Libertadores

É no mínimo estranha a seleção oficial da Libertadores, que não tem John Kennedy, heroi do Fluminense

Fluminense coloca cinco jogadores na seleção da Libertadores, mas ausência de John Kennedy fala mais alto

A Conmebol divulgou a seleção da Libertadores com surpresas. O campeão Fluminense colocou cinco jogadores no time ideal escolhido pelo grupo de estudo tático da entidade. Mas foi uma ausência que chamou a atenção: a do atacante John Kennedy, herói do título tricolor na final contra o Boca Juniors.

No ataque, em vez do camisa 9, estão escalados Enner Valencia, que ficou marcado por erros que custaram a classificação do Internacional justamente contra o Fluminense, no Beira-Rio, e Paulinho, do Atlético-MG, que parou nas oitavas de final para o Palmeiras.

O jogador do Galo marcou sete vezes e foi o vice-artilheiro da Libertadores, mas vários de seus gols foram marcados antes da fase de grupos, já que o clube mineiro precisou passar por um play-off para carimbar sua vaga na competição. Já o equatoriano do Colorado chegou para o mata-mata e fez quatro gols em seis jogos, mas foram as chances perdidas que chamaram mais atenção.

Seleção da Libertadores tem cinco jogadores do campeão Fluminense

Campeão, o Fluminense foi a equipe com mais representantes na seleção da Libertadores. O time comandado por Fernando Diniz viu Nino, André, Ganso, Arias e Cano serem escolhidos pela Conmebol para o time ideal da competição.

Fluminense foi campeão da Libertadores de maneira inédita e está classificado para o Mundial de Clubes em 2023 (Foto: Icon sport)
Fluminense foi campeão da Libertadores de maneira inédita e está classificado para o Mundial de Clubes em 2023 (Foto: Icon sport)

Jogadores como Samuel Xavier, Marcelo, Felipe Melo, Keno e John Kennedy também tinham a expectativa de serem escolhidos para o time ideal. O Flu faturou a Libertadores pela primeira vez em sua história em grande campanha: foram oito vitórias, três empates e só duas derrotas. No mata-mata, o Tricolor esteve invicto.

Germán Cano, que marcou 13 gols em 12 jogos, foi o grande artilheiro da Libertadores. O argentino se tornou o maior goleador do Fluminense na história da competição e deve receber o título de “Rei da América”, conferido anualmente pelo jornal uruguaio El País para o melhor jogador da América do Sul na temporada.

Boca, Inter e Palmeiras também têm representantes na seleção da Libertadores

O semifinalista Internacional colocou dois: além de Valencia, Alan Patrick, um dos destaques da competição, foi escolhido para o meio-campo. Finalista, o Boca Juniors também teve dois na seleção do campeonato: o goleiro Romero e o lateral Advíncula.

Romero foi decisivo para as classificações dos argentinos, que foram vice-campeões sem vencer nenhuma partida de mata-mata, apenas com empates e vitórias nos pênaltis. Já o lateral peruano, mesmo sendo defensor, foi o artilheiro do time bostero na Libertadores, com quatro gols, um deles na final, que levou o jogo para a prorrogação.

Advíncula foi o responsável pelo gol do Boca Juniors na final da Libertadores (Foto: Conmebol)
Advíncula foi o responsável pelo gol do Boca Juniors na final da Libertadores (Foto: Conmebol)

Na decisão, o Boca Juniors foi derrotado por 2 a 1 pelo Fluminense com gol de John Kennedy aos nove minutos do primeiro tempo da prorrogação.

O Palmeiras viu o lateral uruguaio Piquerez ser escolhido, enquanto o Atlético-MG completou a seleção com Paulinho.

Veja a escalação completa da seleção da Libertadores

A escalação da seleção da Libertadores ficou assim: Sergio Romero (Boca Juniors); Advíncula (Boca Juniors), Nino (Fluminense) e Piquerez (Palmeiras); André (Fluminense), Alan Patrick (Internacional), Ganso (Fluminense) e Arias (Fluminense); Enner Valencia (Internacional), Paulinho (Atlético-MG) e Germán Cano (Fluminense).

Conmebol divulgou a seleção da Libertadores com cinco jogadores do Fluminense, mas sem John Kennedy, herói do título - Foto: Divulgação/Conmebol
Conmebol divulgou a seleção da Libertadores com cinco jogadores do Fluminense, mas sem John Kennedy, herói do título – Foto: Divulgação/Conmebol
Foto de Caio Blois

Caio Blois

Jornalista pela UFRJ, pós-graduado em Comunicação pela Universidad de Navarra-ESP e mestre em Gestão do Desporto pela Universidade de Lisboa-POR. Antes da Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo