Olimpíadas

Jogadores da seleção sul-africana testam positivo para COVID-19 na Vila Olímpica de Tóquio

Três casos positivos foram detectados e o elenco todo está em isolamento na preparação para Tóquio 2020; organizadores dizem que “há um plano” em caso de surto

A seleção sul-africana de futebol, que se prepara para a Olimpíada de Tóquio 2020, teve dois jogadores com testes positivos para COVID-19 e aumentou o temor por um surto na Vila Olímpica da capital japonesa. O vírus pode forçar muitos competidores a deixarem a Olimpíada, que começa na sexta-feira, 23.

LEIA TAMBÉM: Estes são os grupos dos torneios de futebol das Olimpíadas de Tóquio

O lateral direito Thabiso Monyane, do Orlando Pirates, e Kamohelo Mahlatsi, do Moroka Swallows, além do analista de vídeo Mario Masha, foram os três integrantes da delegação a testarem positivo para COVID-19. Todo o elenco está em quarentena, enquanto eles esperam pelos resultados de outros testes.

“Nós temos três casos positivos de COVID-19 na concentração aqui, dois jogadores e um membro da comissão técnica. Há testes diários. Masha e Monyane reportaram altas temperaturas e positivo em testes de saliva e então fizeram o teste nasal. E eles infelizmente testaram positivo para COVID-19. Mahlatsi é o mais recente jogador a passar pelo mesmo processo”, afirmou gerente do time, Maxolisi Sibam.

Seiko Hashimoto, presidente da Tóquio 2020, afirmou que “há um plano” para o caso de precisar reagir a um surto na Vila Olímpica. Neste domingo, o diretor executivo do COI, Christophe Dubi, afirmou que o risco de um surto na Vila Olímpica é “quase impossível”.

LEIA TAMBÉM: E se o futebol masculino nas Olimpíadas, ao invés de sub-23, virasse um torneio de masters?

“Testar é o modo de reduzir qualquer espalhamento. Quando nós temos um caso positivo, isso significa ação. Nós sabemos que não existe algo como risco zero, mas ao mesmo tempo a mistura e cruzamento de populações é muito limitado. Com todas as medidas que estão no lugar, nós mantivemos o risco a um nível absolutamente mínimo. O que nós fizemos desde que casos apareceram no aeroporto e na Vila Olímpica é garantir que eles sejam protegidos, testados e não ofereçam risco”, afirmou Dubi.

A maioria dos eventos em Tóquio será sem público, depois de um adiamento de um ano dos Jogos Olímpicos por causa da pandemia da COVID-19. Tóquio está, neste momento, em um estado de emergência. Os casos de infecção estão aumentando na capital japonesa, depois de passar da marca de mil casos por dia por quatro dias seguidos.

A atual média móvel de casos de COVID-19 no Japão como um todo é de 2.843 e 13 mortes. No sábado, o país teve 3.924 casos e 14 mortes. O Japão já aplicou mais de 66 milhões de doses, com 25 milhões de pessoas totalmente imunizadas. Isso significa 20,5% da população. Cerca de 32% da população já recebeu a primeira dose. Não é um dado que anima, em termos de permitir público. Ainda é um cenário muito arriscado para eventos que envolvem muitas pessoas.

A África do Sul estreia contra os anfitriões, o Japão, no dia 22 de julho. O time ainda enfrenta a França no dia 25 e o México no dia 28. O técnico David Notoane levou os 22 jogadores possíveis para Tóquio 2020, aproveitando o aumento de quatro vagas no elenco.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo