Inglaterra

Sub-18 do QPR abandona partida na Espanha depois de ouvir insultos racistas e imitações de macacos

Na Espanha para disputar amistosos, a equipe sub-18 do QPR, time de Londres, foi vítima de insultos racistas e alvo de gritos de macaco por parte de jogadores do Nervión, da região da Andaluzia. Diante dos ataques, a comissão técnica do clube londrino ordenou que seus jogadores deixassem o gramado.

[foo_related_posts]

A partida entre a equipe sub-18 do QPR e o Nervión aconteceu na última quinta-feira (8), como parte de uma turnê de jogos amistosos que incluiu ainda duelos contra Sevilla e Cádiz.

De acordo com o diretor-executivo do QPR, Lee Hoos, o clube sabia da possibilidade de enfrentar eventuais casos de racismo durante a viagem à Espanha. Com isso em mente, trabalhou junto com a organização antirracismo Kick It Out, da Inglaterra, para formular um plano em caso de incidentes do tipo – o que se provou útil no jogo com o Nervión.

O protocolo determinava que, primeiro, os jogadores informariam o abuso a seu técnico, Paul Furlong, e à arbitragem. Em seguida, Furlong tomaria a decisão de retirar seu time de campo ou não. E o treinador optou pela primeira alternativa.

“Aplaudo Paul Furlong e sua comissão técnica por reagir de tal maneira e por fazer tudo em seu poder para proteger os jogadores. Também estou muito orgulhoso de nosso sub-18, que mostrou tamanha maturidade diante de uma provocação inaceitável”, exaltou Hoos.

O dirigente cobra da Uefa uma ação enérgica para punir o Nervión, ressaltando que, “se esse incidente tivesse acontecido na Inglaterra, não tenho dúvidas de que seria tratado com rapidez e uma forte punição pela FA”. Entretanto, em caso de amistosos internacionais, a jurisdição é da Fifa, conforme explicado pela Sky Sports.

“Infelizmente, parece que alguns países ainda têm um longo caminho a percorrer nesse sentido, e peço à Uefa que tome a ação mais forte possível, já que incidentes dessa natureza estão acontecendo muito frequentemente. No QPR, não devemos, e não iremos, tolerar isso”, encerrou o diretor-executivo do Queens Park Rangers.

A Kick It Out, por meio de um porta-voz, comunicou que sempre irá apoiar jogadores e clubes vítimas de racismo, “especialmente se tiverem seguido os protocolos corretos”.

Depois de tantos casos de racismo e incidentes em que a própria vítima é quem deixa o campo, sozinha, o caso do QPR, ainda que se tratando de um amistoso de uma equipe juvenil, pode abrir precedente encorajador em meio a tantas discussões sobre abandono de partida feitas e não levadas a cabo por, entre outros, treinadores e dirigentes – a lembrar o caso de Spalletti e Gattuso, após ofensas a Kalidou Koulibaly, do Napoli.

Atualização: uma versão anterior deste texto afirmava que as ofensas partiram da torcida do Nervión. Na verdade, foram os jogadores do Nervión que ofenderam os jogadores do QPR.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo