AlemanhaBundesliga

Depois da demissão do técnico, Gladbach vai do péssimo início na Bundesliga à goleada

O Borussia Mönchengladbach iniciou a temporada em uma draga sem tamanho. Para quem tinha sido terceiro colocado na última temporada, apesar de algumas perdas pontuais no elenco, as expectativas eram grandes. No entanto, foram por água abaixo em pouquíssimo tempo. Os Potros perderam os cinco primeiros jogos na Bundesliga, além da estreia na fase de grupos da Champions. A derrota para o Dortmund na abertura do Campeonato Alemão era até compreensível. Mas não a goleada. E nem as derrotas para Mainz 05 e Werder Bremen, ou a sapatada dentro de casa diante do Hamburgo. A gota d’água veio no clássico contra o Colônia, no fim de semana. Novo tropeço, que culminou na demissão do técnico Lucien Favre. Para, magicamente, o Gladbach retomar os prumos batendo o Augsburg por 4 a 2.

A boa vitória no Borussia Park começou com um show do Borussia Mönchengladbach. A equipe marcou quatro gols em apenas 21 minutos, no início mais arrasador da Bundesliga neste século. Fabian Johnson, Granit Xhaka e Mahmoud Dahoud deixaram as suas marcas, mas nenhum tento foi mais bonito que o de Lars Stindl, em um lindo chute colocado, no ângulo. Diante do “apagão” dos bávaros, os alvinegros aproveitaram para balançar as redes três vezes entre os 17 e os 21. Em todas elas, o atacante Raffael se fez presente, decidindo a partida com três assistências.

VEJA TAMBÉM: Sete detalhes que tornam a façanha de Lewandowski ainda mais incrível

Depois disso, o Gladbach até pôde relaxar um pouco mais. Tomou dois gols no segundo tempo, ambos anotados por Paul Verhaegh, mas nada que atrapalhasse a sua redenção. O início arrasador valeu os três pontos, e isso já garante o alívio ao time. Por mais que a atuação não tenha sido satisfatória. Durante o segundo tempo, o Augsburg deu pressão sobre os alvinegros, longe de mostrar a consistência defensiva da temporada passada.

Olhando para o elenco, o Borussia Mönchengladbach não é tão inferior assim ao time que arrebentou na temporada passada. Perdeu nomes importantes, é claro, em especial Max Kruse e Christoph Kramer. Em contrapartida, também fez boas apostas no mercado, em especial Lars Stindl e Nico Schulz, além da contratação em definitivo de Thorgan Hazard. O problema é não repôs à altura para as carências e também sofreu com as lesões. Depois da pré-temporada, o embalo não se manteve e a solidez defensiva se perdeu. Patrick Herrmann, que estava voando, não voltou tão bem. Para um time conhecido por ser agressivo no ataque e dar poucos espaços aos adversários, os números são muito ruins. Mesmo com a vitória, são 14 gols sofridos em seis rodadas, além de apenas seis marcados.

VEJA TAMBÉM: Klopp voltou a Mainz e, das arquibancadas, vibrou pelo clube ao qual se dedicou por 18 anos

Assim, Lucien Favre se demitiu após quatro anos no Borussia Park. Deixou um legado imenso, salvando o clube de rebaixamento de maneira espetacular na temporada de estreia e, logo na sequência, o levando de volta à Champions League depois de 35 anos de ausência. Revelou bons nomes e reinventou a equipe mais de uma vez. Mas, entre idas e vindas, não conseguiu a estabilidade. Talvez, pesando até mesmo o desgaste interno com o elenco – ainda mais considerando o esforço nos minutos iniciais nesta quarta.

Provavelmente o Gladbach não voltará à Champions na próxima temporada, e já será um feito imenso se chegar às oitavas de final do torneio continental nos próximos meses. Entretanto, também não é time para ocupar a lanterna da Bundesliga. A vitória sobre o Augsburg levou os Potros à antepenúltima posição, superando Hannover 96 e Hoffenheim na tabela. Primeiro passo para a recuperação que ainda aguarda o substituto de Favre – até mesmo o nome do ídolo Jupp Heynckes chegou a ser especulado, ainda que o favorito neste momento seja Mirko Slomka. Para livrar os aurinegros do sufoco difícil de explicar destas primeiras rodadas.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo