Mundo

‘Punições severas’: presidente da Fifa sobe o tom ao comentar caso de Lucas Paquetá

Perguntado sobre caso do brasileiro, Gianni Infantino é enfático nas declarações e reforça proibição

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, teceu críticas ferrenhas a jogadores envolvidos em apostas esportivas.

Neste sábado (15), durante inauguração de um mural em homenagem a Pelé, em Paris, o mandatário foi perguntado sobre as acusações contra Lucas Paquetá, meio-campista da Seleção Brasileira e do West Ham.

Infantino optou por não citar nomes, mas deixou claro sua postura contrária a tal prática. Firme nas declarações, o presidente disse que os infratores devem ser “severamente punidos”.

Os jogadores sabem: não se deve apostar, obviamente. No futebol, no rúgbi, qualquer esporte. Quando acontece alguma coisa, há obviamente investigações e são tomadas decisões muito sérias, muito intransigentes no que diz respeito às apostas. E o futebol, em todos os níveis, inclusive no amador. Sem falar de casos concretos, os jogadores considerados culpados devem ser severamente punidos — disse Gianni Infantino.

Paquetá recebe cartão amarelo após falta em jogo do West Ham (Foto: Icon sport)

Casos recentes

Recentemente, jogadores que atuam na Inglaterra e na Itália receberam punições pesadas por prática de apostas esportivas. Ivan Toney, do Brentford, Sandro Tonali, do Newcastle, e Nicolò Fagioli, da Juventus, são exemplos disso.

Veja alguns casos de suspensão a jogadores por participação ilegal em apostas esportivas:

Sandro Tonali — 10 meses de suspensão + suspensão condicional de dois meses
Ivan Toney — oito meses de suspensão
Bradley Wood — seis anos de suspensão
Wayne Shaw — dois meses de suspensão
Nicolò Fagioli — sete meses de suspensão
Daniel Sturridge — quatro meses de suspensão
Kieran Trippier — 10 semanas de suspensão

— Se alguém cometeu um ato contrário às regras desportivas, é óbvio que haverá sanções. Agora, cada situação é diferente, não deve ser banalizada e julgada em conformidade — concluiu Infantino.

Suspenso por oito meses, Ivan Toney ficou afastado dos gramados de maio de 2023 a janeiro de 2024 (Foto: Icon Sport)

O que acontecerá com Paquetá?

Lucas Paquetá foi denunciado pela Federação Inglesa de Futebol (FA) no dia 23 de maio. Na acusação, a entidade cita quatro lances em que o meia esteve envolvido.

O jogador do West Ham teria forçado cartões amarelos em quatro partidas da Premier League, entre novembro de 2022 e agosto de 2023.

Os jogos investigados do West Ham são: x Leicester City, em 12 de novembro de 2022; x Aston Villa, em 12 de março de 2023; x Leeds United, em 21 de maio de 2023; e x Bournemouth, em 12 de agosto de 2023.

— Alega-se que ele (Paquetá) procurou diretamente influenciar o progresso, a conduta ou qualquer outro aspecto ou ocorrência nessas partidas, buscando intencionalmente receber um cartão do árbitro com o propósito impróprio de afetar o mercado de apostas para que uma ou mais pessoas lucrem com as apostas — disse a FA em comunicado.

O caso de Paquetá é grave, e o meia pode, inclusive, ser banido do futebol. Ao menos, é essa a recomendação da FA se ele for considerado culpado.

Uma vez culpado e banido, a FA pode solicitar a internacionalização da decisão à Fifa. Assim, a pena seria aplicada em outros países, e Paquetá também ficaria proibido de atuar no futebol brasileiro, por exemplo.

Enquanto não é julgado, o meia segue concentrado com a seleção, que acerta os últimos preparativos antes da estreia na Copa América.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Jornalista pela UNESA, nascido e criado no Rio de Janeiro. Cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na Trivela, é redator e escreve sobre futebol brasileiro e internacional.
Botão Voltar ao topo