outro cenário mais grave se pelas imagens fosse possível observar que o jogador agiu de forma deliberadamente violenta (bruta), o que neste caso, as consequências disciplinares poderiam ser ainda mais severas.

A Comissão Disciplinar deve apreciar, de acordo com os elementos probatórios e em conjunto com as regras, a resolução do expediente de forma justa e proporcional. Consequentemente, conclui-se que houve ação do jogador Marcelo Vieira Da Silva de jogo brusco grave (força excessiva – colocando em risco a integridade física do adversário), na jogada em que ocorreu a lesão grave do Sr. Luciano Sanchez, jogador do clube Argentinos Juniors.

Em virtude das circunstâncias descritas, e levando em consideração que o Art. 14.1 letra b) inciso (i) do Código Disciplinar da CONMEBOL estabelece que a sanção pode ser de pelo menos uma suspensão de jogo ou por tempo determinado, esta juíza considera apropriado sancionar o Sr. Marcelo Vieira Da Silva com três (3) partidas de suspensão, incluindo a suspensão automática estabelecida no artigo 70 do Código Disciplinar da CONMEBOL”.

Foto de Caio Blois

Caio Blois

Jornalista pela UFRJ, pós-graduado em Comunicação pela Universidad de Navarra-ESP e mestre em Gestão do Desporto pela Universidade de Lisboa-POR. Antes da Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo