Serie A

Mourinho explica pedido à torcida da Roma na vitória contra a Lazio: “Não gosto dessas coisas de olé”

Com uma vitória confortável no clássico contra a Lazio, torcida da Roma gritava “olé” ainda no primeiro tempo e Mourinho pediu que parassem

O técnico José Mourinho se esbaldou neste domingo de Serie A, com vitória por 3 a 0 no derby contra a Lazio. O desempenho do time foi de alto nível, com Tammy Abraham, um pedido do técnico, brilhando. Além disso, ele ainda pediu respeito à torcida adversária diante do baile que o seu time dava já no primeiro tempo.

Um dos momentos curiosos do clássico foi quando Mourinho se virou para as arquibancadas, onde os ultras estavam gritando “olé” para cada passe do seu time, que vencia confortavelmente o jogo. “Não gosto dessas coisas de ‘olé’, não gosto do impacto que isso tem nos jogadores que ouvem isso no fim do jogo, ainda mais depois de 43 minutos”, explicou o treinador.

“Não gosto que um jogador interprete esse ‘olé’ como se o jogo tivesse acabado, ou que eles estão dando um show. Respeito é muito importante. Ganhamos por três gols, poderiam ser quatro ou cinco, mas respeito ao adversário é fundamental”, explicou ainda o treinador.

Ele elogiou o desempenho do time na partida e lembrou outra vitória marcante, diante da Atalanta, fora de casa. “Grande desempenho, a vitória contra a Atalanta foi realmente sólida, com um time que sabia o que tinha que fazer para vencer naquele momento particular. Hoje foi realmente especial, pareceu que tudo que trabalhamos e preparamos os rapazes levaram para o campo”, afirmou o treinador da Roma depois da partida deste domingo.

“A Lazio tentou conseguir um resultado melhor no segundo tempo, jogou com orgulho do time no derby, mas eles nunca realmente ameaçaram e novamente meus jogadores merecem crédito por isso”.

O atacante Tammy Abraham foi um pedido de José Mourinho para esta temporada e chegou custando € 40 milhões, um valor considerado alto por muitos. Até aqui, o jogador tem entregado tudo que se espera dele: o inglês assumiu a camisa nove e marcou 23 gols em 40 jogos até aqui. Só na Série A, são 15 gols marcados em 29 jogos. Aos 23 anos, ele se consolida como um jogador importante na equipe romanista.

“Eu sei que ele tem potencial para fazer ainda mais. Não foram apenas os gols, mas o modo como ele pressionou, lutou, correu para trás, defendeu a bola, o que ele não fez sequer uma vez contra o Vitesse. Eu exijo muito de Tammy porque eu sei o que ele pode oferecer. Não são apenas gols, Tammy tem que jogar todos os jogos com atitude”, disse o técnico.

Mourinho também comentou sobre os objetivos do clube na temporada e a briga por uma das vagas à próxima Champions League – os quatro primeiros vão à principal competição europeia e os giallorossi estão em quinto no momento, e foi bastante realista. Os primeiros colocados são Milan, Napoli, Inter e Juventus.

“Vejo os quatro times que estão lutando pela liderança e irão continuar lá, não os vejo perdendo isso. Então há quatro times lutando pelo quinto até o oitavo lugar: Atalanta, Lazio, Fiorentina e nós, e quatro times que estão melhorando seu potencial, o que é obviamente diferente do potencial dos quatro primeiros. Há uma diferença entre quinto e oitavo, então queremos terminar a temporada bem”.

Mourinho ainda foi perguntado sobre os playoffs da Copa do Mundo, que podem colocar a Itália contra Portugal, seu país natal. “Você não pode esperar que eu seja neutro. Eu amo a Itália, agradeço à Itália por tudo que me deu ao longo dos anos na Inter e agora também, mas com toda minha força eu digo Força Portugal! Vamos chegar lá”, disse o treinador, batendo no peito pelo seu país.

A Itália enfrenta a Macedônia do Norte no dia 24 de março e, se vencer, enfrenta o vencedor de Turquia e Portugal, que se enfrentam na outra partida da chave, em jogo no dia 29. O primeiro jogo será em casa, em Palermo, mas o segundo será fora de casa, ou na Turquia, ou em Portugal.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo