AZ: Futebol de A a Z

Ajax, PSV, Ajax, PSV, Ajax e às vezes o Feyenoord. O futebol holandês está longe de ser um dos mais surpreendentes do planeta. Mas na atual temporada é bom ficar de olho, porque tem um time querendo quebrar a mesmice do campeonato local. E essa equipe atende pelo singelo nome de AZ.

O time da cidade de Alkmaar faz boa campanha no campeonato local – briga ponto a ponto com o PSV pelo título – e ainda sonha com a glória continental, já que está vivo nas oitavas-de-final da Copa UEFA. Curiosamente, o próprio AZ foi o último time a quebrar a hegemonia do trio Ajax/PSV/Feyenoord, conquistando o título holandês em 1981.

O time dos queijos

A cidade do AZ, Alkmaar, é conhecida como a capital dos queijos na Holanda. No verão, em todas as sextas-feiras, a cidade pára para festejar seu produto mais famoso. As ruas de Alkmaar são transformadas em verdadeiras lojas a céu aberto, com queijos e mais queijos expostos para comercialização. Holandeses e holandesas em trajes típicos dão um ar mais típico e turístico à festa.

O município é vizinho de Amsterdã e tem pouco mais de 100 mil habitantes – pouco, se comparado a Roterdã, com cerca de 1 milhão de habitantes, Amsterdã, com 740 mil moradores e Eindhoven, que tem 200 mil.

Bom começo

Essa cidade precisava de um time de futebol para se confirmar como um município importante na Holanda. Dois clubes buscavam o posto de ´time da cidade´: o Alkmaar 54 e o FC Zaanstrek. Mas eles estavam longe de se destacar no cenário do futebol holandês. Eram figuras carimbadas das divisões inferiores. A falta de conquistas e a fraca saúde financeira fizeram com que os dirigentes partissem para uma solução radical: fundir as agremiações em um time só, que seria o legítimo representante de Alkmaar. Nascia então, em 1967, o AZ 67. O simples nome do time trazia as iniciais das ´equipes-mães´ e uma referência ao ano de fundação, um costume tipicamente europeu. Então, em 1967/8, o AZ 67 partia para sua primeira temporada no futebol profissional. O time estrearia na Segundona do Holandês, herdando a vaga que Alkmaar 54 e Zaanstrek possuíam na competição.

E logo no primeiro campeonato o AZ 67 provou que não estava para brincadeira. Foi o vice-campeão na Segundona, ficando atrás somente do Holland Sport, e carimbando seu passaporte para a primeira divisão do campeonato holandês. A cidade de Alkmaar voltava para a Eredivisie depois de oito anos de ausência.

Depois da festa pelo primeiro acesso, o AZ 67 entrou em uma fase ´gangorra´. Permaneceu na primeira divisão até a temporada 1970/1, quando ficou em 17º e penúltimo lugar, sendo condenado ao rebaixamento para a Segundona. Mas logo na primeira temporada na Eerste divisie, conseguiu o segundo lugar e voltou para a elite do Holandês. Daí pra frente, começaria a melhor fase da história do clube.

Era de glórias

Chegou a década de 70, e os empresários de Alkmaar estavam realmente interessados em fazer com que a cidade tivesse um time em condições de lutar por títulos. O futebol no país era uma verdadeira febre – a Holanda vivia o melhor momento da sua história, com os vice-campeonatos mundiais em 1974 e 1978 e quatro títulos seguidos na Liga dos Campeões (um do Feyenoord, em 1970, e três do Ajax, entre 1971 e 1973). Era negócio, então, investir em um clube de futebol. E os mecenas foram os irmãos Klaas e Cees Molenaar, milionários de Alkmaar.

Com o dinheiro dos Molenaar, a equipe mostrava uma evolução gradativa ano a ano. De um eterno candidato ao rebaixamento, o AZ 67 passou a ser um dos concorrentes na luta pelo título. O terceiro lugar na temporada 1976/7, em que superou na tabela o gigante Feyenoord, garantiu ao AZ 67 a presença na Copa UEFa na temporada seguinte.

Mas mais do que a estréia na Europa, a temporada 1977/8 reservaria ao AZ 67 a primeira de suas glórias. Nem o mais fanático torcedor do time acreditaria que, em 5 de maio de 1978, o clube derrotaria o todo-poderoso Ajax em plena Amsterdã, na final da Copa da Holanda. Mas foi o que ocorreu. Com um gol de Van Rijnsoever, o AZ 67 e a cidade de Alkmaar comemoravam o primeiro título importante de suas histórias.

O título do AZ 67 foi uma das maiores zebras da Holanda até então. Mas mais que isso, deu ao clube de Alkmaar a capacidade de sonhar com vôos mais altos. Era possível, a partir daí, pensar na real possibilidade de fazer uma boa figura nas competições européias e até mesmo levantar o caneco do campeonato holandês.

Quando chegou a temporada 1980/1, os torcedores do AZ 67 sentiam como se estivessem vivendo em um sonho. O time voava baixo: nas primeiras dez partidas do campeonato holandês, dez vitórias, duas sendo sobre os gigantes PSV e Ajax. O título acabou vindo de maneira natural e até mesmo impressionante: o AZ 67 acabara perdendo só uma partida no campeonato, contra o próprio Ajax, quando o torneio já estava definido.

Para coroar a ´temporada de ouro´, o AZ 67 conquistaria ainda sua segunda Copa da Holanda vencendo o mesmo Ajax, por 3 a 1. E na Copa UEFA, por pouco não pinta uma ´tríplice coroa´: o time foi vice-campeão, perdendo para o inglês Ipswich na decisão.

A era de ouro do AZ 67 se confirmaria ainda na temporada seguinte, com o terceiro título da Copa da Holanda e o terceiro lugar no campeonato holandês.

Visitando o inferno

Porém, já diz o ditado que tudo que é bom dura pouco. Quando se fala de um time pequeno, isso vale mais ainda. E depois das quatro conquistas, o AZ 67 entrou em franca decadência. Os títulos desapareceram, e com eles toda a grandeza da equipe. O AZ voltou a fazer papel de coadjuvante, e o fato de mais destaque em sua história nessa época é a mudança do nome da equipe, que, em 1986, resolveu abandonar o 67 e passou a se chamar simplesmente AZ.

Com os maus resultados aparecendo a cada ano, não foi surpresa quando, na temporada 1987/8, ficou entre os últimos do Holandês e amargou o rebaixamento. Parecia o fim do AZ. A Segundona tornou-se uma constante na história do clube e o retorno à divisão principal do futebol holandês só aconteceria em 1996/7. Logo nessa primeira temporada o time voltou a cair, mas no ano posterior retornou – para ficar – à primeira divisão.

Scheringa, o novo paizão

O retorno à divisão principal a partir de 1998 foi definitivo. De lá pra cá, o AZ não mais esteve entre os piores da Holanda. E o principal motivo para esse sucesso foi a presença cada vez mais freqüente dos dólares do milionário Dirk Scheringa, que na década de 90 ´adotou´ a equipe.

O resultado da política de Scheringa foi um AZ que, se não chegou a ser excelente, pelo menos foi combativo. Não passou perto do rebaixamento e ainda conseguiu vagas nas copas européias.

Na atual temporada, o time tem todas as condições de levantar as taças do campeonato holandês e da Copa da UEFA. Mesmo que fique sem títulos, se conseguir uma vaga na próxima Liga dos Campeões já terá alcançado um feito extraordinário. O curioso é que, se figurar entre os maiores da Europa, o AZ terá que remodelar seu estádio ou jogar fora de Alkmaar, já que seu atual campo, o Alkmaarderhout, comporta apenas 8 mil torcedores. São reflexos de um time que pode estar mostrando resultados de grande, mas mantém ainda uma gostosa aura de time pequeno.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo