Serie A

Dybala estava endiabrado, decidiu contra a Udinese e salvou uma inconsistente Roma de novo tropeço

Com uma linda assistência e gol da vitória, Paulo Dybala garantiu três pontos para Roma diante de uma inofensiva Udinese

A temporada 2023/24 da Roma tem sido de altos e baixos até aqui. A equipe comandada por José Mourinho até conseguiu uma sequência de três vitórias seguidas em outubro, mas alguns tropeços e resultados ruins contra times da parte de cima da tabela impedem que os giallorossi engrenem na Serie A. Neste domingo (26), parecia que o clube da capital iria desperdiçar pontos importantes novamente contra a Udinese, mas contou com uma atuação decisiva de Paulo Dybala para vencer por 3 a 1 no Estádio Olímpico.

Foi o argentino quem cruzou com perfeição e deu a assistência para Gianluca Mancini abrir o placar de cabeça no primeiro tempo. No início da segunda etapa, Florian Thauvin também marcou de cabeça e empatou para a Udinese, mas Dybala impediu que a igualdade persistisse e foi frio na cara do gol colocar a Roma na frente novamente, já na reta final do confronto. A vantagem ainda permitiu que os donos da casa tivessem espaço suficiente no ataque para Stephan El Shaarawy acertar um belo chute e dar números finais ao jogo.

Com o resultado, a Roma chegou a três jogos de invencibilidade na atual Serie A pela segunda vez, agora com duas vitórias e um empate. O time de Mourinho chegou a 21 pontos e encerra a 13ª rodada da competição em quinto lugar, na zona de classificação para a próxima Liga Europa. A Udinese, por outro lado, só venceu uma vez em 13 partidas e aparece na 16ª posição com 11 pontos, um a mais que a primeira equipe na zona de rebaixamento.

Roma leva perigo e abre o placar na bola parada

Mesmo jogando no Estádio Olímpico contra uma equipe da parte inferior da tabela da Serie A, a Roma não teve aquele início incisivo e de pressão que costumam ter os times mandantes em situações parecidas. Os giallorossi não conseguiram ser dominantes contra a Udinese, apesar de sofrerem pouquíssimo, e contaram com a bola parada para levar perigo. A primeira chegada foi aos 14 minutos, com Gianluca Mancini subindo mais alto que todo mundo na cobrança de escanteio pela direita e desviando à direita do gol visitante.

A tentativa foi um aperitivo do que estava por vir. Quatro minutos depois, Paulo Dybala optou por levantar na área em cobrança de falta frontal, mas de muito longe, e colocou a bola na cabeça de Mancini. O zagueiro chegou em velocidade na entrada da pequena área e desviou para baixo sem precisar pular para superar o goleiro Marco Silvestri e abrir o placar.

A Udinese, por sua vez, conseguia se defender bem com a bola rolando e oferecia pouco espaço para a equipe de José Mourinho, mas jogava apenas no seu campo de defesa e era inofensiva. A melhor chegada bianconeri na primeira etapa foi em um chute despretensioso Isaac Success que passou à esquerda do gol de Rui Patrício sem qualquer perigo, já nos acréscimos.

Udinese empata, mas Dybala decide

A proposta da Roma foi a mesma na volta para o intervalo. Romelu Lukaku tirou tinta da trave esquerda de Silvestri em cabeçada após escanteio pela esquerda. Mancini teve outra oportunidade em novo lance que mostrou ter uma impulsão melhor que os demais, mas também mandou para fora. Quem mudou de estratégia foi a Udinese, que começou a arriscar de longa distância com Thauvin, que errou o alvo, e Walace, que exigiu defesa relativamente tranquila de Rui Patrício.

Quando enfim conseguiram chegar com mais qualidade à área adversária, os Bianconeri empataram o jogo. Aos 11 minutos, Martín Payero mostrou qualidade em cruzamento da esquerda para a segunda trave, onde Thauvin apareceu com liberdade para cabecear e estufar a rede. A Udinese foi se sentindo mais confortável com o passar do tempo e ameaçava com ataques em velocidade, enquanto a Roma não achava bolas paradas para responder.

Sendo assim, os mandantes precisaram colocar a bola no chão e passaram a tentar combinações rápidas de passe por dentro. A ideia funcionou e fez com que a Roma voltasse a criar chances. Sardar Azmoun chegou a ficar de frente com Silvestri e viu o goleiro levar a melhor, defendendo sua tentativa de cavadinha. Quando Dybala ficou na cara do gol, no entanto, o goleiro não teve o que fazer. Aos 35 minutos, Azmoun recebeu na intermediária de Edoardo Bove e tocou de primeira para Lukaku, que acionou o camisa 21 com um passe de calcanhar. O argentino dominou, entrou na área e bateu colocado rasteiro, anotando o 2 a 1.

O gol de Dybala fez com que a Udinese se lançasse ao ataque de qualquer forma em busca de conquistar ao menos um ponto. A postura visitante abriu espaço para o ataque da Roma. Aos 44 minutos, Lukaku enfim encontrou campo para correr e receber um lançamento longo. Depois de segurar a bola na frente e esperar a chegada dos companheiros, o belga tocou para Bove , que por sua vez encontrou El Shaarawy dentro da área. De primeira, o camisa 92 finalizou colocado no canto esquerdo de Silvestri e definiu a vitória.

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo