Argentina

Mesmo depois de aumentar a grande área e forçar a paralisação do jogo, Riestra sobe na Argentina

Pouco adiantaram as denúncias e as reclamações ocorridas ao longo dos últimos dias: o Deportivo Riestra conquistou o acesso à segunda divisão do Campeonato Argentino. O jogo decisivo contra o Comunicaciones, no último domingo, gerou muita polêmica. Os jogadores visitantes acusaram o time da casa de ampliar o tamanho da grande área (algo visível pelas imagens da televisão), de murchar as bolas durante o segundo tempo e até de ameaçá-los de morte. Além disso, por conta de uma invasão de campo causada por um jogador do próprio Riestra, a partida foi abandonada antes do apito final. Ainda assim, o comitê disciplinar da AFA passou um pano e mandou que as duas equipes voltassem a campo nesta quinta, para disputar míseros cinco minutos de bola rolando. Bagunça e impunidade que confirmaram os alvinegros na Primera B Nacional.

VEJA TAMBÉM: Clube argentino é acusado de aumentar a grande área em jogo do acesso na terceirona

No primeiro jogo valendo a última vaga do acesso na terceira divisão, o Comunicaciones venceu por 1 a 0. Já em sua casa, o Deportivo Riestra ia ganhando por 2 a 0 – em contagem aberta graças a um pênalti convertido em sua enorme grande área – até a interrupção. Assim, o terceiro duelo entre os clubes aconteceu nos tribunais. E o comitê disciplinar da federação argentina aliviou bastante para o Riestra: suspendeu seu estádio por 10 rodadas, tirou 20 pontos do próximo campeonato e deu uma multa econômica equivalente a 600 mil pesos. Os cartolas seguiram uma máxima antiga na entidade, de que o ocorrido em campo se resolve em campo. Todavia, a omissão sobre a invasão do jogador do Riestra, que não foi denunciado pelo árbitro, poderia gerar uma pena bem mais pesada. Sem esta informação vital, o clube escapou da exclusão e ganhou a chance do breve reencontro com o Comunicaciones.

Os cinco minutos finais do confronto aconteceram no estádio do Defensores de Belgrano, com portões fechados e transmissão em rede nacional. Pior de tudo, ainda foram organizados dois tempos, um de três minutos e outro de dois. Diante do cenário, coube ao Deportivo Riestra se entrincheirar na defesa, em uma formação “8-1-1”, como definiu seu treinador na véspera do reencontro. Mesmo criando ocasiões e jogando com seis atacantes, o Comunicaciones não conseguiu converter o tento que lhe daria o acesso.

Obviamente, o joguete nos bastidores gerou protestos do Comunicaciones. Durante a entrada em campo, os jogadores carregaram uma faixa com dizeres de Marcelo Bielsa: “O jogo foi criado para superar o rival de acordo com a beleza dos elementos que o futebol tem, não para sobrepor o regulamento buscando tirar vantagem para superar o rival”. Já com a derrota consumada, o técnico Alejandro Orfila atacou a decisão da AFA: “A pessoa que avergonhou o futebol argentino está em sua casa, sem nenhuma punição. Isso é uma condenação social. Nós hoje éramos a seleção argentina, as pessoas me reconheciam nas ruas e pediam um gol. Pior condenação que esta não há. Hoje fomos campeões. Tomara que isso sirva para o país. Tomara que nós, desconhecidos, possamos deixar esta mensagem”.

Do outro lado, porém, o Deportivo Riestra também não conteve a emoção depois da semana difícil que atravessou. Capitão da equipe, Gustavo Benítez caiu em lágrimas e demorou a se juntar aos festejos pelo acesso. “Sofremos muito. Criticaram muito nosso time e quem sofre é a família. Não estamos acostumados com tanta repercussão. Por fim, isso passou e na próxima temporada estaremos na segunda divisão”, declarou.

Fundado em 1931, o Deportivo Riestra se limitou por décadas à quarta e a quinta divisão do Campeonato Argentino. A ascensão marcante começou em 2013/14. Desde então, o clube conquistou três acessos, incluindo o inédito para a segunda divisão. A força, entretanto, tem uma explicação: quem gerencia os alvinegros é Víctor Stinfale, empresário e advogado envolvido em várias controvérsias – acusado, inclusive, de acobertar o atentado à AMIA (que matou 85 pessoas em Buenos Aires) e de extorquir a viúva de Pablo Escobar. Ele também é amigo pessoal de Diego Maradona, que já comandou treinos e deu palestras ao Riestra. O aporte financeiro e a influência nos corredores da federação colocam o clube como candidato a saltos maiores. Neste novo momento, de qualquer forma, seu objetivo será se manter na Primera B Nacional, despontando ao rebaixamento com a pena de 20 pontos.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo