Libertadores

Emocional não pode ser muleta para esconder erros do Botafogo na estreia pela Libertadores

Para além das questões do lado emocional, o Botafogo teve mais uma atuação ruim em 2024 e cedeu o empate em 1 a 1 ao Aurora, da Bolívia, pela Copa Libertadores

O Botafogo segue no seu eterno 2023. Depois de sair vencendo o Aurora, da Bolívia, na estreia pela segunda fase da Copa Libertadores, na última quarta-feira (21), o Glorioso, mais uma vez, cedeu o empate em 1 a 1 nos minutos finais de jogo e deixou Cochabamba, na Bolívia, com um resultado amargo e o confronto aberto por uma vaga na terceira fase da competição continental. Após o apito final, a imagem dos jogadores cabisbaixos e decepcionados deixou clara a frustração com mais uma vitória entregada nos final de um jogo.

Também pudera. Desde o segundo semestre de 2023, o Botafogo vem sofrendo com gols nos fim das partidas, que foram responsáveis por alguns dos momentos mais traumáticos das história recente do clube, como na derrota para o Palmeiras e no empate com o Coritiba. E, na atual temporada, a cena vem se repetindo, como já aconteceu nos clássicos com o Flamengo e também contra o Vasco, quando saiu na frente e levou a virada.

Nesta semana, inclusive, uma fala do técnico Tiago Nunes sobre a carga emocional que alguns jogadores do Botafogo carregam devido ao fracasso no último Campeonato Brasileiro até gerou polêmica e fez o treinador tentar se retratar poucas horas depois, negando o que ele mesmo havia falando após a derrota para o Vasco.

No entanto, por mais que se saiba e se reforce cada vez mais o papel das questões psicológicas e emocionais no futebol, alguns fracassos do Glorioso também se explicam pelo famoso “campo e bola”. Foi o caso do empate com o Aurora, na última quarta, em Cochabamba, pela Copa Libertadores. É claro que, quando as partes técnicas e táticas não “acontecem”, a tensão fica ainda maior para os minutos finais do jogo, podendo acionar o famosos “gatilhos” de 2023, que até hoje persistem no imaginário do torcedores e, pelo visto, também dos jogadores, comissão técnica e diretoria.

Botafogo teve mais uma atuação ruim na temporada

Mas, até chegar a esse ponto nos minutos finais do jogo, o time passou por muitas dificuldades na última quarta-feira, na Bolívia. Que pese também, é claro, a altitude e o gramado ruim do Estádio Félix Caprilles. Mas o modesto time do Aurora conseguiu pressionar o Botafogo nos minutos iniciais do jogo, como esperado. Mas, mesmo após a pressão inicial da equipe boliviana, o time de Tiago Nunes pouco conseguiu fazer.

O Glorioso só conseguiu sair para o jogo perto dos 20′ do primeiro tempo, quando Victor Sá cavou o pênalti que foi desperdiçado por Tiquinho Soares. Com Sá e Júnior Santos bem e aproveitando as transições rápidas, o Glorioso teve alguns minutos de equilíbrio no jogo. Mas foi muito pouco. Tiquinho voltou a ficar isolado no ataque e, com um meio pouco criativo, o Botafogo praticamente não levou mais perigo ao time do Aurora.

Na segunda etapa, a única boa chance do Botafogo aconteceu em um erro na saída de bola do Aurora, logo aos 2′, quando Júnior Santos dividiu uma bola que acabou batendo na trave. As primeiras substituição feitas pelo técnico Tiago Nunes não alteram o esquema tático, mas o time mudou de postura e passou a recuar. Além disso, como prova de que estava praticamente satisfeito com a vitória por 1 a 0, a equipe passou a exagerar na cera, com o goleiro Gatito Fernández levando cartão amarelo, e o próprio técnico Tiago Nunes foi expulso por provocar o treinador adversário.

Botafogo saiu na frente, mas cedeu o empate ao Aurora nos minutos finais do jogo pela Libertadores (Foto: Icon Sport)

Time foi castigado por recuar no fim do segundo tempo

Jogando praticamente dentro da própria área, o Botafogo só tentou se defender nos minutos finais. Com Tchê Tchê em campo, que vem mal nesta temporada, e com Danilo Barbosa desgastado depois de um bom jogo, os dois foram facilmente driblados no lance do gol de Dario Torrico, que castigou o Glorioso aos 51′, depois de um pressão do Aurora nos últimos 15 minutos de jogo.

Com mais uma atuação ruim, principalmente no segundo tempo, o Botafogo, além das questões emocionais, ainda tem muito a corrigir dentro de campo para tentar chegar na terceira fase da Copa Libertadores e, depois, na fase grupos. O jogo de volta contra o Aurora acontece na próxima quarta-feira (28), às 21h30 (horário de Brasília), no Nilton Santos.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor de Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo