Copa da Itália
Tendência

Derby d’Italia teve confusão e Inter mais feliz com empate arrancado nos acréscimos contra a Juventus

Com três expulsões na partida, todas no fim do jogo (duas depois do fim do jogo), a Inter parecia que perderia o jogo, mas consegue empate em um gol de pênalti no final

A Internazionale é quem sai mais feliz do jogo de ida das semifinais da Copa da Itália. O empate por 1 a 1 em Turim foi garantido no último lance do jogo, um pênalti marcado no fim dos acréscimos e que causou uma confusão danada. Depois do gol de empate, três jogadores foram expulsos, sendo dois deles depois do apito final.

Os dois times foram a campo para o jogo de ida da semifinal da Copa da Itália com força praticamente máximo, dentro do que tinham disponíveis. O técnico Massimiliano Allegri usou o goleiro Mattia Perin, que é sempre usado nas Copas, e no mais manteve o time praticamente inalterado. Federico Chiesa, um potencial titular, começou no banco, até pela condição física longe da ideal ainda.

Na Inter, Simone Inzaghi também colocou o que tinha de melhor. O goleiro usado também é o jogador de Copas, Samir Handanovic, já que o titular habitual é André Onana. O time não teve Hakan Çalhanoglu, machucado, assim como Milan Skriniar, e quem jogou no meio-campo foi Marcelo Brozovic, Nicolò Barella e Henrikh Mkhitaryan. No ataque, o técnico escolheu novamente colocar Edin Dzeko ao lado de Lautaro Martínez, com Romelu Lukaku no banco.

Primeiro tempo

A Juventus foi melhor desde o começo do jogo. Ainda que não criasse grandes chances, o time de Turim chegava mais ao ataque. Levou perigo em um chute de Ángel Di Maria, que obrigou o goleiro Handanovic a uma defesa na ponta dos dedos.

A Inter respondeu em cobrança de falta de Federico Dimarco, que Perin defendeu bem. Edin Dzeko também teve chance de finalizar, mas saiu fraco e não assustou o goleiro da Juventus. Foi só aos 33 minutos que a Inter teve uma chance de real perigo. Dzeko fez jogada de pivô, ajeitando para Marcelo Brozovic, que finalizou bem. O goleiro Mattia Perin precisou fazer uma boa defesa.

Dusan Vlahovic teve uma chance em uma cabeçada, mas não estava completamente equilibrado e cabeceou fraco. Antes do fim do primeiro tempo, a Inter ainda levou perigo com Dimarco, que teve a finalização bloqueada por Bremer. No escanteio, Danilo D’Ambrosio, que tocou de cabeça por cima do gol.

Segundo tempo

A Juventus tentou o gol logo no começo do segundo tempo. Nicolò Fagiolo fez o passe para Vlahovic, que cabeceou por cima. Mkhitaryan também teve uma chance no início da segunda etapa que levou perigo, mas foi para fora.

Arkadiusz Milik entrou em campo e quase marcou nos seus primeiros minutos em campo. Ele recebeu um cruzamento de Cuadrado e tocou de primeira para fora. A sua posição era duvidosa, mas a arbitragem não marcou. O replay deixou a impressão depois de ele estar em posição legal. Como não houve o gol, o lance não foi revisado pelo VAR.

O gol da Juventus veio aos 37 minutos. Adrien Rabiot cruzou da esquerda parta a área e a bola passou por todo mundo até chegar à segunda trave, onde Juan Cuadrado dominou com muito espaço e finalizou cruzado para vencer o goleiro. Juventus 1 a 0.

Tudo parecia bem para a Juventus até os segundos finais do jogo. Em um cruzamento para a área, Denzel Dumfries subiu e tocou de cabeça e Bremer tocou com a mão na bola. O árbitro marcou o pênalti imediatamente. Foi feita a checagem e os jogadores da Juventus reclamavam de falta de Dumfries, mas foi ignorado: o pênalti foi confirmado.

Romelu Lukaku assumiu a responsabilidade da cobrança. Se sabia que seria o último lance do jogo. Ele cobrou com categoria, tirou do goleiro e marcou 1 a 1, aos 50 minutos. O belga comemorou muito e pareceu responder a provocações da torcida. Ele fez um sinal de sentido, com a palma da mão estirada na cabeça e com a outra mão fazendo o sinal de silêncio.

O gesto causou confusão. Aconteceu algo que não foi mostrado. O que vimos foi o árbitro expulsar Lukaku, depois de dar um segundo cartão amarelo ao belga, o que despertou ainda mais confusão. Cuadrado recebeu cartão amarelo, o que o tirou da partida de volta. O jogo ainda foi reiniciado, mas só para o árbitro enfim encerrar o jogo. Mas a confusão continuou.

Handanovic foi atrás de Cuadrado e foi tirar satisfações com o colombiano. O árbitro acabou expulsando os dois. No túnel a confusão continuava, com os jogadores batendo boca e a segurança do estádio precisando trabalhar para impedir ainda mais confusão.

O jogo teve poucas chances, poucos gols e muita confusão, como tem sido habitual nos duelos entre Juventus e Inter. A rivalidade entre os dois times está cada vez mais quente. Os dois times voltam a se enfrentar no jogo de volta no dia 26 de abril. Handanovic e Lukaku, pela Inter, não poderão jogar. Cuadrado, pela Juventus, também não.

Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo