Mainz 05: Inédito protagonismo

Por André Renato

Se é verdade que cada vez menos se imagina alguma surpresa nas ligas europeias, também é fato que a Bundesliga ainda reserva espaço para times menos cotados chamarem a atenção. O último caso famoso foi o do Hoffenheim, campeão do primeiro turno na temporada 2008/09. Mas, pelo começo da atual temporada, está virando o penúltimo.

A bola da vez é o Mainz 05. Com um incrível início de sete vitórias, a pequena equipe do sudeste alemão está a um triunfo de superar a maior série de vitórias consecutivas em início de temporada, que pertence ao Bayern de Munique (1995/96) e Kaiserslautern (2001/02).

Sempre que alguma surpresa aparece surgem as dúvidas: Já foi campeão? Qual sua melhor colocação? Quem são seus rivais? É o que a coluna tratará de responder.

Um pouco mais do Mainz

Mainz é a capital de Rheinland-Pfalz, um dos 16 estados alemães, com pouco menos de 200 mil habitantes. O clube é fruto de fusões: fundado em 16 de março de 1905 como 1. Mainzer Fussballclub Hassia 05, uniu-se ao FC Hassia-Hermania 07 em 1912, surgindo o 1. Fussballverein Mainz 05.

Em 1919, um ano após o fim da 1ª Guerra Mundial, fundiu-se ao Sportverein 08 Mainz, nascendo o 1. Mainzer Fussball- und Sportverein 05. A última fusão deu-se durante o Terceiro Reich, mais precisamente em 1938, onde surgiu o Reichsbahn SV Mainz 05. Após o fim da 2ª Guerra, em 1945, adotou o nome atual: 1. Fussball- und Sportverein Mainz 05.

Quarenta e um anos de espera

Por muitos anos o futebol alemão não teve uma liga nacional, e sim campeonatos regionais. Foi a partir de 1963, com a criação da Bundesliga, que passou a existir. O critério de classificação seria via torneios regionais, e o Mainz não conseguiu vaga na Oberliga Südwest, a Liga Sudeste. Foi o início de uma longa caminhada.

Nos 33 anos seguintes nunca chegou perto do acesso. Foi na temporada 1996/97 que esteve pela primeira vez próximo, terminando a segunda divisão em quarto lugar. A consolidação como equipe forte na 2. Bundesliga veio a partir de 2001/02, quando assumiu como treinador o jovem Jürgen Klopp, na época com 34 anos. Já na primeira temporada passou perto, terminando em quarto lugar, mesma situação na posterior, mas essa ainda mais doída: não subiu por um gol de saldo.

Mas a dor foi compensada em 2004: acesso à primeira divisão. Pelo saldo de gols.

Vaga europeia e rivalidades

Ao longo da história, o Mainz jogou apenas cinco anos na elite. Estreou em 8 de agosto de 2004, perdendo para o Stuttgart por 4 a 2. O resultado previa uma época difícil, mas conseguiu uma boa 11ª colocação. E mais do que isso: com a Bundesliga usando critério de fair-play para definir um classificado para a Copa da UEFA, os Die Nullfünfer conseguiram a vaga como a mais disciplinada do campeonato.

Com o sucesso da equipe, aumentaram duas rivalidades que só não eram grandes por conta do desencontro de divisões. A primeira delas com o Kaiserslautern, que também pertence ao estado de Rheinland-Pfalz, e a outra com o Eintracht Frankfurt, que apesar de pertencer a outro estado, tem sua cidade ainda mais próxima de Mainz.

Na Copa da UEFA, venceu o MIKA FC e o Keflavik IF, até parar no Sevilla, que viria a ser o campeão. Nessa temporada terminou novamente em 11º no Alemão, mas na seguinte, com o 16º lugar, voltou à segunda divisão.

Após novamente bater na trave na tentativa de acesso, terminando em quarto lugar na temporada da saída de Jürgen Klopp, o Mainz retornou em 2008/09 como vice-campeão da 2. Bundesliga, agora dirigido por Jorn Andersen, que após a conquista deixou o time. A solução foi repetida: apostar num treinador jovem.

Início da 'era Tuchel' e recorde igualado

Buscando repetir o mesmo sucesso que teve com Klopp no comando, a diretoria do Mainz resolveu apostar no desconhecido Thomas Tuchel, então com 37 anos, que trabalhava no time sub-19 e jamais havia treinado uma equipe principal. E a fórmula parece funcionar por lá: foi justamente a temporada onde conseguiram sua melhor posição final na Bundesliga, em 9º lugar.

À base de sucesso se juntaram Lewis Holtby e Sami Allagui que, ao lado de Ádám Szalai e André Schürrle, formam uma ofensiva extremamente jovem (21 anos de média) e agressiva – ainda não passaram uma partida sem marcar no mínimo dois gols. É a chave para o sucesso na temporada 2010/11, com recorde de vitórias consecutivas do Kaiserslautern e Bayern devidamente igualado.

A tentativa de estabelecer a nova marca tem data marcada: 16 de outubro, no Bruchwegstadion, diante do Hamburg. A pausa de duas semanas para jogos das Eliminatórias da Euro 2012 é prejudicial para uma equipe tão embalada, mas é melhor não duvidar de mais do Mainz.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo