Libertadores

Carpini deu explicação lógica para não substituir Rato antes de gol do Talleres

São Paulo sofre primeiro gol da derrota por 2 a 1 para o Talleres com dez homens em campo no primeiro tempo

O São Paulo estreou no Grupo B da Libertadores com derrota por 2 a 1 para o Talleres, nesta quinta-feira (4), no Estádio Mario Alberto Kempes, e coube a Thiago Carpini explicar não apenas o resultado em sua entrevista coletiva após a partida. O treinador precisou justificar à torcida por que não substituiu Wellington Rato e deixou a equipe com dez homens em campo por oito minutos que pareceram uma eternidade ainda na primeira etapa.

Aliás, foi um primeiro tempo atípico para o Tricolor em Córdoba. Aos 19 minutos, Carpini teve que queimar a sua primeira substituição porque Rafinha levou a pior em uma dividida. Nove minutos mais tarde, veio a segunda troca: Lucas Moura deixou o campo às lágrimas após sentir um problema muscular – o segundo nesta temporada – e deu lugar a Ferreira.

Já aos 45 minutos da primeira etapa, foi a vez de Wellington Rato virar problema e sair do gramado com dores após uma dividida. Naquele momento, Carpini decidiu não gastar o que seria a sua última janela de substituição com bola rolando. Restavam seis dos oito minutos de acréscimos, e o técnico assumiu o risco de suportar esse tempo com dez homens em campo.

O gol marcado por Ruíz Rodríguez aos 50 minutos mostrou que a estratégia deu errado. Mas no segundo tempo, veio a comprovação de que ao menos havia lógica no pensamento do treinador: a terceira troca resultou no gol de honra da equipe. Já no segundo tempo, Galoppo e Luciano entraram nas vagas de Alisson e James Rodríguez. O São Paulo balançou as redes com o camisa 10, que aproveitou rebote de finalização do argentino que bateu na trave.

Eu troquei seis minutos dos acréscimos, por 45 mais os acréscimos. Trocamos seis por cinquenta. É uma tomada de decisão difícil. Jogar na casa deles com jogador a menos é correr risco, mas corria risco de ficar com um a menos no segundo, sabendo que tínhamos atletas que não suportariam os 90 minutos como o James. . A gente tinha que guardar para ele. Se eu queimasse, não teria outra mexida. Acho que foi decisão acertada. (Carpini)

– Se tivéssemos tomado a decisão, e nada tivesse acontecido, nem teria essa pergunta. A gente toma ações e sofre as consequências das nossas escolhas. Se tivesse essa situação, com essa mesma minutagem (de novo), faria dessa maneira. Os próprios atletas também pedindo para fazer dessa maneira. Depois, Luciano e Galoppo entraram, porque pudemos fazer outra toca, e eles participaram do gol – disse Carpini.

Técnico avalia desempenho de James

Em sua entrevista coletiva, o treinador também avaliou a primeira partida de James Rodríguez como titular do São Paulo em 2024. Na avaliação de Carpini, era o momento de usar o colombiano em um jogo grande, à altura da expectativa que se tem sobre seu futebol.

– Do James, imaginávamos situações que pudessem acontecer, principalmente com Lucas em campo. EM algum momento, a gente precisava dar esse jogo para ele. Jogo grande é para jogador grande. Ele tinha que participar, contribuir e dividir a responsabilidade conosco. Ele foi participativo enquanto suportou. Depois das perdas no primeiro tempo, dificultou aquilo que planejamos para ele – avaliou o treinador.

James fez sua primeira partida como titular em 2024 (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

Lesões desmancharam estratégia

Durante a entrevista, Carpini ainda revelou que durante boa parte da Data Fifa, teve apenas 14 atletas à disposição, devido às muitas convocações e desfalques no elenco. O técnico afirmou que a última semana de trabalho serviu para definir a estratégia para a partida, mas ela acabou comprometida pelas baixas durante o jogo.

– Tudo o que ficamos da eliminação até agora, treinamos com 14 atletas. Tivemos a Data Fifa, uma quantidade grande de jogadores nesses jogos, muitos jogadores no departamento médico. A gente aproveitou o que deu para aproveitar. A última semana foi muito proveitosa. A estratégia do jogo tinha sido bem trabalhada. Mas não contávamos com três perdas tão grandes assim no primeiro tempo, atletas que vinham bem na partida. Era um jogo que o Lucas podia fazer a diferença pelas situações que trabalhamos nesse período – afirma o treinador.

O São Paulo é o lanterna do Grupo B sem pontos somados. O Tricolor agora tenta a recuperação em casa. Na próxima quarta-feira (10), às 21h30 (horário de Brasília), a equipe recebe o Cobresal, do Chile, no MorumBIS, pela segunda rodada da chave.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo