México

Quem dá bola é o Santos

Cinco jogos, cinco vitórias, dez gols feitos e apenas três sofridos. Os números já atestam a impressionante campanha do Santos Laguna no início do Apertura, mas a liderança isolada com 100% de aproveitamento se torna ainda mais significativa quando se percebe que os guerreros tiveram uma tabela complicadíssima, com jogos fora de casa na altitude de Toluca e Pachuca e ainda contra os candidatos ao título Cruz Azul e Chivas de Guadalajara.

O principal motivo desse excepcional início de campanha lagunar é psicológico. Para o Clausura 2007 (disputado no primeiro semestre), o clube investiu pesado em contratações, casos do goleiro Oswaldo Sánchez, titular da seleção mexicana, o meia argentino Ludueña e o atacante Vuoso, esses dois últimos argentinos. O objetivo era fugir do rebaixamento, que perigava aparecer em Torreón pela média de pontos baixa do clube nos campeonatos anteriores.

No papel, era uma boa equipe, mas a pressão para tirar o atraso dos concorrentes na fuga do rebaixamento atrapalhou demais o desempenho dos jogadores. Apenas na reta final da primeira fase que os guerreros se soltaram e começaram a vencer. O rebaixamento só foi deixado para trás na última rodada, que ainda trouxe a classificação para a Liguilla. No mata-mata, o Santos cresceu, passou pelo Jaguares de Chiapas e só caiu para o campeão Pachuca. Ainda assim, com dois empates.

Esse final de temporada 2006/7 deu confiança aos verdiblancos, até porque o rebaixamento é uma ameaça menos atemorizante. Com isso, a torcida – considerada uma das mais fanáticas do México – passou a empurrar e o desempenho geral do time cresceu.

Na defesa, Sánchez tem sido uma barreira no gol, mas o quarteto diante de si – Estrada, Rafael Figueroa, Fernando Ortíz e Edgar Castillo – está mais experiente e confiável. Os volantes – Francisco Torres e Juan Pablo Rodríguez – também despertam desconfiança no geral, mas vivem grande momento. Ludueña e Walter Jiménez formam uma dupla insinuante na armação e Vuoso voltou a ser um atacante perigoso.

A essa base ainda deve-se destacar o atacante Christian Benítez. Recém-chegado do El Nacional, o equatoriano encaixou perfeitamente no sistema de jogo de Daniel Guzmán. Rápido e habilidoso, forma um bom complemento para o corpulento Vuoso. Juntos, a dupla tem a média de um gol por jogo.

Ainda é cedo demais para dizer onde o Santos Laguna chegará. Mas não se pode negar que o time vive uma grande fase, com resultados e futebol consistentes e convincentes (ainda que o Pachuca tenha jogado com uma equipe mista contra os guerreros). O suficiente para colocar o time verdiblanco na lista de possíveis surpresas do campeonato.

Pachuca ganha mais uma
Desde que foi anunciada a SuperLiga, torneio entre quatro clubes do México e quatro dos Estados Unidos, ficou a dúvida: prevaleceria a maior capacidade técnica dos mexicanos ou o fato de os norte-americanos jogarem em casa e em melhores condições físicas. Na primeira fase, os estadunidenses venceram. Entre os quatro semifinalistas, havia um mexicano (Pachuca), contra três norte-americanos (Houston Dynamo, Los Angeles Galaxy e DC United).

Ficou evidente como os outros três mexicanos – América, Chivas e Morelia – sentiram demais o fato de jogarem em um país estrangeiro (todos os jogos foram nos Estados Unidos) e de estarem em início de temporada. Nem a torcida a favor em várias partidas compensou, até porque o nível técnico da MLS não é tão inferior ao do Campeonato Mexicano e qualquer vantagem estratégica seria importante. Assim, os times norte-americanos – que estão no meio da temporada – mostraram um futebol mais competitivo e conseguiram se sobressair.

O fato de o Pachuca ser o único mexicano bem sucedido não é coincidência. Desde 2006, a equipe conta com uma base solidíssima, com um jogo coletivo bem característico e que não se perdeu depois de um mês de férias. No final das contas, essas qualidades fizeram que os tuzos conseguissem salvar a honra mexicana e levar a primeira SuperLiga para o lado sul da fronteira.

A decisão contra o LA Galaxy foi equilibrada, com as duas equipes deixando de lado a cadência para usar um futebol mais emocional do que racional. Em um raro lance coletivo – sua característica principal –, o Pachuca abriu o marcador. Giménez chegou à linha de fundo depois de longa tabela e cruzou para a área. O meia norte-americano Vagenas, tentando interceptar a jogada, acabou desviando para dentro do gol californiano.

Ainda no primeiro tempo, o Galaxy perdeu Beckham, que se contundiu após dividida com Salazar. No entanto, o time norte-americano teve forças para pressionar em busca do empate. Calero fez grandes defesas e manteve o Pachuca em vantagem até o 45º minuto do segundo tempo. Justamente no último lance da partida, os californianos conseguiram a igualdade. Após uma confusão na área, com bola no travessão e zagueiro salvando, Klein arriscou-se em uma bela bicicleta e teve sucesso.

Na prorrogação, o Pachuca sentiu o cansaço e tentou administrar o melhor futebol do LA Galaxy. Como os norte-americanos também não estavam com o mesmo ímpeto, o jogo seguiu com naturalidade para os pênaltis. Aí, a maior experiência em decisões do Pachuca (que conquistou a Copa dos Campeões da Concacaf desse modo) prevaleceu. Mesmo com os erros de Caballero e Cabrera, Calero defendeu as cobranças de Vagenas e Donovan e manteve a igualdade. Até que o português Abel Xavier chutou a sétima cobrança norte-americana para fora e deu o título o tuzos. O terceiro em 2007.

Orteman processado
Reserva do Boca Juniors e sem espaço na seleção uruguaia, o meia Sergio Orteman não é exatamente uma grande estrela do futebol latino-americano. Ainda assim, tem algum destaque e pode ser lembrado pelos brasileiros por ser uma das principais figuras do Olimpia campeão da Copa Libertadores de 2002. Pois, agora, ele volta aos noticiários.

Em julho de 2004, Orteman deixou o Olimpia para defender o Independiente. No entanto, o clube paraguaio alega não ter aprovado a transferência. Pior, o meia teria deixado o Paraguai logo após receber os US$ 66 mil que faltavam de sua transferência do Central Español ao Olimpia em 2002. Desse modo, o dirigente Osvaldo Dominguez Dibb entrou na Justiça pedindo compensação por parte do atleta ou da equipe argentina.

Os franjeados apresentaram ao Ministério Público paraguaio documentos comprovando o pagamento de salários regulares durante os dois anos em que Orteman ficou no clube. No entanto, não havia contrato entre as partes, o que deixaria o meia livre para negociar com outro clube (afinal, não havia prazo para o término do vínculo nem multa rescisória).

Os advogados de Orteman também argumentam que, na época, a Fifa permitiu a ida do jogador a Avellaneda diante do impasse. Há audiência prevista para esta semana, mas o Ministério Público do Paraguai tem até 31 de janeiro de 2008 para concluir sua investigação.

CURTAS

COPA SUL-AMERICANA
– Resultados da última semana: Colo-Colo 0x0 Audax Italiano (jogo de ida), Atlético Nacional 1×0 Universitario (2×0 no placar somado) e Tacuary 1×1 Defensor Sporting (jogo de ida).

– O Atlético Nacional se classificou para pegar o Millonarios na decisão do Grupo C.

BOLÍVIA
– Um acerto da federação boliviana com o governo do país fará que todo o país possa ver os jogos de La Máquina Verde por TV aberta, menos a cidade em que as partidas se realizarão. No caso, La Paz.

CHILE
– Depois da derrota para o Cobresal na quarta rodada, o Colo-Colo perdeu o aproveitamento de 100% e entrou em má fase. Já são três empates seguidos, que levaram o Cacique à quinta posição no Clausura, com 12 pontos. O líder é o Audax Italiano, com 17.

– A tradicional Unión Española é lanterna, com apenas dois pontos em sete jogos.

COLÔMBIA
– Oito primeiros no Finalización após seis rodadas: 1) Tolima, 15 pontos; 2) Atlético Nacional e La Equidad, 14; 4) Once Caldas, 12; 5) Deportivo Pasto, 11; 6) Quindío e América de Cáli, 10; 8) Atlético Junior, 9.

– Neste sábado, será disputado o clássico América de Cáli x Deportivo Cali.

– Veja os convocados da Colômbia para os amistoso contra Peru e Paraguai em 8 e 12 de setembro: goleiros: Julio (Tolima) e Róbinson Zapata (Steaua Bucareste/ROM); defensores: Bustos (Grêmio/BRA), Mosquera (Sevilla/ESP), Cristián Zapata (Udinese/ITA), Vallejo (Tolima), Arizala (Tolima), Vélez (Atlético Nacional) e Amaranto Perea (Atlético de Madrid/ESP); meio-campistas: Guarín (Saint-Etienne/FRA), Amaya (Atlético Nacional), Anchico (Tolima), Castrillón (Independiente Medellín), Giovanni Hernández (Colo-Colo/CHI), Torres (Cúcuta) e Charráa (Tolima); atacantes: Preciado (Independiente Santa Fe), Rentería (Strasbourg/FRA), Dairo Moreno (Once Caldas), Falcao García (River Plate/ARG) e Chitiva (Pachuca/MEX).

EQUADOR
– Os grandes continuam dominando a segunda etapa do campeonato. Barcelona de Guaiaquil lidera com 20 pontos, seguido por LDU Quito e El Nacional, ambos com 18.

MÉXICO
– A derrota para o Santos Laguna quebrou a invencibilidade de 28 jogos do Pachuca em casa pelo Campeonato Mexicano.

– Além do Santos Laguna, vale destacar o surpreendente Atlante, de nova casa e novo ânimo. Os Potros de Hierro estão na vice-liderança, com 11 pontos em cinco jogos. Atlante e Santos são os únicos invictos do Apertura.

– Veja a lista de convocados de Hugo Sánchez para o amistoso do México contra Panamá e Brasil em 9 e 13 de setembro: goleiros: Ochoa (América), Míchel (Chivas de Guadalajara), Blanco (Pachuca) e Arias (Dorados de Culiacán); defensores: Esparza (Chivas), Israel Castro (Pumas de la Unam), Julio César Dominguez (Cruz Azul), Mejía (Chivas), Magallón (Chivas), Héctor Moreno (Pumas), Aldrete (Morelia), Pinto (Pachuca) e Salcido (PSV/HOL); meio-campistas: Cerda (Tigres da la UANL), Daniel Guerrero (Atlante), Correa (Pachuca), Araújo (Chivas), Torrado (Cruz Azul), Gerardo Rodríguez (Pachuca), Edgar Castillo (Santos Laguna), Fernando Arce (Morelia) e Guardado (Deportivo de La Coruña/ESP); atacantes: Landín (Morelia), Nery Castillo (Shakhtar/UCR), Dos Santos (Barcelona/ESP), Villaluz (Cruz Azul), Vela (Osasuna/ESP), Mosqueda (América) e Cacho (Pachuca).

PARAGUAI
– Depois do título no Apertura, o Sportivo Luqueño vendeu seus melhores jogadores e uma queda de rendimento era esperada. Mas o Kure exagerou. Está em penúltimo após cinco rodadas, com apenas 4 pontos. O líder é o Libertad, com 13, seguido pelo Cerro Porteño, com 10.

PERU
– Em último lugar no Clausura, o Alianza Lima trocou de técnico. Saiu o uruguaio Diego Aguirre (como jogador, ex-Internacional e São Paulo) e chegou o chileno Miguel Ángel Arrué.

URUGUAI
– O River Plate é o surpreendente líder do Apertura após duas rodadas. No último fim-de-semana, fez um extravagante 6 a 3 no Peñarol.

VENEZUELA
– Foi disputada a primeira fase da recém-recriada Copa da Venezuela. Veja os resultados: Atlético Piar 2×2 América (4×3 Atlético nos pênaltis), Orinoco 1×3 Minervén, UCV de Aragua 2×3 UCV de Caracas Deportivo Barinas 0x4 Atlético Turén, Yaracuyanos 2×1 Policía de Lara, Cenfemanaca 0x2 Atlético Trujillo e Atlético Falcón 0x2 Zulia. Os vencedores se classificaram para a segunda fase.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo