Olimpíadas

Austrália elimina Grã-Bretanha e Estados Unidos sobrevivem nos pênaltis contra a Holanda

Americanas irão enfrentar Canadá em clássico regional nas semifinais; Austrália terá pela frente a Suécia, que venceu o Japão com tranquilidade

O jogo mais esperado das quartas de final do torneio olímpico feminino em Tóquio 2020 era o duelo entre Estados Unidos e Holanda, repetição da final da Copa do Mundo de 2019. As holandesas vinham de um momento melhor, com um ataque avassalador, contra uma equipe americana que não conseguia brilhar, se classificando aos trancos e barrancos com uma derrota, uma vitória e um empate. Depois de um empate por 2 a 2 no tempo normal e na prorrogação, as americanas sobreviveram aos pênaltis e venceram por 4 a 2. Avançam às semifinais e terão a chance de brigar por medalha. As holandesas voltam para casa.

LEIA TAMBÉM: Faltou ao Brasil jogar mais e eliminação nos pênaltis diante do Canadá acaba com o sonho de medalha

A Holanda conseguiu sair em vantagem ainda no primeiro tempo, em mais um gol da artilheira Vivianne Miedema. Ele girou e bateu firme, no canto, para marcar 1 a 0, aos 18 minutos. Isso depois de ver as americanas terem um gol anulado e chutarem uma bola na trave.

Só que as americanas empataram e viraram ainda no primeiro tempo. Aos 28, Samantha Meis marcou o gol de empate e Lynn Williams virou aos 31. No começo do segundo tempo, Vivianne Miedema novamente marcou o gol de empate em 2 a 2. Aos 35 minutos do segundo tempo, as holandesas tiveram a bola do jogo, em um pênalti. Lieke Martens foi para a cobrança e viu a goleira Alyssa Naeher defender. Com isso, as americanas ganharam moral e melhoraram.

As americanas melhoraram na prorrogação. Foram dois gols anulados do time americano, que de fato estavam impedidas nos gols e acabaram perdendo a chance de decidirem com a bola rolando. A decisão seria mesmo nos pênaltis.

As holandesas começaram batendo e logo de cara desperdiçaram. Vivianne Miedema, que tinha feito dois gols no jogo, teve a sua cobrança defendida pela goleira Alyssa Naeher. Rose Lavelle marcou para os Estados Unidos e Dominique Janssen foi precisa para empatar. Alex MArgan marcou o segundo americano e Stefanie Van der Gragt empatou. Christen Press marcou o terceiro das americanas. Aniek Nouwen, porém, desperdiçou a sua cobrança, novamente defendida por Alyssa Naeher. Megan Rapinoe fechou a série com uma cobrança perfeita.

Foi o último jogo da técnica Sarina Wiegman no comando da Holanda. Ela vai assumir a seleção inglesa. Os Estados Unidos seguem em frente e vão enfrentar o Canadá na semifinal, que venceu o Brasil também nos pênaltis, no próximo dia 2 de agosto, segunda-feira, às 5h (horário de Brasília) no Kashima Stadium, em Kashima.

Britânicas dão adeus

Uma das surpresas foi a eliminação da Grã-Bretanha. Formado pela base da seleção inglesa, o time foi bem na primeira fase e era esperado que brigasse por medalha. Diante da Austrália, porém, o time sofreu, ficou no empate por 2 a 2 no tempo normal e teve que decidir na prorrogação. No tempo extra, tomou dois gols, descontou um, mas perdeu por 4 a 3. Destaque para a atuação de Ellen White, que fez os três gols das inglesas.

Tudo começou com um gol de Alanna Kennedy, aos 35 minutos, para abrir o placar. O empate britânico veio apenas no segundo tempo, com Ellen White, aos 12. Aos 21, ela virou o jogo para 2 a 1. Aos 44 minutos, Samantha Kerr empatou e levou o time para prorrogação no placar de 2 a 2.

Foi na prorrogação que as britânicas perderam uma chance de ouro de marcar. Caroline Weir desperdiçou um pênalti, defendido pela goleira Teagan Micah. Pior ainda que no minuto seguinte, tomou o terceiro com Mary Fowler. Com um minuto da segunda etapa da prorrogação, Kerr marcou novamente. Ellen White ainda conseguiu descontar, aos 10 minutos do segundo tempo da prorrogação, mas ficou nisso. Austrália 4×3 Grã-Bretanha.

As australianas seguem em frente. As britânicas novamente desmancham o time, sem saber se voltarão a se reunir. No esporte olímpico, o Reino Unido compete por uma só bandeira, o que é um problema para o futebol, já que os britânicos se dividem em Inglaterra, Escócia, Gales e Irlanda do Norte.

Suécia confirma favoritismo contra o Japão

A Suécia desde o começo da Olimpíada tem sido um time que brilha. Diante do Japão, as suecas confirmaram o favoritismo e venceram por 3 a 1. Magdalena Eriksson marcou o primeiro aos sete minutos e as japonesas empataram aos 23 com Mina Tanaka. No segundo tempo, Stina Blackstenius marcou o segundo gol, aos oito minutos. Por fim, Kosovare Asllani marcou o terceiro gol e fechou o placar em 3 a 1.

Nas semifinais, a Suécia enfrenta a Austrália no dia 2 de agosto, segunda-feira, às 8h. A partida será no International Stadium Yokohama. A decisão do bronze será no  dia 5, quinta-feira, enquanto o ouro será disputado na sexta, no Estádio Nacional de Tóquio.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo