Argentina

Clube argentino é acusado de aumentar a grande área em jogo do acesso na terceirona

O domingo seria de definição na Primera B Metropolitana, equivalente à terceira divisão do Campeonato Argentino. Deportivo Riestra e Comunicaciones se enfrentaram no Estádio Guillermo Laza, para saber quem ficaria com o acesso. O Comunicaciones tinha a vantagem do empate, após a vitória por 1 a 0 no jogo de ida, em seus domínios. Entretanto, a partida de volta terminou em uma grande confusão. O Deportivo Riestra arrancou a vitória que precisava, com o triunfo por 2 a 0. Entretanto, o duelo não terminou, por conta de uma massiva invasão de campo. E, para piorar a situação, os jogadores visitantes acusaram o time da casa de ameaçá-los de morte e de aumentar o tamanho das áreas para se beneficiar com possíveis pênaltis.

A maneira como o Deportivo Riestra conquistou a vitória não parece mero acaso. Nahuel Benítez abriu o placar justamente em uma cobrança de pênalti aos 12 minutos, embora a falta não tenha sido cometida tão no limite da área. Ainda no primeiro tempo, Mauro Ortíz ampliou com um tiro rasante de média distância. E, apesar da pressão intensa do Comunicaciones na etapa complementar, o Riestra segurou a vantagem até a confusão aos 44 minutos do segundo tempo. Um suposto torcedor invadiu o campo e começou a encarar os jogadores visitantes. Ambas as equipes se estranharam, levando o árbitro a suspender o jogo decisivo.

A decisão da justiça desportiva argentina será anunciada nesta terça. Contudo, a culpa do Riestra se indica muito maior. Primeiro, porque quem invadiu o campo não foi um torcedor qualquer, e sim Leandro Freire, meio-campista dos anfitriões que não estava relacionado para o jogo. O atleta tentou arranjar uma desculpa, dizendo que entrou para “festejar com seus companheiros”, quando as imagens o contradizem. Além disso, é a terceira vez desde 2013 que uma invasão de campo impede o término de um jogo do Riestra valendo acesso. Aconteceu a mesmíssima coisa quando os alvinegros tentavam chegar à quarta divisão do Campeonato Argentino, embora na primeira vez não tenham conseguido a promoção.

Após a partida, os jogadores do Comunicaciones, revoltados, acusaram as falcatruas do Deportivo Riestra. “Durante a semana, eles nos ameaçaram de morte. Aumentaram as áreas para que cobrassem pênaltis e isso aconteceu. Em todo o segundo tempo, colocaram bolas velhas e murchas”, acusou Agustín Cattáneo, em suas redes sociais. E, segundo a imprensa argentina, a adulteração da área realmente aconteceu. O La Nación afirma que há indícios das marcas de cal que foram apagadas. As grandes áreas teriam cerca de 66 m² a mais. Através das imagens da televisão, também é possível perceber a distância bem maior que o comum entre a marca do pênalti e a meia-lua.

Fundado em 1931, o Deportivo Riestra vive uma ascensão marcante nos últimos anos. Caso fosse confirmado, este seria o terceiro acesso do clube desde 2014. O gerenciador do clube é Víctor Stinfale, empresário e advogado envolvido em várias controvérsias – acusado, inclusive, de acobertar o atentado à AMIA (que matou 85 pessoas em Buenos Aires) e de extorquir a viúva de Pablo Escobar. Ele também é amigo pessoal de Diego Maradona, que já comandou treinos e deu palestras ao Riestra. Neste domingo, o craque enviou um vídeo motivacional ao elenco, gravado nos Emirados Árabes, onde dirige o Al-Fujairah. Ao que parece, a ajuda do Pibe foi mínima, diante de tudo o que pode ter ocorrido para impulsionar os alvinegros.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo