O está na semifinal do Mundial de Clubes, após eliminar o , o campeão do Catar e anfitrião do torneio. Os campeões africanos mostraram ser melhores em campo, tecnicamente e coletivamente, mas a vitória foi pelo placar mínimo, 1 a 0, em um jogo que embora tenha sido melhor, deixou o placar aberto até o final. Na sua sexta participação, o time egípcio vai enfrentar o Bayern de Munique na próxima segunda-feira para tentar uma grande zebra contra os campeões europeus.

LEIA MAIS:
Al Ahly: um dos mais tradicionais participantes do Mundial está de volta, motivado pelo épico título na Champions
Al Duhail: a potência endinheirada do Catar tenta agora mostrar sua força no cenário internacional

A superioridade do Al Ahly ficou clara no primeiro tempo, quando os africanos jogaram pressionando o adversário no campo de ataque. No segundo tempo, com um ritmo muito menor, deixou o time da casa crescer no jogo e o resultado se tornou perigoso. Os catarianos poderiam ter empatado, ainda que sem muito brilho e sem envolver o adversário.

Depois daqueles minutos iniciais em que os dois times jogam com uma certa cautela, o desenvolvimento da partida mostrou o Al Ahly melhor. O time egípcio chegava mais ao ataque, com mais perigo. O ritmo do jogo, porém, era baixo. Os campeões africanos tentaram se impor, tinham a bola a maior parte do tempo, e era quem criava as chances. Os catarianos erravam muitos passes, o que complicava demais para tentar ameaçar ao menos em contra-ataques.

O gol saiu de uma marcação apertada do Al Ahly na saída de bola. Walter Bwalya tomou a bola, depois de um passe na fogueira, mas foi quem tomou a bola do companheiro e, de fora da área, chutou no canto, sem chance de defesa para o goleiro Salah Zakaria, aos 30 minutos.

No fim do primeiro tempo, aos 40 minutos, poderia ter feito 2 a 0 no placar depois de aproveitar mais um passe ruim do Al Duhail. Bwalya foi lançado nas costas da defesa, avançou com a bola, em posição duvidosa, e marcou. O VAR revistou o lance e constatou impedimento.

O Al Duhail melhorou no segundo tempo, aproveitando que o Al Ahly reduziu o ritmo, aparentemente para se poupar. O time do Catar aproximou seus jogadores mais habilidosos, Dudu e Edmilson, centralizando o primeiro e abrindo o segundo pelo lado esquerdo. Criou ao menos duas grandes chances para empatar o jogo, mas desperdiçou.

Com o passar dos minutos, o Al Duhail ganhou confiança e terreno em campo: passou a habitar o campo de ataque, deixando o Al Ahly acuado. Por vezes os egípcios não conseguiram sair jogando e nem manter a posse de bola como faziam no primeiro tempo. Eram pressionados e o time catariano, mesmo sem criar grandes chances, rondava a área em busca de uma oportunidade. Uma situação perigosa para os campeões africanos.

Nos minutos finais, o Al Duhail acreditava no empate, buscava o gol, mas sem conseguir ameaçar devidamente. O Al Ahly conseguia trabalhar a bola quando ia ao ataque, mas fez pouco isso no segundo tempo. Com o apito final, os africanos comemoraram muito. Estão na semifinal. Daí em diante, o que vier será lucro.