México

MÉXICO: Balanço do Apertura – parte 2

Na segunda e última parte, a coluna fará uma análise do desempenho dos times mexicanos no último Apertura e o que esperar dos mesmos no torneio que encerra a temporada no país. Confira os times que ficaram sem vaga nos playoffs e a maior parte dos ameaçados pelo descenso.

San Luis
Apertura 2011:
10º colocado com 24 pontos (6V, 6E, 5D, 23GP, 20GC)
Destaques: Wilmer Aguirre, Macnelly Torres e Alfredo Moreno
Objetivo no Clausura 2011: vaga na Liguilla
Palpite da coluna: obtém vaga na Liguilla

Para um time em franco crescimento e que busca estabelecer-se entre os maiores do futebol azteca, os Auriazules não podem reclamar do desempenho no último Apertura. Oscilando muito durante a primeira fase, os Tuneros ficaram próximos da vaga durante boa parte da competição, mas nem mesmo a sonora goleada sobre o Toluca na rodada final bastou para compensar os empates cedidos nos minutos finais contra Atlante e Cruz Azul. Para 2012, o objetivo continua sendo a vaga na Liguilla e para isso os Gladiadores contam com a permanência do sempre constante peruano Aguirre e do artilheiro argentino Moreno. A baixa mais sentida deverá ser a do maestro do meio-campo Macnelly Torres, que acertou seu retorno ao Atlético Nacional (COL). Nas primeiras duas rodadas, contudo, duas vitórias.

Monterrey
Apertura 2011:
11º colocado com 24 pontos (7V, 3E, 7D, 27GP, 26GC)
Destaques: Neri Cardozo, Humberto Suazo e César Delgado
Objetivo no Clausura 2011: título
Palpite da coluna: obtém vaga na Liguilla

Um elenco forte, vencedor, um técnico há muito no comando e com o comando do grupo. Com todos esses elementos, os Rayados esperavam fazer bonito e manter o status de time mais vencedor no futebol azteca nos últimos anos. A lesão de algumas peças-chave e a má fase de outros, aliadas a algumas doses de má sorte, contudo, deram à Pandilla uma irregularidade inesperada, que numa vergonhosa goleada sofrida para o Pachuca na penúltima rodada, que eliminou o Coloso del Norte do Apertura. Pior que isso, o Monterrey viu o maior rival levar o caneco e ainda caiu logo nas quartas do Mundial de Clubes, perdendo nos pênaltis para o Kashima (JAP). Assustada, a diretoria se movimentou e trouxe o bom atacante Angel Reyna do América, além de descartar a transferência do artilheiro Suazo, com boas propostas de times europeus e sul-americanos. O objetivo é retomar o domínio de conquistas, mas dessa vez os rivais parecem mais fortes e preparados.

Puebla
Apertura 2011: 12º colocado com 22 pontos (6V, 4E, 7D, 26GP, 29GC)
Destaques: Luis Garcia e Lucas Silva
Objetivo no Clausura 2011: vaga na Liguilla
Palpite da coluna: briga pela Liguilla

A chegada do espanhol Luis Garcia e do norte-americano DaMarcus Beasley foram grandes sacadas da diretoria Franja, principalmente pelo rendimento do primeiro. O problema é que essa mesma diretoria conseguiu a proeza de vender o bom atacante colombiano Riascos em dezembro para o Tijuana. Os camoteros até tiveram chance de brigar por vaga nos playoffs, mas a eficiência do setor ofensivo não foi acompanhada pela retaguarda, e as derrotas deixaram o time longe da vaga. Para o Clausura, espera-se um melhor rendimento dos nomes mais experientes da equipe. O rebaixamento não é ameaça imediata, mas a vaga na Liguilla ainda depende do conjunto render o mesmo que Garcia para o time dar liga. O que só deve ocorrer mesmo na próxima temporada.

Toluca
Apertura 2011: 13º colocado com 20 pontos (4V, 8E, 5D, 19GP, 27GC)
Destaques: Iván Alonso
Objetivo no Clausura 2011: vaga na Liguilla
Palpite da coluna: fica fora da Liguilla

Ironia do destino, o pior ataque do campeonato fez o artilheiro da competição. E fica claro pelo desempenho da equipe Escarlata no Apertura que o fato deu-se muito mais pela excelente fase do experiente  atacante uruguaio Alonso (autor de quase 60% dos gols do Toluca) do que pela ajuda com a qual ele pôde contar de seus companheiros. Inoperante nas últimas rodadas, as duas derrotas culminaram na demissão do também uruguaio Eugui, substituído pelo compatriota Graniolatti. Acostumado a ficar sempre próximo das conquistas, o torcedor dos Diablos agarra-se ao dado para acreditar em título no Clausura, já que o elenco Choricero é tecnicamente inferior aos rivais. Isso não impediu títulos anteriores, mas o receio é o envelhecimento de nomes de destaque da equipe, como Sinha (35) e Romagnoli (34). Até por isso, o retorno a Liguilla não deve ser tão palpável em 2012.

Atlante
Apertura 2011: 14º colocado com 19 pontos (5V, 4E, 8D, 24GP, 28GC)
Destaques: Christian Bermúdez e Giancarlo Maldonado
Objetivo no Clausura 2011: vaga na Liguilla
Palpite da coluna: briga pela Liguilla

Tudo bem que os Potros não tem muitas chances de queda, pelo menos para o Clausura, mas vender dois de seus principais jogadores e repor com peças que estão em débito com o futebol em solo azteca é temeroso, ainda mais para uma equipe distante da briga por títulos. A perda de Bermúdez ainda é aceitável, dada a proposta e o time que o contratou (e que já havia levado o então treinador da equipe, Miguel Herrera), mas perder um dos poucos ídolos azulgrana para um rival na briga contra o rebaixamento não. Com muitas mudanças, os Potros foram o time que mais se mexeu no mercado de inverno, o que deve frear um pouco a ascensão da equipe. O time mantém a política de apostar em nomes desconhecidos, mas que geralmente rendem bons frutos e campanhas honrosas.

Tijuana
Apertura 2011: 15º colocado com 18 pontos (3V, 9E, 5D, 21GP, 23GC)
Destaques: Dayro Moreno e José Sadn
Objetivo no Clausura 2011: escapar do rebaixamento
Palpite da coluna: escapa do rebaixamento  e briga pela Liguilla

Dá para entender a posição alcançada e a fraca campanha de um time com um elenco forte e com boas peças de reposição como o que possui os Xolos. Recém-chegado a Primera División, os rojinegros contrataram muito e bem. Mas até as peças começarem a render vieram três derrotas logo de cara e apenas uma vitória em 12 partidas. Quando o grupo deu liga já era tarde para tentar uma vaga na Liguilla, objetivo traçado pelos Tijuas e transferido para 2012. Como os Perros terminaram a competição com oito partidas de invencibilidade e já somam quatro pontos em 2012 dá para se imaginar que o time deva render mais. A última posição já não é mais do Tijuana e é justamente a briga por vaga nos playoffs que deve salvar o time do descenso. Numa boa sacada, a diretoria acertou com o bom atacante colombiano Duvier Riascos, do Puebla, na esperança de reforçar ainda mais seu sul-americano setor ofensivo.

Estudiantes Tecos
Apertura 2011: 16º colocado com 18 pontos (6V, 0E, 11D, 24GP, 30GC)
Destaques: Herculez Gomez, Rubens Sambueza e Eduardo Lillingston
Objetivo no Clausura 2011: escapar do rebaixamento
Palpite da coluna: não escapa do rebaixamento

Apesar de contar com mais vitórias do eu os times que brigam pelo rebaixamento, os Tecolotes sofreram com a falta de empates, e por consequência excesso de derrotas. Os 11 reveses na competição afundaram o Estudiantes, que contou com três técnicos diferentes durante a competição, e mesmo assim começou o Clausura como terminou o Apertura, com novas derrotas. A lanterna refletiu também na tabela de descenso, com o time assumindo a posição de queda caso o campeonato terminasse hoje. Para piorar o cenário, a Autónoma perdeu seu destaque para o Santos Laguna. Não que o norte-americano Gomez fosse a chave para a salvação, mas agora a carga de responsabilidade deve cair exclusivamente sobre os ombros do argentino Sambueza. E a volta para a Liga de Ascenso para o cenário mais provável para a próxima temporada da UAG.

América
Apertura 2011: 17º colocado com 15 pontos (3V, 6E, 8D, 26GP, 31GC)
Destaques: Christian Benítez e Daniel Montenegro
Objetivo no Clausura 2011: título
Palpite da coluna: briga por vaga na Liguilla

Que a pressão seria insustentável em caso de alguns solavancos todos sabiam. O inesperado foi a campanha decepcionante após a eliminação da Libertadores para o Santos. Com um time apático, a despeito de contar com o elenco mais caro do futebol azteca, o círculo vicioso dos cremas voltou: torcida pressiona, diretoria cede e cobra publicamente, demite treinador, elenco se retrai, desempenho afunda, torcida pressiona ainda mais e por aí vai. O enredo estava escrito, mas não se esperava tanto. Pior defesa da competição, com 31 gols sofridos e derrota para os três principais rivais (Pumas, Chivas e Cruz Azul). Pelo menos para 2012 a diretoria milloneta mudou um pouco as ações. Contratou pouco, tendo como principal aquisição o meia Bermúdez, ex-Atlante, que há tempos já dava mostras de poder atuar num time maior, e declarou que dará tempo para o elenco comandado por Herrera se entrosar e começar a render frutos. Falta somente combinar com a fanática torcida canária, sedenta por títulos e que não aparenta oferecer a mesma trégua em caso de nova derrocada.

Atlas
Apertura 2011: 18º colocado com 12 pontos (2V, 6E, 9D, 20GP, 30GC)
Destaques: Francisco Torres e Néstor Vidrio
Objetivo no Clausura 2011: escapar do rebaixamento
Palpite da coluna: escapa do rebaixamento no sufoco

Para quem tinha “alguma” preocupação com o rebaixamento e teria de tomar cuidado com a campanha no início do Apertura, os Zorros passaram a ter “todas” as preocupações após o desempenho ridículo na competição. A sorte da Academia é que o Estudiantes também não foi muito além e os demais candidatos ainda patinam. Para 2012, os rojinegros não são favoritos ao descenso, mas vêm logo na sequência e Juan Carlos Chávez terá de tirar coelhos da cartola para compensar um elenco tecnicamente fraco. As adições do goleiro Villalpando (ex-Toluca), do lateral direito Rogelio Chávez (Pachuca) e do atacante Maldonado (Atlante) são as esperanças de uma campanha mais digna e menos “emocionante” para a torcida do Atlas.

 

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo