Itália

Contratado em definitivo pelo Milan, Tomori diz que Itália mereceu título e sonha ir à Copa 2022 pela Inglaterra

Zagueiro inglês chegou em janeiro e foi comprado pelo Milan; ele jogou uma partida pela seleção inglesa e espera voltar para jogar a Copa

A principal contratação do Milan na temporada até agora já estava no clube. O zagueiro Fikayo Tomori fez uma ótima temporada com os rossoneri, contratado em janeiro pelo clube. Seu desempenho agradou e o Milan pagou € 29,2 milhões para manter o zagueiro inglês em definitivo em San Siro.

Aos 23 anos, Fikayo Tomori é uma revelação do Chelsea e buscou o seu espaço para jogar mais minutos com o empréstimo ao Milan. O excelente desempenho com a camisa rossonera fez com que o clube italiano não tivesse dúvidas para contratá-lo em definitivo.

Foram 22 jogos com a camisa do Milan, com um gol marcado. O ótimo desempenho já o coloca como um dos principais jogadores na posição e ele foi perguntado se sente que pode haver um peso pelo clube ter feito um esforço para contratá-lo de forma definitiva.

“Sem pressão, na verdade é muito satisfatório sentir a confiança em mim, todo mundo me ajudando, este é o projeto certo para mim”, disse o jogador ao Corriere dello Sport. “Todo mundo me recebeu muito bem desde o primeiro dia. Este é um grande clube, com centro de treinamento excepcional. Há tudo para crescer e vencer, é um sonho”.

“Nada é impossível, nós jogamos para vencer. Nós temos um time jovem e estamos melhorando. Na última temporada, terminamos em segundo e isso significa que estamos no caminho certo. Nós precisamos continuar assim, passo a passo”, disse ainda o zagueiro.

Tomori atuou mais ao lado de Simon Kjaer, defensor dinamarquês, do que de Alessio Romagnoli, que ficou mais no banco na reta final. Tomori, porém, disse que tem aprendido muito com os dois companheiros.

“Kjaer e Romagnoli são dois grandes campeões, eles estão me ajudando muito a melhorar, dentro e fora de campo. Romagnoli é meu capitão, ele fala inglês e está me ajudando, eu tenho um grande sentimento com Kjaer e ele”, comentou ainda o jogador.

“Pioli está me ensinando alguns pequenos detalhes. Ele foi um defensor, então estou aprendendo muito, especialmente no meu posicionamento. Nós estamos em termos muito bons”, comentou o jogador sobre o técnico.

“Às vezes ainda parece irreal estar falando com Maldini. Ele é uma lenda do futebol, uma das pessoas que realmente podem te ajudar e dar um bom conselho. Eu estou tentando aprender o quanto eu posso dele”, contou Tomori.

“Giroud é uma certeza”

Nesta temporada, Tomori estará ao lado de um ex-companheiro, Olivier Giroud, com quem jogou no Chelsea. Giroud foi anunciado neste sábado e vestirá a camisa 9 nos rossoneri. “Giroud é uma pessoa ótima e um atacante de alto nível, ele tem grande experiência”, afirmou o zagueiro, que foi companheiro de Giroud no Chelsea. “Ele é uma ótima pessoa, ele ajuda e encoraja todo mundo. Ele é um cara que ajuda o grupo, um verdadeiro profissional e todo mundo sabe suas qualidades”, disse o jogador à Milan TV.

“Ter alguém como ele no time é fantástico, eu tenho certeza que ele irá bem aqui”, continuou. “Giroud ganhou a Copa do Mundo e a Champions League. Ele tem jogador por um longo tempo e já ganhou a Ligue 1 [pelo Montpellier, em 2012]. Ele é uma certeza”.

Fikayo Tomori também elogiou outro dos atacantes, mas este que já está no elenco: o sueco Zlatan Ibrahimovic, que foi o principal jogador do time até se machucar no final da temporada. “Ibra é um verdadeiro líder, capaz de fazer você exercer o seu melhor seja com uma palavra ou um olhar, um verdadeiro campeão”, comentou.

“Sonho jogar uma Copa do Mundo’

Tomori só fez um jogo pela seleção inglesa na carreira, nas Eliminatórias da Eurocopa, no dia 17 de novembro de 2019. Isso depois de ele trocar a sua ligação, já que ele é canadense de nascimento e tinha jogado pela seleção canadense sub-20, em 2016. O jogador tem ascendência nigeriana, o que o tornou concorrido também pela seleção africana. No fim, ele decidiu, em 2019, representar a Inglaterra e jogou uma partida oficial pelos Three Lions, o que o vincula definitivamente ali.

Não esteve no grupo que foi à Euro 2020 e fez uma grande campanha, mas que acabou com a frustração dos ingleses para a vitória dos italianos, justamente o país onde joga agora. “Na final, nós [Inglaterra] saímos na frente e a situação parecia positiva, mas a Itália cresceu durante o jogo. A Inglaterra chegou perto de vencer e jogou uma grande Eurocopa, mas a Itália mereceu vencer”, analisou o jogador.

“Agora temos que focar na Copa do Mundo, nós iremos precisar ter a mesma mentalidade e usar essa experiência para melhorar. O time é muito jovem e a Copa do Mundo está logo ali. Eu espero ser parte do time, esse é o meu objetivo. Todo mundo gostaria de jogar uma Copa do Mundo e é um sonho que eu tenho. O Milan é uma enorme oportunidade para mim, eu estou focando nisso e me sentindo bem”.

Racismo

O zagueiro comentou sobre a questão do racismo, que tem sido muito falada com os inúmeros casos de ofensas racistas que os jogadores sofrem, tanto na Inglaterra quanto na Itália. “Nós precisamos de uma mudança cultural. É uma minoria de pessoas que vive nas redes sociais. Se você disputa um jogo e perde um pênalti, é inevitável receber insultos, mas isso não é certo e acho que todos concordam que precisamos fazer algo, nós precisamos mudar.

“Há minorias também na Itália, mas o problema é que muitas pessoas não conhecem as novas culturas, então elas têm medo. Nós vivemos em um mundo multicultural, você pode ver isso em Milão ou Londres. Nós precisamos começar com educação para saberem o que é racismo e por que precisamos lutar contra isso”, continuou.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo