Mundo

A trilha do escândalo da Fifa chega em Valcke e nunca esteve tão próxima de Blatter

O dinheiro chegou em Jérôme Valcke. De acordo com o New York Times, as autoridades federais dos Estados Unidos consideram que o secretário-geral da Fifa e braço direito de Joseph Blatter foi o “dirigente de alto escalão” que autorizou o pagamento de US$ 10 milhões a Jack Warner pelo apoio à candidatura da África do Sul a ser sede da Copa do Mundo de 2010. É a primeira vez que a investigação chega tão próxima do presidente reeleito na última sexta-feira.

LEIA MAIS: Até Copa do Mundo clandestina está na pauta da Uefa para se distanciar da Fifa

Valcke respondeu que não autorizou o pagamento e nem tinha poder para fazer isso, mas a investigação afirma que o “dirigente de alto escalão causou” a transferência de dinheiro, aprovada pelo chefe do comitê financeiro da época Julio Grondona. Segundo o mesmo documento, a porta-voz da Fifa, Delia Fischer, disse que o depósito foi realizado de acordo com os Regulamentos da Organização, e eles dizem que a função do secretário-geral, no caso Valcke, é manter as contas da entidade e autorizar as transações.

Danny Jordaan, presidente da candidatura sul-africana e do Comitê Organizador Local, confirmou a transferência de US$ 10 milhões para a Concacaf, em 2008, mas negou que tenha sido suborno em troca de votos. Disse que queria apenas ajudar a desenvolver o futebol da região, com muitos países cheios de descendentes africanos. “Como eu pagaria propina por votos quatro anos depois de ganhar a candidatura?”, questionou em entrevista ao jornal Sunday Independent.

Warner votou a favor da África do Sul, mas, segundo o relatório do FBI, o país não teve dinheiro para pagar o que havia prometido. Por isso, a própria Fifa executou esse pagamento e descontou da quantia que destinaria ao país africano pela organização da Copa do Mundo.

Valcke não está identificado como “co-conspirador” na acusação do FBI, que também não diz que ele transferiu o dinheiro sabendo que era destinado a subornos. Mas a entrada no jogo do dirigente da Fifa mais próximo possível a Blatter reforça os questionamentos sobre o quanto ele sabia. Basta um degrau para chegar a ele.

E não espanta que Valcke tenha desistido de comparecer à abertura da Copa do Mundo de futebol feminino no Canadá. Próximo demais dos Estados Unidos.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo