Itália

A escalada da violência se tornou o câncer do futebol italiano, que precisa urgentemente de uma resposta enérgica contra a baderna

Relatório do Ministério do Interior da Itália aponta dados alarmantes de violência nos eventos futebolísticos do país

O futebol italiano é um dos mais poderosos e tradicionais do mundo e se notabilizou ao longo dos anos por conta de seu estilo de jogo único, marcado por duelos físicos, defesas fortes e tática aplicada. No entanto, nem tudo são flores. Apesar de respeitado no planeta bola, o Calcio ultimamente tem sido manchado por diversos episódios de violência, dentro e fora dos estádios. Nesta terça-feira (20), dados do relatório elaborado pelo Observatório Nacional de Eventos Esportivos, órgão do Ministério do Interior da Itália, não deixam margem para dúvidas e denunciam a escalada do vandalismo e selvageria no país.

O estudo abrangeu mais de 2600 partidas divididas da seguinte forma: 381 Série A, 390 Série B, 1188 Série C, 519 campeonatos amadores, 46 relativos a competições internacionais, 113 Copa Itália/Copa Itália da Série C e 25 amistosos. Em quase todos os quesitos houve aumento, a começar pelo número de detenções por comportamento violento, que passou de 59 na temporada 2021/22 para 125 em 2022/23. Ao mesmo tempo, ficou constatada uma crescente no número de torcedores feridos (113 em comparação com 66 no ano anterior) e forças policiais feridas (147 x 72). Uma consequência lógica disso é também o crescimento significativo das Daspo, sigla para Proibição de Acesso a Eventos Esportivos na Itália. De 1741 saltou para 3748.

Pela primeira vez foi apresentada uma seção sobre atos de discriminação racial, territorial e antissemita. Ao todo, o relatório apurou 126 incidentes deste cunho.

Único ponto positivo diz respeito ao setor ferroviário da Itália

O documento apresentado pelo Ministério do Interior é um verdadeiro tapa na cara do poder público italiano e escancara a violência extrema nos eventos futebolísticos do país. Contudo, há de se ressaltar as melhorias em um ponto específico: o setor ferroviário. Neste sentido, constatou-se uma redução significativa dos danos às infraestruturas, graças à ação dos mais de 3600 agentes Polfer (Polícia Ferroviária Italiana) e a campanhas de comunicação, incluindo a já conhecida “Sem bilhetes, sem festas”, que permitiu desencorajar a utilização do transporte público pelos torcedores mais fanáticos e ‘acalorados'.

Apesar dos desastres citados acima, o fato do setor ferroviário ter reagido bem às medidas impostas pelo estado é um alento, sobretudo se levarmos em conta o número de torcedores que utilizou o meio de transporte em 2022/23 – 44 mil – 185% a mais que na temporada anterior.

Por outro lado, foram contratados 3100 operadores da polícia de trânsito para o controle dos adeptos. O objetivo é garantir a segurança de todos e o desenvolvimento das atividades econômicas ao redor da rede rodoviária.

Relembre alguns episódios de violência recentes do futebol italiano

Perugia x Rimini Calcio – fevereiro de 2024

Perugia x Rimini Calcio se enfrentaram no último dia 3 de fevereiro, no Estádio Renato Curi, localizado na cidade de Perugia. Em campo, as defesas se sobressaíram sobre os ataques e o placar zerado se manteve até o apito final. No entanto, o resultado e a atuação das equipes acabaram ficando em segundo plano, já que, antes da bola rolar, torcedores dos dois times entraram em confronto nos arredores do estádio.

Lazio x Roma – janeiro de 2024

No dia 10 de janeiro, a Lazio eliminou a Roma nas quartas de final da Copa Itália, após bater a arquirrival por 1 a 0, no Estádio Olímpico. As duas torcidas fizeram um lindo espetáculo nas arquibancadas, mas a violência também esteve presente no Derby della Capitale. Antes do apito inicial, adeptos biancocelesti e giallorossi protagonizaram uma guerra pirotécnica. Sinalizadores e bombas de papel e fumaça foram atirados dos dois lados, mesmo com um amplo espaço separando os grupos. A polícia teve que intervir para que o problema não se tornasse uma briga generalizada.

José Mourinho, técnico da Roma na ocasião, chegou a pedir para que os torcedores giallorossi parassem com a confusão. A briga de sinalizadores não atrasou o início do clássico, que teve bela festa dos dois lados da arquibancada, com mosaicos e bandeirões.

Udinese x Napoli – maio de 2023

No ano passado, a torcida da Udinese tentou acabar com a festa do título do Napoli, no gramado do Estádio Friuli, em Udine. Após a invasão ao campo dos adeptos napolitanos para celebração da conquista da Série A, ultras da equipe mandante também furaram o bloqueio dos seguranças, pisaram no gramado e entraram em confronto com os visitantes. De acordo com a imprensa italiana, oito pessoas ficaram feridas.

Dias antes da partida, os ultras da Udinese mandaram recados à torcida do Napoli, afirmando que eles não festejariam o título em sua casa. Na véspera do duelo, o então prefeito de Udine, Massimo Marchesiello, que é nascido em Nápoles, pediu aos adeptos visitantes para que não invadissem o gramado do Friuli. Mas os napolitanos não obedeceram. Cerca de 13 mil torcedores azzurri foram a Udine e não se contiveram. A partir daí, a confusão tomou conta do campo de jogo.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Apaixonado por futebol, uniu o amor pelo esporte mais popular do mundo ao jornalismo. Carioca da gema e grande entusiasta da Premier League, cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na música, vai de Post Malone a Armandinho. Eclético assim como na área técnica. Afinal, Guardiola e Mourinho são suas referências.
Botão Voltar ao topo