Itália

Adestrador de águia da Lazio é fascista assumido e cara de pau o bastante para questionar isso ser um problema

Admirador de Mussolini e de Franco e eleitor da extrema direita, adestrador diz que não entende por que seu gesto fascista causou tanto caos

O adestrador de águias da Lazio foi filmado fazendo gestos fascistas, em referência a Benito Mussolini, e admitiu que é admirador do líder do fascismo italiano no início do século 20. Mais do que isso: Juan Bernabè, que é espanhol, disse que admira também Francisco Franco, líder fascista na Espanha, e que é eleitor da extrema direita. Ele não entendeu por que o seu gesto fascista, imitando a saudação ao “Duce”, ter causado tanto caos.

LEIA MAIS: Depois de desprezar o futebol, o fascismo interferiu também nos rumos dos clubes italianos

Depois da vitória sobre a Internazionale, no último fim de semana, Juan Bernabè fez o gesto no estádio Olímpico para torcedores, enquanto repetia “Duce, Duce”. Ele vestia o uniforme da Lazio e era responsável pela ave que é mascote do clube da capital italiana. A atitude do adestrador gerou muitas críticas da comunidade judaica da Itália.

https://twitter.com/copaalemdacopa/status/1450792377254350854

O clube se manifestou contrário aos gestos e tomou medidas, informadas em um comunicado:

“Tendo tomado conhecimento da existência de um vídeo que apresenta Juan Bernabé (funcionário de uma empresa externa à Lazio) em atitudes que ofendem o clube, torcedores e valores onde a comunidade é inspirada, foram tomadas medidas para a suspensão imediata da pessoa em causa e o possível fim dos contratos existentes”.

Em entrevista ao Il Messaggero, Bernabè afirmou que não entende por que o gesto causou tanta controvérsia e admitiu admiração pelo Duce, que ele repetiu no vídeo. “Não entendo por que todo esse caos surgiu. A Lazio não tem nada a ver com isso, então isso é muito decepcionante, mas eu apoio o partido Vox [de extrema direita na Espanha], assim como muitos dos meus amigos do futebol, e tenho orgulho disso”, afirmou.

“É verdade, eu gritei Duce e não irei negar isso, porque admiro Mussolini. Ele fez grandes coisas pela Itália, assim como Francisco Franco fez pela Espanha. Admiro os dois e tenho orgulho disso”, disse ainda adestrador. Ele afirmou que não foi oficialmente suspenso pela Lazio ainda, mas que foi informalmente avisado sobre uma ação disciplinar. “Eu não sabia que esse tipo de gesto era proibido no país de vocês, senão, eu não teria feito. Não queria criar problemas para a Lazio”.

Mussolini esteve no poder na Itália de 1922 a 1943 e foi parte do Eixo, uma aliança com Adolf Hitler e os nazistas alemães e o Japão. O líder italiano foi executado em 1945. No seu tempo no poder, ele criou leis racistas, proibiu livros judeus, os expulsou do serviço público e também das universidades, além de ter confiscado seus bens e, claro, ter prendido e matado muitos deles.

O futebol italiano tem muitos torcedores ligados à extrema direita e a Lazio é conhecida por ter uma torcida organizada com valores fascistas. Os “Irreducibili”, da Lazio, têm ligações com grupos da torcida da Internazionale, em uniões que são bastante conhecidas por defenderem a extrema direita.

Diversos episódios de racismo na Itália estão ligados a esses grupos, como aconteceu com Romelu Lukaku, quando este grupo da torcida da Inter criticou o atacante depois de um episódio que ele ouviu gritos racistas de torcedores. A torcida se manifestou dizendo que isso não era racismo, era “só provocação”.

É preciso que o futebol italiano combata esse tipo de comportamento preconceituoso, assim como também fique atento a esses grupos que fazem gestos fascistas. Mais do que apenas afastar o funcionário, é preciso que o clube tenha um posicionamento institucional, algo que também falta nos outros clubes em todos os episódios mais recentes em relação a racismo. É preciso mais ação, inclusive contra os torcedores que também fizeram gestos desse tipo.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo