Copa da Itália

Muriel deu uma aula de frieza dentro da área e a Atalanta eliminou o Venezia pela Copa da Itália

Depois de um primeiro tempo dominado pela Atalanta, o Venezia deu trabalho na segunda metade do jogo, mas a Dea avançou para as quartas de final

Luis Muriel atravessa mais uma boa temporada com a Atalanta. O colombiano cresceu de produção sobretudo desde novembro e contribuiu à guinada recente da Dea. E o brilho do atacante também ajudaria nesta quarta-feira, para que os nerazzurri se classificassem às quartas de final da Copa da Itália. Muriel se destacou na vitória por 2 a 0 sobre o Venezia, no Estádio Gewiss, com um lindo gol que ressalta toda a sua frieza aliada à qualidade técnica dentro da área.

O primeiro tempo seria de amplo domínio da Atalanta. O goleiro Luca Lezzerini até adiava o primeiro gol, mas acabou sendo vítima de Muriel logo aos 12 minutos. E foi uma lição de calma do atacante na definição. Após o passe de Remo Freuler, o colombiano dominou no peito com zagueiro e goleiro à sua frente. Deu um corte seco que enganou ambos e, com o gol a seu dispor, só empurrou às redes. A Dea seguiu melhor no restante da primeira etapa, inclusive com uma bola no travessão de Teun Koopmeiners.

O segundo tempo seria bem mais aberto. Domen Crnigoj anotou um golaço para o Venezia, num lindo chute de primeira da entrada da área, mas o lance foi anulado porque Thomas Henry atrapalhou o goleiro Juan Musso. Giuseppe Pezzella acertou a trave do outro lado e Musso corrigiu um erro no domínio com uma defesaça diante de Henry. Mas, ainda que os arancioneroverdi lutassem, a Atalanta garantiu a classificação aos 43. Num contra-ataque, Joakim Maehle tabelou com Mario Pasalic e fez o segundo.

A Atalanta enfrentará nas quartas de final o vencedor do duelo entre Napoli e Fiorentina. A Dea chegou às finais da Copa da Itália de 2019 e de 2021 mais recentemente, embora persiga um título que não conquista desde 1963.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo