ItáliaSérie B

Emoção pura: De virada e aos 42 do 2° tempo, Cremonese arranca o acesso à Serie B

Para quem acompanhava a Serie A em seus anos dourados, a Cremonese faz parte da memória. Era mera figurante em um campeonato de potências, mas vez por outra pintava na elite – quase sempre, para ser rebaixada logo depois. Os grigiorossi conquistaram o acesso quatro vezes entre 1984 e 1993. Nas três primeiras, caíram já na temporada seguinte, enquanto a última proporcionou um pouco mais de estabilidade, permanecendo entre os figurões do futebol italiano por três anos. Tempos em que jogadores tarimbados, como Gianluca Vialli, Enrico Chiesa, Attilio Lombardo, Gustavo Dezotti, Anders Limpar, Wladyslaw Zmuda, John Aloisi, Juary e Gustavo Neffa, viveram em Cremona. Muito aconteceu desde então, mas o clube resgatou ao menos um pouco de respeito à sua história neste final de semana. Assegurou o retorno à Serie B, após 11 anos vagando na terceira divisão.

VEJA TAMBÉM: Foggia orgulha sua fanática torcida e volta à Serie B após 19 anos

Historicamente, a Cremonese transitou entre o segundo e o terceiro nível do Campeonato Italiano. As dificuldades financeiras e a saída do presidente Domenico Luzzara, à frente da agremiação por 32 anos, simbolizam a queda brusca dos grigiorossi na virada do século, chegando à quarta divisão em 2000 – após quatro descensos em cinco temporadas. A partir de então, começaram a se reconstruir e reapareceram por breve período na Serie B em 2005/06. Nos últimos dez anos, bateram na trave várias vezes na Lega Pro, a terceirona do Calcio. Chegaram quatro vezes aos playoffs, sem sucesso nos momentos decisivos.

Nesta temporada, porém, o horizonte clareou para a Cremonese. Com 10 vitórias nas primeiras 13 rodadas, o time mostrou que brigaria pelo acesso no Grupo A da Lega Pro. O problema era manter o ritmo da Alessandria, outro clube tradicionalíssimo, que também se mostrava pronta para dar um passo além. A perseguição se manteve durante todo o campeonato. Até que, em fevereiro, o jogo mudasse a partir do confronto direto. Os grigiorossi entraram em campo nove pontos atrás dos oponentes e conseguiram vencer. Desde então, foram mais 10 triunfos em seus últimos 13 compromissos. Na 35ª rodada, tiraram a Alessandria do topo pela primeira vez em sete meses. Quando poderiam ratificar a ascensão, na 37ª, perderam para o Livorno, com os dois líderes igualados no total de pontos. Tudo a ser decidido na rodada final.

Em teoria, a Cremonese teria um compromisso mais fácil, recebendo o lanterna Racing Roma. Não foi o que se viu. Precisando da vitória para evitar o rebaixamento, o time da capital virou o jogo após sair em desvantagem e vencia até os 22 minutos do segundo tempo. Com a Alessandria derrotando a Pontedera, os grigiorossi dependiam da vitória. Conseguiram, com mais uma reviravolta no placar. Stefano Scappini empatou e Fabio Scarsella anotou o gol do acesso aos 42 do segundo tempo. Graças à vantagem no confronto direto, primeiro critério de desempate, o clube de Cremona pôde celebrar o retorno à Serie B.

VEJA TAMBÉM: Inzaghi faz o tradicional Venezia reencontrar a Serie B italiana após 12 anos

Campeão do Grupo A da Lega Pro, a Cremonese acompanha Foggia e Venezia, vencedores em suas respectivas chaves. Já a Alessandria precisará encarar os playoffs contra outros 26 times pela vaga restante na segunda divisão. O caráter copeiro de quem foi semifinalista da Copa da Itália na última temporada pode ajudar, mas o caminho era bem mais curto durante bons minutos deste sábado.

Entre os pontos altos da campanha da Cremonese, fez a diferença a produtividade do ataque e o desempenho também como visitante para superar a Alessandria. Méritos do técnico Attilio Tesser. Com 72 mil habitantes, Cremona recupera parte de sua relevância no cenário futebolístico. Para que o Estádio Giovanni Zini volte a experimentar algumas de suas melhores lembranças.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo