Olimpíadas

Grupo da morte: Seleção Feminina pega duas campeãs mundiais nas Olimpíadas

Brasil está no Grupo C das Olimpíadas com Espanha, Japão e o classificado entre Nigéria ou África do Sul na Data Fifa

O caminho da Seleção Feminina promete ser duro já na fase de grupos dos Jogos Olímpicos de Paris-2024. Nesta quarta-feira (20), foram sorteadas as três chaves da primeira etapa do futebol feminino na competição, e o Brasil terá logo de cara o confronto contra a Espanha, atual campeã da Copa do Mundo de 2023.

Além das seleções brasileira e espanhola, o Grupo C também conta Japão, vencedor da Copa Feminina de 2011, e o classificado entre Nigéria ou África do Sul, que será definido na Data Fifa de abril. Ou seja, este já pode ser considerado o “grupo da morte” do torneio. Os Jogos Olímpicos serão disputados entre os dias 25 de julho e 10 de agosto.

— Quando olhamos para o sorteio, percebemos que todos os grupos são muito competitivos e de alto nível, o que é uma característica das Olimpíadas. Analisando os nossos adversários e o desempenho atual, penso que caímos com as seleções mais fortes de cada pote, mas isso não vai influenciar quando a competição começar — afirmou o técnico Arthur Elias, que esteve presente na cerimônia, ao lado de seu auxiliar, Rodrigo Iglesias.

— Agora, com a definição dos grupos, podemos acelerar e qualificar nosso planejamento técnico e logístico. Além disso, seguiremos com a mesma mentalidade, avaliando as atletas da maneira mais ampla possível e aprimorando nossa performance até a torneio. Tenho convicção de que faremos uma Olimpíada com a retomada do futebol feminino brasileiro e que podemos fazer história — acrescentou o treinador.

Preparação para os Jogos Olímpicos

Na preparação para os Jogos Olímpicos, as brasileiras já tiveram alguns encontros de peso desde a chegada de Arthur Elias. O plano do técnico, que deixou o comando do Corinthians em setembro do ano passado, é ter um padrão de jogo mais “abrasileirado” e ofensivo. Desde o fim da última temporada, o foco da atual comissão da seleção brasileira tem sido em desenvolver essa mentalidade.

Inclusive, um dos cinco amistosos realizados entre outubro e dezembro de 2023, dois foram contra o Canadá — integrante do Grupo A dos Jogos Olímpicos — e dois foram diante do Japão, que está na mesma chave do Brasil. Apenas uma partida preparatória não foi contra possíveis adversárias da Olimpíada, contra a Nicarágua.

Neste ano, a canarinho também iniciou o ano com um torneio robusto, a Copa Ouro da Concacaf, da qual foi vice-campeã. Aliás, o formato de disputa da competição é bem semelhante ao que o Brasil irá experimentar nas Olimpíadas. Ao longo da campanha, o time venceu Porto Rico, Colômbia, Panamá, Argentina e México, e só perdeu a final, para os Estados Unidos, pelo placar mínimo.

— Durante esse período até aqui, nosso maior ganho está naquilo que as pessoas de fora do grupo não conseguem ver. Acredito que estamos criando um ambiente e mentalidade fundamental na forma de trabalhar, de se relacionar e, principalmente, de jogar, para a Seleção voltar a ter destaque nas competições internacionais — comentou Arthur.

No próximo mês, a Seleção também disputará a SheBelieves Cup, que reúne as seleções do Japão, Estados Unidos e Canadá.

Como será o formato de disputa em Paris-2024?

As 12 equipes participantes foram divididas em três grupos com quatro equipes cada. As duas melhores de cada chave e as duas seleções melhores terceiras colocadas estarão garantidas na fase mata-mata. Os times restantes disputarão quartas de final, semifinais, disputa por terceiro lugar e final. Todas as partidas serão realizadas em turno único.

A Seleção estreará nos Jogos Olímpicos no dia 25 de julho contra a Nigéria ou África do Sul, no Estádio de Bordeaux. Em seguida, as brasileiras vão enfrentar o Japão, no dia 28, no Parque dos Príncipes, em Paris. A última rodada será contra as atuais campeãs do mundo, no dia 31, também no Estádio de Bordeaux.

Confira os três grupos da primeira fase dos Jogos Olímpicos (Foto: Reprodução)
Foto de Livia Camillo

Livia Camillo

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário FIAM-FAAM, escreve sobre futebol há cinco anos e também fala sobre games e cultura pop por aí. Antes, passou por Terra, UOL, Riot Games Brasil e por agências de assessoria de imprensa e criação de conteúdo online.
Botão Voltar ao topo