Serie A

Vlahović encerra jejum de gols e pode voltar a ser amado pela torcida da Juventus (e crucial para o time)

Após mais de dois meses muito incômodos, Vlahović voltou a marcar pela Juventus no clássico contra a Internazionale e espera viver uma aguardada virada de chave na temporada

Parece que um chá de banco de dois jogos fez efeito para Dušan Vlahović. O atacante sérvio da Juventus perdeu a condição de titular absoluto diante de uma incômoda seca de gols, que ele encerrou justamente ao voltar a ser titular contra a Internazionale, pela Serie A. Seu gol, que abriu o marcador do clássico, foi suficiente para que a Juve saísse de campo com um empate que, se não é dos melhores resultados por ter sido conquistado em casa, é suficiente para manter a Inter no alcance, apenas dois pontos na frente.

Eram marcados 27 minutos da etapa inicial quando Vlahović recebeu bola de Federico Chiesa e voltou a estufar as redes. Alívio para o sérvio, uma vez já eram praticamente dois meses e meio sem um golzinho sequer — seja pela Juventus ou seja pela própria Sérvia. De máquina de gols em sua chegada e na temporada seguinte, ele foi vendo seu posto de goleador se esvair e as graças nas quais tinha caído com a torcida juventina também foram se desfazendo. Vlahović vivia um inferno pessoal.

Gol no Derby D'Italia pode ser o ponto de virada para Vlahović

Foi apenas o quinto gol em 11 partidas disputadas na Serie A nesta temporada por Vlahović. Pouco para quem está acostumado a sempre lutar pela artilharia dos torneios que disputa. Não melhora muito sua pontaria de apenas 18% de chances convertidas, tampouco sobe drasticamente a média de um gol marcado a 132 minutos. A torcida da Juventus, claro, quer mais. E o gol do domingo (26) pode ser esse começo.

Foram dois jogos no banco de Moise Kean, que também não resolveu muita coisa. Uma punição válida para Vlahović, que havia marcado pela última vez contra a Lazio, no longínquo 16 de setembro, quando anotou duas vezes no mesmo jogo. Foram seis partidas de seca pela Juventus e mais duas pela Sérvia, período no qual Vlahović foi minguando aos poucos. O choque de perder a titularidade, no entanto, parece ter mexido com ele.

Marcar é essencial em um período desses, mas marcar contra uma rival que podia escapar e abrir cinco pontos na liderança é ainda melhor. Juventus e Internazionale fizeram um jogo longe de ser memorável, mas para o sérvio pode servir como um ponto de virada, como uma muleta para recuperar a confiança e voltar a ser o artilheiro que tão bem serviu à Juve nas últimas temporadas.

Vlahović mostrou que estava cansado das críticas

Não é preciso ser nenhum especialista em futebol e na psique humana para entender que uma seca de gols deixa qualquer um irritado. Ainda mais se esse qualquer um for um artilheiro nato como Vlahović. Não a toa, ao comemorar, provocou e fez sinal de silêncio, clara referência às (muitas) críticas que vem sofrendo recentemente na Itália por conta da falta de redes balançadas. Justas críticas e justo desabafo.

Quem gostou — e muito — da atuação de Vlahović foi seu técnico, Massimiliano Allegri, que fez questão de encher a bola de seu centroavante após o gol que garantiu o ponto à Juventus no clássico. Encheu tanto a bola que, para o treinador, essa foi simplesmente a melhor partida que o sérvio já fez com a camisa do time de Turim.

— Acho que hoje ele [Vlahović] fez o melhor jogo desde que chegou à Juve. Fisicamente ele dominou De Vrij, mas também tecnicamente. Ele jogou sozinho porque Chiesa começou muito longe e ele teve algumas vantagens. Estou muito feliz. Nos últimos dois meses ele não marcou nenhum gol, mas trabalhou muito, precisa manter a calma também porque só pode melhorar, tem 23 anos — afirmou Allegri.

Tantos elogios dão a entender que o banco de reservas ficou no passado para Vlahović. Agora, ele terá outro desafio pela frente: o Monza, fora de casa, na próxima sexta-feira (1). Pode parecer um jogo qualquer, que a Juventus venceria com facilidade, mas é bom lembrar: esse adversário venceu a Juve na ida e na volta da Serie A na última temporada. Uma pedra no sapato que Vlahović pode ajudar a tirar e chutar para longe — de preferência, para dentro do gol.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Existe um ditado que diz que o bom filho a casa retorna não é? Pois bem, sou Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia, de volta ao site após quatro anos, e agora redator do Trivela, um dos maiores portais de futebol do Brasil. Sou jornalista, especializado em Marketing digital e narrador do Portal Futebol Interior e também da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo