Mundo

IFAB deve tornar cinco substituições uma opção permanente em março

Reunião marcada para o dia 3 de março deve tornar a regra de cinco substituições uma opção permanente, mas não obrigatória

As cinco substituições foram uma medida para a pandemia de COVID-19, mas deve se tornar uma opção permanente a partir de março. A International Football Association Board (IFAB) fará uma reunião geral, ainda virtualmente, e deve aprovar essa mudança, segundo informa a Sky Sports, e que é opcional para as ligas e competições.

As cinco substituições inicialmente foram introduzidas como medida de emergência em março e foi estendida. A Premier League, por exemplo, decidiu por não seguir assim e só usa três substituições desde a última temporada. A medida das cinco substituições só foi usada nos jogos adiados da primeira onda da pandemia, no fim da temporada 2019/20.

A mudança da regra 3 vai permitir que as ligas e campeonatos escolham se querem usar cinco substituições ou não. Até então, a medida, temporária, tinha data de validade, mas deve deixar de ter.

É pauta da reunião também discutir o texto da regra do impedimento, ainda que, segundo a Sky Sports, seja improvável que haja uma mudança neste momento. O chefe de arbitragem da Uefa, Roberto Rosetti, sugeriu que haja uma mudança no texto da regra por causa do gol de Kylian Mbappé, da França, na final da Liga das Nações. Só que ali o problema foi de interpretação da regra dos árbitros, mais do que do texto em si.

A reunião também terá atualizações sobre os testes de um texto alternativo da regra do impedimento, que é defendida pelo chefe de desenvolvimento global do futebol na Fifa, Arsène Wenger. A ideia do ex-treinador do Arsenal é que o jogador que ataque seja considerado em posição legal caso qualquer parte do seu corpo esteja na mesma linha do penúltimo defensor.

Ainda que a ideia de Wenger seja bem intencionada, criaria um outro problema: se hoje os impedimentos milimétricos incomodam por jogadores pouco se beneficiarem da posição irregular, a mudança inverteria o problema: jogadores que claramente se beneficiem da sua posição à frente sejam considerados em posição legal por estarem com um pedaço milimétrico na mesma linha do penúltimo defensor.

Havia a ideia de Wenger de testar essa mudança na China, mas a pandemia impediu que os testes tenham sido realizados. Haverá também uma atualização da Fifa sobre os testes com o impedimento semiautomático, que foi usado na Copa Árabe e também está em uso no Mundial de Clubes. Na reunião, será decidido se o sistema será usado na Copa do Mundo do Catar, como a Fifa defende.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo